Luciano Salles é quadrinista, ilustrador da Folha de S.Paulo e 1/3 da Produtora Cultural e Editora Memento 832.
Autor da histórias em quadrinhos EUDAIMONIA (2017, Publicação independente/Catarse), Limiar: Dark Matter (2015, Publicação independente), L’Amour: 12 oz (2014, Editora MINO), O Quarto Vivente (2013, Publicação independente) e da HQzine Luzcia, a Dona do Boteco (2012, Publicação independente).
Contato: lucianosalles@dimensaolimbo.com

29.8.18

Não ganhei nada

Olá.

Quando as antigas civilizações criaram, de acordo com suas convicções religiosas e crenças, o período definido como as 24h que contemplam um dia, nunca imaginariam a precisão centesimal que atingiriam os relógios atômicos (e nem era esse o propósito). 

É incrível como essa divisão do tempo em que se baseia nossa existência, é capaz de nos alegrar em "exato" momento (com mais de "não sei quantas" casas decimais após a vírgula) e, mais do que de repente, a vida apresenta seu potencial incrível para acabar com seu viço, aquela energia vital que habitava seu corpo e estava exuberante.

HQMIX
Encontrei nestes dois parágrafos introdutórios a forma ideal para expressar que não venci nenhuma da três categorias em que fui indicado no 30º trofeu HQMIX. Claro que parabenizo todos os vencedores em suas respectiva categorias!

Não ganhei na categoria publicação independente edição única porém a vencedora foi minha amiga Bianca Pinheiro com sua HQ Alho-poró. Não ganhei na categoria publicação independente de autor e aqui novamente, a Bianca abocanhou com Alho-poró. Ao mesmo tempo que fico triste por não ganhar, fico feliz pelo quadrinho dela ter levado os prêmios nestas duas categorias. 

Não ganhei na categoria desenhista nacional. Aqui o prêmio foi para o premiadíssimo Marcelo D'Salete, autor de Angola Janga. Novamente o mesmo sentimento, triste por ter perdido e feliz pelo Marcelo.

Você que lê o post pode até pensar: ...o Luciano está chateado pois inveja os que ganharam. Não mesmo! Inveja é diferente de cobiça. Eu cobiço um HQMIX desde que fui indicado pela primeira vez e ao todo, já foram 9 indicações entre os meus trabalhos.

Então, novamente, você pode imaginar: ...poxa, o camarada está reclamando que não ganhou mas já foi indicado esse monte de vezes. Ser indicado também é legal demais! Você está certo se imaginou isso. Ser indicado é bem legal, significa que seu trabalho foi analisado por especialistas e mereceu estar entre aquele tanto de gente talentosa, mas existe uma grande diferença entre ser indicado e vencer. 

A diferença está na validação que somente um prêmio confere, incrementa ao seu trabalho como quadrinista, desenhista, roteirista, colorista. É a confirmação daquele artista como um profissional da área, como um bom contador de histórias em quadrinhos. Ao mesmo tempo, você concorre entre tantas pessoas talentosas que a votação torna-se algo totalmente subjetivo. Digo pela diferença e critério de exposição dos artistas que estão disputando a mesma categoria, em que vitrine ele ou ela aparecem, como ele ou ela permanecem na mente dos demais que votam entre tantas outras e inúmeras variáveis e possibilidades.

Novamente enfatizo, não confunda inveja com cobiça. São sentimentos bem diferentes e quase que antagônicos.


ProAC
Estava esperando o resultado do HQMIX para revelar que novamente não fui contemplado com o prêmio do edital.

Resumindo: preciso melhorar e sigo em frente. Preciso e vou criar melhores histórias, preciso e vou ser um melhor desenhista do que fui ontem, preciso e vou entender vários processos e seus meandros.

Agradeço a você que votou em mim, torce pelos meus trabalhos e provavelmente estarei na entrega do prêmio, no SESC Pompeia.

Grande abraço.

Luciano Salles.