Luciano Salles é quadrinista, ilustrador da Folha de S.Paulo e 1/3 da Produtora Cultural e Editora Memento 832.
Autor da histórias em quadrinhos EUDAIMONIA (2017, Publicação independente/Catarse), indicada ao 30º HQMIX, Limiar: Dark Matter (2015, Publicação independente), L’Amour: 12 oz (2014, Editora MINO), indicada ao 27º HQMIX, O Quarto Vivente (2013, Publicação independente), indicada ao 26º HQMIX e da HQzine Luzcia, a Dona do Boteco (2012, Publicação independente), indicada ao 27º HQMIX
Contato: lucianosalles@dimensaolimbo.com

15.10.18

Superman 80 anos – desenho feito exclusivamente para a CCXP 2018

Desenho em homenagem aos 80 anos do Superman,
feito exclusivamente para a CCXP 2018.
Olá, tudo bem?

Esse ano não lançarei nenhuma nova HQ na CCXP mas, para ter alguma novidade bem legal, preparei essa homenagem aos 80 anos do Superman. Farei alguns prints da arte e também levarei o desenho original, para quem se interessa e coleciona.

Superman é um super-herói criado por Joe Shuster e Jerry Siegel e teve sua primeira aparição na revista Action Comics nº1, em 1938, nos Estados Unidos.

A ideia do desenho veio daqueles desfiles que vemos em filmes norte-americanos, como muitos papéis picados caindo dos prédios, por cima de quem assiste a parada. É como seu estivesse olhando de binóculos e visse o Superman pronto para alçar voo.

Fiz as cores e, como sempre, contei com o auxílio do craque, Marcelo Maiolo, que me ajudou nos detalhes com os contrastes. Dessa vez ele foi mais do que preciso na ajuda e em poucas palavras me mostrou o que não estava legal. Muito obrigado, Maiolo!

As cópias tamanho A3, estarão a venda por R$25,00 na minha MESA H01 da Comic Com Experience, que acontece de 6 a 9 de dezembro. É claro que meu trabalho principal são os quadrinhos e que estarão em maior quantidade na mesa mas sempre preparo desenhos inéditos para o festival. Ainda farei outro e logo divulgo aqui 😉🦇🃟

IMPORTANTE! Não sei quantas cópias farei desse desenho mas se for para a CCXP e tiver interesse em deixar reservado um exemplar do print, é só solicitar através do e-mail lucianosalles@me.com, com o título: Quero um print dos 80 anos do Superman. E não esqueça de marcar o número da minha mesa para buscar seu pôster reservado.

Fico por aqui. Deixe seu comentário, dúvida, crítica ou o que mais quiser. Você sempre será respondido.

Grande abraço!

Luciano Salles.

Lápis final por Luciano Salles
Lápis arte-finalizado. Por Luciano Salles
























Sempre no sketch podrera de 60 segundos
Desde o início a ideia era por esse ângulo






10.10.18

MESA H01: essa é a minha mesa na Comic Com Experience 2018

Olá, tudo bem?

Ontem foram divulgadas as mesas que cada artista ocupará na CCXP 2018. São mais de 540 artistas do mundo inteiro, alocados no Artists' Alley e que concorreram, através de portfólios, as tão disputadas mesas do evento.

Além das mesas, também foi divulgado o perfil de cada artista no site da CCXP e que estará no Artists' Alley. Este é meu link: https://www.ccxp.com.br/artists-alley/1109

Esse ano estarei na MESA H01 e, na última semana de novembro, faço um novo post com o que levarei para a convenção. Além de concorrer a mesa, é importantíssimo ressaltar que a mesma conta com o apoio cultural da World Game, da Mondrian Ambiente e da Portal Informática.

Elio Lio da World Game
Entenda como apoio cultural o fato de que empresas de Araraquara, cidade onde moro, foram as responsáveis por quitar o valor referente ao uso da mesa durante todos os dias do evento. Desta forma, sou muito grato aos empresários Elio Lio, responsável pela World Game e a Teresa, que responde pela Mondrian AmbienteSão pessoas da iniciativa privada que sempre apoiam a arte, cultura e o esporte na cidade de Araraquara. Deixo aqui meu sincero agradecimento pela oportunidade concedida. Também conto com o apoio da Portal Informática, dos camaradas Marcelo Piva e o Cris.


Teresa Magnani da Mondrian Ambiente
Entretanto a batalha é árdua e ainda tenho as despesas com hotel, transporte (ônibus intermunicipal, UBER e metrô) e alimentação, que ainda dependem de apoio cultural.

Desde 2014, ano da primeira Comic Con Experience, recorro a esses patrocínios para ir ao evento e esse tem sido o ano onde conseguir apoio cultural tem sido mais difícil. Geralmente, "nos outubros" anteriores, já estava com tudo certo e organizado financeiramente para o evento. Enfim, ainda estou na luta!

Para finalizar, lembre-se de anotar a MESA H01 no seu controle de "mesas para visitar". Nos vemos em dezembro na maior Comic Con das Américas.

Um abraço.

Luciano Salles.

8.10.18

Entrevista (de fôlego) para o Tapioca Mecânica e entrevista em vídeo para o Chapéu do Presto

Olá, tudo bem?

Segue entrevista em vídeo para o Chapéu do Presto, que aconteceu no Festival de Quadrinhos de Limeira e, na sequência, entrevista que concedi ao site Tapioca Mecânica, no FIQ 2018.

Confira e se quiser deixar alguma pergunta ou consideração, fique a vontade e use os comentários para isso.

Um abraço.

Luciano Salles.



Entrevista para Tapioca Entrevista – LUCIANO SALLES FIQ 2018
por Gabriel Fraga | 12 /09/ 2018 | Destaques, Quadrinhos

Na última semana de maio de 2018 ocorreu mais uma edição do tradicional Festival Internacional de Quadrinhos (FIQ) em Belo Horizonte e o Tapioca Mecânica esteve lá. Foram feitas várias e interessantes entrevistas e que depois de um trabalhinho de transcrição, agora apresentaremos nessa coluna de quarta-feira.
A primeira entrevista foi com o quadrinista Luciano Salles. Muito gentil e solícito com seu tempo, Luciano nos cedeu um dos melhores bate-papos que já fizemos, além de ser muito esclarecedora sobre seus quadrinhos e seu jeito de encarar arte.

TAPIOCA MECÂNICA: No Quarto Vivente você fala do período em que viveu em Araraquara, interior de São Paulo. Parece ter sido um momento muito importante para sua formação.
LUCIANO SALLES: Eu me mudei pra Araraquara bem pequeno, com dez anos. Caí numa ruela sem saída, pequena e foi tudo que eu poderia querer: punk rock, skate e fanzine, desenhos. Tudo que eu gostava de fazer. E foi bem formador. Nessa época zine não era só desenho, não era só história em quadrinho. Tinha matéria sobre a banda de rock da cidade e aí nós mandávamos pra Recife e eles devolviam com outras matérias e fitas cassetes das bandas de lá. E eu já sabia que era isso que eu queria fazer. Isso foi em 1985…

TM: E fazia tudo isso aos dez anos, fanzine, punk rock e skate? (risos).
SALLES: Pior que sim. Eu entrei nesse mundo com dez anos e fui até os vinte e três. Andei bastante de skate, mexi muito com música, ainda mexo um pouquinho.

TM: Tocando?
SALLES: Não toco mais nada. Meu violão tá com meu pai, minha guitarra tá indo pro meu irmão, meu trompete tá parado. Às vezes faço alguma trilha pra algum espetáculo de balé ou curta-metragem. Mas isso aí ficou incrustrado em mim.
Como eu falei, em 1985, era outro mundo, cara. Você tinha que fazer uma faculdade e seguir a carreira, por isso que sempre estudei muito, sempre gostei de estudar, estudei pra caramba, sempre fui muito CDF, CDF mesmo, nem tinha nerd no Brasil ainda e foi isso. O quadrinho veio bem depois, com 37 anos.


2.10.18

Como foi o Festival de Quadrinhos de Limeira?

Festival de Quadrinhos de Limeira com Pedro Mauro
em primeiro plano, Sam Hart, Rafael De Latorre e
Marcelo Maiolo ao fundo. Foto por Luciano Salles.
 
Olá, tudo bem?

Fui um dos convidados para o 3º Festival de Quadrinhos de Limeira, uma cidade de tamanho médio e localizada no interior do estado de SP.

A cidade fica, de certa forma, próxima de São Paulo Campinas, dois grande polos. Enfim, Limeira é uma cidade muito bem localizada para acontecer um evento de quadrinhos no interior do estado.

Ao chegar na Faculdade de Administração e Artes de Limeira, local que acolheu tão bem o Festival, a sensação térmica e a poeira da estiagem compuseram uma perfeita e natural ambientação em homenagem aos 70 anos do TEX, tema do evento.

Acho que vale ressaltar que o Festival passou a ser incorporado nas datas comemorativas da Prefeitura, o que de certa forma, facilita os próximos a acontecerem com apoios e investimentos tão necessários.

Beco dos artistas ou Artists' Alley.
Foto por Luciano Salles.
O evento foi muito bem organizado. Os artistas foram acolhidos com uma excelente hospedagem no National Inn, com o ônibus nos transportando
do hotel para o evento (a cordialidade e educação do motorista do ônibus – que agora não consigo lembrar o nome – é algo que merece ser destacado). 

O Festival, ainda em sua terceira edição, já não engatinha mais. Anda com perna fortes, com passos conscientes e certeiros. O beco dos artistas, ou Artists' Alley, foi amplo, muito bem organizado e para minha surpresa, com um excelente publico de diversas cidades e também de outros estados. Fiquei extremamente feliz em ter sido lembrado e convidado pelo organizador geral de todo evento, Renato Frigo

Falando em nomes, fui vizinho de mesa do grande Sam Hart e família, tomei um longo café da manhã com o lendário Marcatti, junto do grande Pedro Mauro e do Carlos Estefan.
Os fantásticos oficiais selos do TEX!

Não posso deixar de citar e agradecer o carinho do meu amigo Marcelo Maiolo, que comprou um almoço pra mim, levou até a minha mesa e me salvou de perder alguns quilos debaixo de todo aquele calor absurdo que fazia 😅

Em suma, o Festival de Quadrinhos de Limeira, não é um evento pequeno. Atende as expectativas do pessoal do interior e também da capital que estava ali também em peso.

Fique atento para que em 2019 você possa participar! Com certeza, se estiver vivo até lá, participarei do evento para prestigiar todo o trabalho do amigo, herói e organizador, Renato Frigo.

Deixo aqui meu sincero agradecimento ao Frigo pelo convite e por toda cordialidade em me receber tão bem.

Fique a vontade para deixar seus comentários.
Beco dos artistas ou Artists' Alley.
Foto por Luciano Salles.

Todos serão respondidos.

Grande abraço!

Luciano Salles.

25.9.18

Estarei no Festival de quadrinhos de Limeira

Dylan Dog por Luciano Salles
Olá, leitor(a) do blog. Tudo bem?

Nos dias 29 e 30 de setembro sou um dos convidados para o  Festival de quadrinhos de Limeira que acontece na FAAL, Faculdade de administração e artes da cidade. O evento é gratuito, acontece no sábado (10h às 20h) e no domingo (10h às 18h), e o grande homenagem se rende aos 70º anos do personagem TEX, da grande editora Bonelli.

A editora Mythos é a grande patrocinadora do evento e no blog deles – Mythológico – é o melhor lugar onde você encontra todas as informações sobre o festival, as exposições, o local do evento, local para hospedagens com desconto muito mais.

Veja tudo aqui: https://goo.gl/zxHq1M

Preparei para o Festival essa arte do Dylan Dog, um dos grandes personagens da Bonelli e, que será vendida com tiragem limitada para a exposição Bonelli & Expo Brasil 2018. Não faço ideia de como funcionará essa venda então não terei esse pôster comigo.

A cidade de Limeira tem se mostrado importante para o cenário do quadrinho nacional. Esse já é o terceiro FLiQ que só tem crescido em suas edições.

Na cidade também tem a loja Espaço Nerd que sempre organiza eventos como lançamentos, bate-papo, sessões de autógrafos e que sempre agita a cena para os(as) aficcionados(as) por quadrinhos, cosplay e cultura pop.

Sendo assim, você que mora na macrorregião de Campinas já tem um baita esquema legal para o final de semana! Venha para o Festival de quadrinhos de Limeira.

Um abraço nós vemos lá!

Luciano Salles.

24.9.18

As ilustrações de setembro para a Folha de S.Paulo

Ilustrações para a coluna do ator Daniel Furlan, publicada todas as segundas-feiras no caderno Ilustrada,
na Folha de S.Paulo
Olá, tudo bem?

Ao invés de ficar publicando um novo post, toda segunda-feira, sobre a ilustração para a folha ilustrada, preferi consolidar todos os desenhos na última segunda-feira do mês.

Logo abaixo, junto do nome da coluna deixo o link para a leitura de cada publicação. Basta se cadastrar no site da Folha de S.Paulo para ter acesso a leitura de 10 publicações gratuitas por mês.

– O pênis https://goo.gl/bFvrnt
– Self-service https://goo.gl/yHVHK8
– O brigadeiro https://goo.gl/bfHzYj

Fique a vontade para deixar seus comentários, dúvidas e que mais desejar.

Um abraço.

Luciano Salles.



17.9.18

Na entrega do 30º troféu HQMIX

Da esquerda para direita: Serginho Groisman, Jal e
Gual. Foto por Luciano Salles.
Olá, tudo bem?

Ontem, 16/09/2018, aconteceu a entrega do 30º troféu HQMIX, o prêmio mais relevante do quadrinhos nacional. Esse ano, decidi de última hora (apesar de estar cogitando a quase um mês) assistir a apresentação. Comprei uma passagem às 23h da sexta-feira, dia 14 e, já às 11h, no dia seguinte, embarcava em um ônibus da Empresa Cruz com destino a São Paulo. Eu adoro viajar pela Empresa Cruz.

Fui um dia antes da entrega do HQMIX para prestigiar o lançamento de SHIRÔ, a nova HQ do Danilo Beyruth, que aconteceu na loja da UGRA. O evento estava com um bom público apesar de São Paulo sempre oferecer mais de dois, três ou quatro eventos no mesmo dia e com a mesma temática, ou seja, eventos relacionados as histórias em quadrinhos. Foi exatamente o que aconteceu.

Ainda não li a revista para comentar algo, mas folheando rapidamente, é notável como o Danilo sabe exatamente o que faz. Aliás, todo o álbum é de uma qualidade incrível, impecável, exatamente como a editora Darkside costuma fazer. E o Danilo é um camarada que sempre acolhe muito bem seus fãs e admiradores.

No evento encontrei camaradas leitores, autores, jornalistas, produtores e editores que lutam pelo quadrinho nacional de forma sincera. Não vou citar os nomes pois posso cometer a injustiça de esquecer alguém.

Já no domingo, cheguei no SESC Pompeia com umas duas horas de antecedência do horário marcado para a retirada do convite para dar um caminhada por aquele lugar tão bonito. Fui com meu irmão Murilo, sua esposa Adriana, minha sobrinha Julia e passamos bons momentos juntos. Chegando perto das 16h, comecei a encontrar alguns conhecidos e, novamente, não vou citar nomes pois seria injusto.

Com a apresentação iniciada, a entrega ocorreu como de costume. O Serginho Groisman, apresentador desde o primeiro HQMIX, coordenava muito bem o palco sempre junto do Gual e Jal, os idealizadores do troféu. São 30 anos de batalha pelo quadrinhos no Brasil, enfrentando diversas conturbações políticas e econômicas, financeiras e de toda variedade que somente aqui podemos oferecer. Resumindo, esses três, Gual, Jal e o Serginho Groisman são realmente batalhadores.

Aqui estão todos os vencedores do 30º troféu HQMIX onde revelo os meus votos:
– 💣 representam as categorias em que votei e levaram o troféu;
– 💚 representam os projetos onde, de alguma forma, participei;
– 😓 representam as categorias onde não votei por não conhecer o trabalho, ou por não encontrar um projeto ou candidato que contemplasse meu voto, ou por ter votado em mim mesmo, pois concorria na mesma categoria.

Vamos lá:

Adaptação para os quadrinhos Moby Dick 💣
Arte-Finalista Nacional Lu e Vitor Cafaggi 😓
Colorista Nacional Cris Peter 😓
Desenhista Nacional Marcelo D´Salete 😓 (concorri na mesma categoria)
Destaque Internacional Marcelo D´Salete 💣 
Doutorado Tecnologia e cultura nos quadrinhos independentes brasileiros por Liber Eugenio Paz 💣
Edição Especial Estrangeira Moby Dick 💣
Edição Especial Nacional Angola Janga 💣
Editora do Ano Pipoca & Nanquim 💣
Evento CCXP Comic Con Experience 💣
Exposição A Era Heroica - O Universo DC Comics por Ivan Reis 💣
Grande Contribuição Prêmio Jabuti - Histórias em Quadrinhos 😓
Homenagem Douglas Quinta Reis 💣
Homenagem Sonia Luyten 😓
Livro Teórico Desaplanar de Nick Sousanis 😓
Mestrado O Processo de legitimação cultural das histórias em quadrinhos por Beatriz Sequeira de Carvalho 
Mestre Daniel Azulay 💣
Novo Talento Desenhista Bruno Seelig 💣
Novo Talento Roteirista Carol Pimentel 😓 
Produção para outras Linguagens Traço Livre - O Quadrinho Independente no Brasil (Filme Documentário) 💣 💚
Projeto Editorial Os Mundos de Jack Kirby – Um tributo ao rei dos quadrinhos 💣 💚
Publicação de Aventura/Terror/Fantasia Meu Amigo Dahmer 💣
Publicação de Clássico Akira 💣
Publicação de Humor Marcatti 40 💣 💚
Publicação de Tira Linha do Trem - The Best Of
Publicação em Minissérie Xampu (Vol. 1, Vol. 2 E Vol. 3) 💣
Publicação Independente de Autor Alho-Poró 😓 (concorri na mesma categoria)
Publicação Independente de Grupo Orixás - Em Guerra 💣
Publicação Independente Edição Única Alho-Poró 😓 (concorri na mesma categoria)
Publicação Infantil Combo Rangers - Somos Iguais 😓
Publicação Juvenil Graphic MSP Vol.15: Chico Arvorada 💣
Publicação Mix Baiacu e Marcatti 40 💣 (Empate)
Roteirista Nacional Marcelo D´Salete 💣
TCC Naruna - Uma história sobre esculpir travessias por Mayara Lista Alcantara 😓
Web Quadrinhos Hell No! Meu pai é o diabo 💣
Web Tira Will Tirando 😓

Fico por aqui. Deixe seus comentários sobre o que achou do prêmio, se foi ao evento, o que tem achado do blog. Enfim, aqui o espaço é aberto e seu comentário será respondido em breve.

Um abraço.

Luciano Salles.

31.8.18

Amanhã estarei no SESC Jundiaí participando do JUNDCOMICS

Foto por Marcela Campos
Olá, camarada. Tudo bem?

Amanhã, sábado, dia 01/09/2018, estarei no SESC Jundiaí para participar do JUNDCOMICS! Chegarei no período da manhã para conhecer a unidade e todo o evento. Quero dar uma passada na feira de quadrinhos e análise de portfólio que acontece praticamente o dia todo, das 10h às 19h.

Às 11h, quero muito ver e ouvir o Daniel Azulay, artista que me encantou no final do anos 70, começo dos anos 80, com seus programas de TV, onde ele desenhava e eu tentava acompanhar.

Tem também a palestra do Sidney Gusman Inovando no bairro do Limoeiro, que pretendo assistir, para então chegar a minha vez de falar, às 15h, na mesa HQ como forma de arte. Estarão comigo na mesa o Fabricio Grellet e o Camilo Solano.

Já no dia seguinte, às 14h, quero ouvir a Bianca Pinheiro, Úrsula Dourada e a Germana Viana falando Sobre a presença feminina na literatura Geek.

Se você for de Jundiaí ou da imensa da região que engloba a cidade, está mais do que convidado! Avise seus amigos e amigas que gostam de quadrinhos, arte, literatura ou simplesmente seja um CDF, geek ou nerd.

Estarei com algumas unidades dos meus quadrinhos EUDAIMONIA, Limiar: Dark Matter e O Quarto Vivente na mochila. Assim você pode adquirir seu(s) exemplar(es) diretamente comigo.

Até amanhã.

Grande abraço!

Luciano Salles.

30.8.18

Resenha: EUDAIMONIA, O Quarto Vivente e Luciano Salles

Quadro de EUDAIMONIA, de Luciano Salles
Ola, bom dia.

Por vezes, recebo algumas resenhas esporádicas sobre meus trabalhos.

Eis que essa semana, fui marcado pelo Twitter em uma resenha narrada de forma peculiar. O autor, Lequinho, do site Pipe Bomb Wrestling Podcast, fez quase que um ensaio sobre as obras EUDAIMONIA e O Quarto Vivente, relacionando tudo isso a mim.

Foi um dos textos mais legais sobre meu trabalho e você pode conferir na integra pelo link https://goo.gl/87wG4Y

Você também pode lê-lo por aqui mesmo, ao final da postagem.

Seu comentário será sempre muito bem vindo, recebido e respondido.

Um abraço e fique com a resenha!

Luciano Salles.

Da Boca para Fora 3# – EUDAIMONIA, O Quarto Vivente e Luciano Salles
28 de agosto de 2018
, Lequinho, Colunas, Da Boca pra Fora

Esse escrito não é uma reportagem como a da última edição. Também não sei se é possível chama-lo de resenha. É um texto, e, tal qual as obras sobre as quais falarei hoje, ainda não compreendi totalmente.

A verdade é que a primeira vez que eu abri um quadrinho de Luciano Salles eu não entendi é porra nenhuma.

Foi na Quanta [Academia de Artes]. Eu estudava desenho e sempre antes das aulas (quando não chegava atrasado) pegava alguma coisa para ler. Neste dia o escolhido foi Limiar Dark Matter. Como você pode ver no título, caro leitor, não vamos falar dessa HQ hoje, em primeiro lugar por conta de minha parca memória e em segundo lugar… bom, acredito que introdução deixou as impressões bem claras. O fato é que, mesmo sem entender nada, algo daquilo ficou, alguma coisa daquelas linhas e daquele treco preto que o personagem engoliu, aquelas imagens ficaram guardadas, um tipo de sensação e identidade que eu relembraria no futuro.

Ele chegou.

Dois anos se passaram até eu ler, na qualidade completa que a palavra exige, uma HQ do artista e ex-bancario. Foi Eudaimonia, financiado via Catarse, publicado de maneira independente e distribuído através da produtora de Luciano, a Memento 832; adivinhe o que aconteceu quando eu li a obra pela primeira vez?

EUDAIMONIA

É uma história sobre um homem vestido de onça que se alia a uma idosa usuária de drogas para invadir um cafofo e lobotomizar um sujeito com nome de eletrodoméstico.

EUDAIMONIA

É uma HQ sobre a morte da alma, uma segunda chance, a busca pela felicidade e o cumprimento das tarefas; uma perseguição ao objetivo, aquilo que te completa.

EUDAIMONIA

Um gibi que traz vários canudos (de plástico, mas não esquente com isso, são imaginários) que se enfiam nos crânios de Kubrick, Gaspar Noé, Spike Jonze, David Lynch, Katsuhiro Otomo, Moebius, bifurcando em uma intravenosa conectada ao braço que desenhava este gibi de 32 páginas em preto e branco. Tem hachuras, retículas e pessoas extremamente bem desenhadas que parecem estar sendo constantemente oprimidas ao mesmo tempo que oprimem seu mundos internos, seus próprios ossos existência.

EUDAIMONIA

Foi oficialmente minha primeira leitura do Salles, porque, francamente, nenhuma primeira “primeira” leitura dele pode ser considerada. Seria como considerar um soco na cara sua primeira aula de educação física; é mais um choque, um acordão. Ele te joga na água (quente ou fria) que é aquele mundo e fala “nade”, enquanto você está sem boia, não dá pé e tem dois blocos de concreto amarrados aos tornozelos. É angustiante a descida, mas também é inevitável.

Foi uma felicidade ver que a edição vinha com um autografo muito bonito do autor, este que saí mostrando pela casa, inclusive para o meu avô. Ele folheou a revista e adorou, mostrando aqui e ali algum desenho.

“Olha esse aqui” dizia ele enquanto estava deitado no sofá. Aposto que ele entendeu tudo de primeira.

Na mesma semana que recebi EUDAIMONIA em minha vida, Luciano estaria lançando-a em um evento na escola de desenho supracitada. Fui lá.

Naquela noite comprei O Quarto Vivente e, como sinopse, recebi o final da história da boca do próprio escritor, que apontou para mim e completou “isso ai é spoiler para você, inclusive”. Se pararmos para pensar, já era ele mesmo que ia me contar tal acontecido, de uma forma ou de outra. E já que o próprio Luciano não liga para spoilers, vou presumir que você também não.

O Quarto Vivente.

É um gibi sobre uma garota que dá à luz a uma baleia.

Um mundo de muitas cores e emoções, de verbos em 3ª pessoa, de coisas que se espalham. Líquidos e palavras e sentimentos e fases da vida. É outra confusão completamente diferente de EUDAIMONIA. É um trabalho mais antigo, o que faz dele ao mesmo tempo mais novo pela inexperiência e mais velho pela idade. Um outro mundo, diferente do nosso, ainda que reconhecível; uma outra sociedade ao passo que é a mesma, problemas iguais. Entrando de cabeça ali é impossível saber para onde olhar, mas também dificilmente você irá fechar os olhos.

Foi bom pegar um dos primeiros trabalhos para ler logo após ter consumido o mais recente. A evolução ficou mais clara, tanto em diagramação, em pensar o produto e em escolhas estéticas, quanto no próprio traço, que apesar de já ser uma porrada (ou um chute, você que escolhe), foi ganhando mais e mais sustância com o tempo.

Ambos são gibis difíceis, muito mais sinestésicos do que cartesianos, então se você não gosta de não entender algo, é provável que torça o nariz.

E tudo bem.

Parece pouco saudável falar que se gosta ou não de algo simplesmente por não conseguir tirar uma conclusão sobre aquilo, tanto em ficção quanto na vida. O negócio com os gibis desse autor, pelo menos para mim, é que você entende tudo, se entende, pega as coisas e digere, mas no final não sabe disso. Da mesma forma que as vezes olha-se para um lado, para o outro e a vida simplesmente não faz sentido, ainda que seja totalmente coerente.

É bom, é ruim, é aquilo que está na página e o que está entre a página. Também é o que está em sua volta, por trás, nos livros, nos filmes, é um apanhado de coisas. Me desculpe por falar tantas vezes sobre o que as coisas SÃO e NÃO SÃO, mas nessa confusão toda e nesse turbilhão que existe nas obras do autor residente de Araraquara fica realmente complicado não se perder.

Sobre o autor? Na ocasião em que o conheci, além de ter sido muito atencioso, mostrou ser alguém de pensamentos muito digeridos e concretos, seja no que tange arte ou até mesmo seu modo de viver ou de seguir sua carreira. Luciano Salles é sóbrio, extremamente sóbrio, ele sabe o que está fazendo, mesmo que você não saiba o que está lendo. “Esse aqui é meu material de trabalho“ disse ele me mostrando o estojo. Talvez não tenham sido exatamente essas palavras, mas faz realmente um certo tempo (seis meses entre o evento narrado e a conclusão deste texto.)

Estou sem saber como arrematar tudo… então vou pelo caminho mais fácil: Durante a confecção desse texto, EUDAIMONIA foi indicada ao troféu HQMIX nas categorias “publicação independente de autor” e “publicação independente edição única”, além do desenhista, que concorre ao prêmio “desenhista nacional”. A entrega do troféu acontece no dia 16/09, as 17h no SESC Pompeia.

Salles também faz as ilustrações semanais da coluna de Daniel Furlan (grande craque) dentro da Folha de S. Paulo. Procure as obras, ache-as e, depois disso, procure mais um pouco ali dentro.

Obedeças para serdes feliz.

29.8.18

Não ganhei nada

Olá.

Quando as antigas civilizações criaram, de acordo com suas convicções religiosas e crenças, o período definido como as 24h que contemplam um dia, nunca imaginariam a precisão centesimal que atingiriam os relógios atômicos (e nem era esse o propósito). 

É incrível como essa divisão do tempo em que se baseia nossa existência, é capaz de nos alegrar em "exato" momento (com mais de "não sei quantas" casas decimais após a vírgula) e, mais do que de repente, a vida apresenta seu potencial incrível para acabar com seu viço, aquela energia vital que habitava seu corpo e estava exuberante.

HQMIX
Encontrei nestes dois parágrafos introdutórios a forma ideal para expressar que não venci nenhuma da três categorias em que fui indicado no 30º trofeu HQMIX. Claro que parabenizo todos os vencedores em suas respectiva categorias!

Não ganhei na categoria publicação independente edição única porém a vencedora foi minha amiga Bianca Pinheiro com sua HQ Alho-poró. Não ganhei na categoria publicação independente de autor e aqui novamente, a Bianca abocanhou com Alho-poró. Ao mesmo tempo que fico triste por não ganhar, fico feliz pelo quadrinho dela ter levado os prêmios nestas duas categorias. 

Não ganhei na categoria desenhista nacional. Aqui o prêmio foi para o premiadíssimo Marcelo D'Salete, autor de Angola Janga. Novamente o mesmo sentimento, triste por ter perdido e feliz pelo Marcelo.

Você que lê o post pode até pensar: ...o Luciano está chateado pois inveja os que ganharam. Não mesmo! Inveja é diferente de cobiça. Eu cobiço um HQMIX desde que fui indicado pela primeira vez e ao todo, já foram 9 indicações entre os meus trabalhos.

Então, novamente, você pode imaginar: ...poxa, o camarada está reclamando que não ganhou mas já foi indicado esse monte de vezes. Ser indicado também é legal demais! Você está certo se imaginou isso. Ser indicado é bem legal, significa que seu trabalho foi analisado por especialistas e mereceu estar entre aquele tanto de gente talentosa, mas existe uma grande diferença entre ser indicado e vencer. 

A diferença está na validação que somente um prêmio confere, incrementa ao seu trabalho como quadrinista, desenhista, roteirista, colorista. É a confirmação daquele artista como um profissional da área, como um bom contador de histórias em quadrinhos. Ao mesmo tempo, você concorre entre tantas pessoas talentosas que a votação torna-se algo totalmente subjetivo. Digo pela diferença e critério de exposição dos artistas que estão disputando a mesma categoria, em que vitrine ele ou ela aparecem, como ele ou ela permanecem na mente dos demais que votam entre tantas outras e inúmeras variáveis e possibilidades.

Novamente enfatizo, não confunda inveja com cobiça. São sentimentos bem diferentes e quase que antagônicos.


ProAC
Estava esperando o resultado do HQMIX para revelar que novamente não fui contemplado com o prêmio do edital.

Resumindo: preciso melhorar e sigo em frente. Preciso e vou criar melhores histórias, preciso e vou ser um melhor desenhista do que fui ontem, preciso e vou entender vários processos e seus meandros.

Agradeço a você que votou em mim, torce pelos meus trabalhos e provavelmente estarei na entrega do prêmio, no SESC Pompeia.

Grande abraço.

Luciano Salles.

27.8.18

O primeiro mês de parceira dos textos do Daniel Furlan com minhas ilustrações para a Folha de S.Paulo

Ilustrações para a coluna do ator Daniel Furlan, publicadas todas as segundas-feira pela Folha de S.Paulo, na Ilustrada
Olá, leitor ou leitora do blog. Tudo bem com você?

Esse mês de agosto foi especial pois foi a primeira vez, desde 2015, que ilustro com frequência semanal para a Folha de S.Paulo. Tive início como ilustrador freelancer do jornal em 18/05/2015 e desde então, comecei atendendo somente o caderno de cultura Ilustrada e aos poucos, fui passando a ilustrar todos os cadernos e até a capa do jornal.

Na noite de sexta-feira, 03/08/2018, fui acordado pelo meu telefone que ainda não havia entrado em modo "não perturbe". Era minha editora, naquela velocidade das impressoras de uma gráfica, perguntando se eu queria ilustrar uma coluna semanal. Claro que ao acordar, você não entende direito o que está acontecendo e lentamente fui entrando no ritmo da conversa, compreendendo o assunto e no final, topei ilustrar a coluna do ator Daniel Furlan.

Depois que acertamos tudo, veio a breve conversa:
– Mas pra quando você precisa deste desenho?
– Pra amanhã.
– Amanhã? Amanhã cedo vou viajar!
– Uhm, faz agora!

Enfim, mudei o despertador do meu celular para às 2h da manhã e entreguei a primeira ilustração. Parti para minha viagem contente e feliz pela oportunidade.

Reuni os links para você ler os quatro primeiro textos de agosto:
– Recreio da Revolução https://goo.gl/d8knhD
– Evaristo de Macedo https://goo.gl/36Tho2
– Brainstorm https://goo.gl/ghvXYW
– O Pavê https://goo.gl/SBe6rZ

Adendo: A coluna do Daniel com meus desenhos não fica liberada para você ler digitalmente mas se fizer um cadastro no site da Folha conseguirá acesso a um bom tanto de matérias por mês. Se esses acessos não forem suficientes, pode assinar o jornal digitalmente ou buscar sua edição na banca, o que é sempre o mais legal de tudo.

Por aqui me despeço.

Um abraço!

Luciano Salles.

20.8.18

Entrevista para o Multiverso Bate-Boca

Olá, tudo bem?

Dei uma entrevista para o fórum Multiverso Bate-Boca e o resultado ficou demais. Agradeço a iniciativa e contato do Gustavo Soares pela perguntas feitas e fundamentadas pelos leitores do site.

Batemos um longo papo e falei sobre formação, com é ser quadrinista, se dá para viver assim, influências, dinheiro, música, processo criativo, explicações sobre detalhes das minhas HQ, conversamos sobre outros quadrinistas, dificuldades, motivações, enfim, uma longa e sincera entrevista.

Adicionei todo conteúdo logo abaixo mas deixo o link para lê-la direto no MBB, com direito a imagens e comentários antes de depois da pauta.

Muito obrigado.

Luciano Salles.

- Poderia começar se apresentando? (quem é, onde nasceu e cresceu, família, formação acadêmica, como começou a ler quadrinhos e desenhar, etc.)
Meu nome é Luciano Salles, nasci no dia 14/02/1975, em Taquaritinga, uma pequena cidade no interior do estado de SP. Ainda criança minha família mudou-se para Araraquara, uma cidade vizinha cinco ou seis vezes maior. Araraquara me acolheu muito bem e chegando na cidade encontrei tudo o que mais precisava na época: fanzine, skate, música e o movimento punk.

Minha família teve que se mudar para São Carlos e eu continue morando em Araraquara, isso com 16 anos. Então já com essa idade aprendi a me virar sozinho. Me formei em Engenharia Civil, pós graduei em Engenharia de Segurança do Trabalho e atuei na área até ir trabalhar em uma instituição bancária.

Ainda em Taquaritinga já lia turma da Mônica pois gostava de desenhar e meus pais compravam uma revista no mês pra mim. Lembro que eu lia tudo e ficava tentando desenhar os personagens das histórias do Penadinho.

- Aos 37 anos você deixou de ser bancário para se dedicar exclusivamente aos quadrinhos. Como foi essa decisão? Qual a reação das pessoas mais próximas?
Eu adoeci na empresa que trabalhava e acho que adoeceria em qualquer trabalho que fizesse naquela época. Adorava trabalhar no banco porém, dos 35 aos 37 anos comecei a perceber que algo não ia bem com minha saúde. Fiquei durante um ano me consultando com médicos, das mais diversas especialidades, para tentar descobrir o que estava acontecendo comigo até que tive minha primeira crise de uma doença chamada síndrome de pânico.

É algo que não desejo para ninguém pois não existe nada mais horrível e sofrível neste mundo. É comum as pessoas confundirem ansiedade aguda, pressão no trabalho, tristeza, achar que vai morrer entre outros vários sintomas com a doença mas quem irá diagnosticar será um bom médico psiquiatra. Esse realmente foi o motivo que tive que deixar o Banco. Eu não tinha mais capacidade neurológica e psicológica de trabalhar ali.

Até tentei voltar mas o cargo que tinha não permitia erros e comecei a cometer falhas primárias até que a direção do Banco decidiu atender e, entender, meus pedidos de desligamento (foram vários) por perceber que eu não tinha mais condição. A diretoria do Banco foi extremamente atenciosa, gentil e tão humana que me demitiram, recebendo  assim, todos os meus direitos. Sou muito grato por isso.

Minha esposa foi a primeira pessoa a me dizer para pedir demissão. Ela havia percebido que algo não ia bem comigo então, tive total apoio da família.

Faço aqui um adendo: trato da minha síndrome do pânico desde 2012 com medicamentos, yoga, andando muito de bicicleta e visitando bimestralmente meu psiquiatra. Ainda tenho meus altos e baixos e o acompanhamento é fundamental. O que quero dizer é que não use o Google como um guia médico achando que tem tal doença. Se sentir que algo não está certo, vá a um médico de referência no assunto.

- Financeiramente falando, consegue hoje viver somente de sua arte?
Consigo. Claro que não ganho tão bem como ganhava com meu trabalho anterior. Tem meses que são excelentes e outros que posso não receber nada. Então, um boa gestão financeira é fundamental. Aliás, percebo que muitas pessoas são praticamente ignorantes neste aspecto.

15.8.18

Atletas e artistas lutam da mesma forma

Desenho escolhido para ilustrar
a caneca, por Luciano Salles
Olá, tudo bem?

Tenho uma amiga que é atleta. O nome dela é Maira Lopes, é uma das professoras de Yoga junto da minha esposa Lilian Penteado (confira aqui o blog dela 😱) na escola  Shanti Yoga, pedala muito e descobriu que tem um potencial diferencial para correr. E corre, corre muito mesmo. Sua especialidade é trail run ou corrida de montanhas, em uma razoável tradução para a língua portuguesa. 

Mas o nome da postagem se deve ao fato de após muito conversarmos, percebemos que artistas e atletas lutam por seus sonhos da mesma forma. Correm atrás de patrocinadores, dão aulas, palestras, e se viram para conseguir viabilizar o que se ama.

Em março deste ano, ela foi vice-campeã no XTerra Brazil, o que a qualificou para disputar o XTerra Trail
Desenho colorido com cores e sombras, o que
não traria bons resultados com a técnica de silk
aplicada no preparo da caneca.
Run World Championship
, que acontecerá em dezembro no Hawaii, um dos 50 estado norte americanos. Isso é absolutamente incrível e como não vai rolar de ir correndo pra lá, ela está na batalha para angariar fundos para as despesas da longa viagem e campeonato.

E é aqui que atleta e artistas se unem! Após algumas conversas por WhatsApp, fizemos uma reunião na Mondrian Ambiente e fechamos um jeito legal para arrecadar fundos! Ela me convidou para fazer o desenho e ilustrar uma caneca, junto da frase do professor e poeta, Tadeu Marcato. Todos araraquarenses (eu nasci em Taquaritinga mas Araraquara me acolheu como quando você adota um cachorro ou gatinho), unindo forças para realizar um produto legal, útil e que você pode levar para seu trabalho ao invés de ficar pegando copinhos de plástico para cada gole de água que for tomar 😉

Com o desenho e frase prontas, a Maira fez todo trabalho de cotar, mandar fazer as canecas e organizar o evento que acontece neste sábado, na Mondrian Ambiente. Quer coisa mais legal?

Imagem da caneca com a frase do Tadeu e o desenho aplicado. 
Maira Lopes. Foto por Bruna Menescal

Então anote aí! O lançamento do Projeto #GoToRauai acontece sábado, dia 18/08/2018, a partir das 10h30 na Mondrian Ambiente. A Maira, o Tadeu e eu, estaremos lá!

Segue o cronograma do evento:

10h30 – Recepção;
11h00 – Bate-papo com a Maira e os convidados (eu e o Tadeu);
12h00 – Vendas das canecas com direito a autógrafo da atleta;
15h00 – Encerramento.

Importante: o investimento na caneca é de R$35,00 e as compras serão somente aceitas em dinheiro. Não temos maquininha de cartão para esse lançamento e assim, se puder, leve o dinheiro trocado. Vai ajudar muito!

O endereço da Mondrian Ambiente é na Alameda Rogério Pinto Ferraz, 955, bem perto do teatro municipal de Araraquara. 

Ah! Esse evento não é apenas para atletas e artistas e sim aberto para toda comunidade e se quiser ir de bicicleta, haverá um lugar seguro para guardar a sua.

Eu, a Maira e o Tadeu esperamos por você no sábado.

Um abraço.

Luciano Salles.