Luciano Salles é quadrinista, ilustrador da Folha de S.Paulo e 1/3 da Produtora Cultural Memento 832.
Autor das Histórias em Quadrinhos Limiar: Dark Matter (2015, Publicação Independente), L'Amour: 12 oz (2014, MINO) indicada ao 27º HQMIX, O Quarto Vivente (2013, Publicação Independente) indicada ao 26º HQMIX e da HQzine Luzcia, a Dona do Boteco (2012, Publicação Independente).

22.8.16

10 dicas: onde está o meu traço?

Olá camarada, tudo bem?

No dia 02 de Julho de 2015, publiquei aqui no blog a postagem 21 dicas para um(a) quadrinista independente. Agora, um ano e alguns dias depois, decidi criar uma nova lista chamada de 10 dicas: onde está o meu traço? ou mesmo estilo de desenho.

A ideia deste post veio após o curso de férias que coordenei na Quanta Academia de Artes em São Paulo. O curso foi chamado de Entenda seu estilo de desenho e narrativa e gostei demais do resultado obtido com a turma.

O tema estilo de desenho ou traço é totalmente subjetivo e tudo o que escrever aqui pode servir 100% para você ou pode, absolutamente, servir em nada. Por isso chamei novamente de dicas. Dicas podem servir ou não, simples assim. Desta forma aproveite o que lhe for conveniente e descarte o resto.

Tudo o que escrevi vieram de testes e sentimentos vividos por mim nesses quatros anos que trabalho somente com quadrinhos e ilustração.

Então vamos para as 10 dicas: onde está meu traço?

01. Preciso deixar claro que não existe uma fórmula para potencializar seu estilo de desenho ou o que muitos chamam de traço. 

02. A prática de desenhos diários e de pensamentos ideais conduzem ao aprimoramento do seu desenho. Ou seja, desenhe todos os dias, nos horários que lhe forem condizentes e tenha sempre pensamentos a longo prazo, com a consciência de onde está e onde deseja chegar.

03. Com a aplicação do habito diário de desenhos e maturidade, seu desenho com certeza vai melhorar muito. Pode ainda não dar uma direção ou entendimento de onde está seu traço mas garanto uma melhora incrível nos desenhos.

04. Aqui uma dica muito pessoal: uma sensação boa, de prazer e satisfação com o resultado final de um desenho, pode ser um excelente sinal no caminho para seu estilo. Esteja atento a tudo.

05. Tenha um artista que você admira e que queria desenhar tão bem ou mesmo igual a ele. Com certeza seu desenho nunca vai ficar igual ao dele (e nem é esse o motivo!) mas ter um ícone, uma meta de onde se quer chegar se faz necessário dentro da sua busca. 

06. Ainda bem ligado ao item anterior (item 05), confie em sua intuição e seja honesto com você mesmo. Digo isso pois não há certo ou errado em se desenhar. Deixe sua intuição aliada com sua satisfação determinarem sua trilha em busca do seu traço.

07. Há muitos tutorias na internet com vídeos de como aprimorar seu traço ou desenho. Todos os que assisti são técnicos, com exercícios de como soltar a mão, como fazer linhas, círculos, como posicionar a mão, o braço e um monte de coisas.

Tudo pode ser válido mas eu, particularmente, não concordo. Aceito sempre que, o que for melhor e mais confortável para o desempenho do seu desenho, deve ser usado. Cada um segura o lápis de uma forma e nenhuma é errada. 

08. Entenda que o processo para se chegar ao seu estilo de desenho não será rápido e assim, pense a médio e longo prazo. 

Por exemplo, o desenho do mestre Frank Miller nas histórias do Demolidor. É notável o incrível traço do Miller nas histórias do Daredevil mas você percebe como um mesmo traço foi se moldando durante o passar do tempo? Não há como dizer em que época ou onde o desenho estava melhor e sim que aquele desenho era um Frank Miller. 

Desta forma, controle sua ansiedade (ver item 09) e de um passo de cada vez.

09. Hoje vivemos imersos em um turbilhão de informações. Esse rebuliço de informações que você agrega não te confere conhecimento. Assim como esse conhecimento não te brindará com algum tipo de inteligência a se destacar. E essa mesma inteligência não vai te trazer uma natural sabedoria.

Percebeu onde quero chegar? Esse nível absurdo de conteúdo só fará mal, trará demasiada ansiedade e angústia. Aliás, essa dupla "ansiedade e angustia" aliadas, são essenciais para minar com seu potencial criativo.

10. Novamente algo bem pessoal e muito difícil de se conseguir. Para criar (e chegar ao seu traço e estilo de desenho) é necessário aliviar todos e quaisquer pensamentos que possam interferir em seu caminho. 

Como disse, esse é um assunto subjetivo. Do mesmo jeito que eu gosto mais do lado B, você pode gostar mais do lado A. Esse fato não impede em nada que sua busca seja a mesma que a minha ou até similar em algumas partes.

Espero que de alguma forma essa lista tenha contribuído para uma futura melhoria nos seus desenhos e que sua assinatura seja substituída somente pelo seu traço. Deixe suas dúvidas, sugestões ou mesmo o que achou dessas 10 dicas no espaço para os comentários. Tenha a certeza que responderei.

Um abraço!

Luciano Salles.

15.8.16

Estarei na Bienal de Quadrinhos de Curitiba

Olá, tudo bem?

Há dois anos fui de supetão para a antiga Gibicon II, em Curitiba, apenas com uma mochila nas costas e com 35 unidades da minha segunda HQ. Não tinha mesa, só havia publicado Luzcia, a Dona do Boteco e a recém lançada O Quarto Vivente, conhecia poucas pessoas, poucos quadrinistas mas enfim, aquele era meu segundo evento que eu visitava como quadrinista. Só havia participado até então do FIQ – Festival Internacional de Quadrinhos – que acontece em Belo Horizonte.

Hoje a Gibicon mudou de nome e agora, como Bienal de Quadrinhos de Curitiba, vai ser a primeira vez que vou realmente participar do evento. Preciso enfatizar que somente vou para a Bienal pois consegui novamente a parceria e apoio cultural de duas empresas da minha cidade. Uma delas é a Mondrian Ambiente (muito obrigado Teresa e Bela) e a outra é a World Game, do fenomenal Elio (valeu Dom)! Sem esses apoios não teria condições financeiras para arcar com as despesas de viagens, custo da mesa e hospedagem durante os quatro dias de evento.

Outro agradecimento que preciso fazer é para a Bianca Pinheiro e Liber Paz que generosamente se ofereceram para dividir (e de última hora) a mesa comigo. Muito obrigado pelo carinho e consideração.

Vou levar para a Bienal os meus três últimos quadrinhos, três prints (esses que estão ilustrando o post) e três originais. Se você quiser algum print específico ou mesmo comprar uma commission para que eu entregue no evento, é só enviar um e-mail para lucianosalles@dimensaolimbo.com

É isso! Nos vemos em Curitiba...

Um abraço.

Luciano Salles.

10.8.16

Assista agora o curta-metragem "Luzcia, a Dona do Boteco", filme homônimo baseado na minha primeira HQzine!

Bom dia camarada, tudo bem?

Notícia lindona! A partir de hoje, o curta-metragem Luzcia, a Dona do Boteco, uma adaptação homônima da minha primeira HQzine, dirigida pelo cineasta Paulo Delfini, está liberado para você assistir online.

Se ainda não leu essa minha primeira experiência no mundo dos quadrinhos você pode conferir no Social Comics: Luzcia, a Dona do Boteco. Entretanto, se ainda não tem uma conta na plataforma online, pode conferir a leitura aqui mesmo, logo ao final deste post.

Vamos ao filme? Quer ler o quadrinho antes? Está tudo ai! Faça sua opção e divirta-se!

Por favor, deixe seu comentário logo abaixo sobre o que achou do filme e fique a vontade para compartilhar esse post.

Um abraço!

Luciano Salles.

 


Luzcia, a Dona do Boteco, publicada e impressa em maio de 2012.

9.8.16

Quem nasceu para ser lado B dificilmente será lado A

Apoio Cultural para a CCXP 2016
Olá camarada, tudo bem?

Apoio Cultural para a CCXP e agora para
a Bienal de Quadrinhos de Curitiba
Começa o segundo semestre e os eventos quadrinhos vão chegando. Já é certo que irei para a de CCXP pois conto com o apoio cultural (patrocínio mesmo!) da escola Pueri Domus Araraquara, representada pela Mônica Zaher e da World Game do amigo Elio Lio. Sem essa iniciativa privada não teria condições de ficar hospedado 6 dias em São Paulo, bancar minha alimentação e quitar a despesa da minha mesa.

Imagem da HQ Limiar: Dark Matter
Poderia tentar ir sem os apoios mas seria arriscado demais pensar que as vendas quitariam todas as despesas. Eu ficaria tão apreensivo em ter que vender com essa pressão (da dívida) que com certeza faria as vendas ficarem forçadas e inconvenientes.

Da mesma forma, para ir a antiga GIBICON, que agora se chama Bienal de Quadrinhos de Curitiba, é o mesmo esquema. Estou tentando captar apoios aqui na minha cidade. Já tenho um percentual equivalente ao valor das passagens de ônibus (ida e volta de Araraquara – Curitiba). Este também patrocinado pela World Game e por enquanto é só. A mesa no evento eu já consegui graças a generosidade da amiga Bianca Pinheiro e do camarada Liber Paz que cederam um espaço para mim junto deles. Dividiremos a mesa em 3 e desta forma, contabilizo outra despesa.

Essa semana preciso correr atrás da hospedagem, diárias para minha alimentação e meu percentual do custo para a mesa no evento.

Se você chegou até esse ponto da leitura, deve estar se perguntando o motivo dessa postagem. Simples. Ser quadrinista independente é bem isso! É fazer tudo literalmente (além de produzir sua HQ) mesmo percebendo o outro lado das composições. Ou seja, quadrinista independente que nasceu para ser lado B nunca vai ser lado A.

Mesmo que você visite de alguma forma esse mundo paralelo do lado A, vai perceber em essência quem te pertence: o lado B.

Se você fizer uma analogia entre os dois lados, A e B, de um antigo vinil, perceberá que o lado A tem e traz um discurso pronto. E assimilar um discurso pronto é fácil e é o que mais se faz. É natural do ser humano. Já o lado B, para ser acessado, provavelmente, teve de esperar sua vez. Nesse meandro de tempo, você pode se preparar com embasamento sem meras retóricas repetitivas.

Aproveite essa fenda temporal de A para B para se preparar, estudar e buscar sua essência estampada nas suas páginas. Perceba, entenda e assimile as virtudes em ser lado B. Não menospreze o lado A. Seja você em essência.

Um abraço.

Luciano Salles.

31.7.16

Como foi o curso de férias – Entenda seu estilo de desenho e narrativa – lá na QUANTA

Turma do curso de férias da Quanta Academia de Arte
ENTENDA SEU ESTILO DE DESENHO E NARRATIVA.
Foto por Marcelo Campos.
Olá, tudo bem?

Ontem aconteceu o curso de férias e que coordenei – Entenda seu Estilo de Desenho e de Narrativa – na Quanta Academia de Artes. Como sempre, fui muito bem recebido por toda equipe da escola e pelos alunos.

Foi fechada uma turma excelente, com um direcionamento claro e com vontade de trabalhar com as histórias em quadrinhos. Foram seis horas que, pra mim, voaram...

Ali tentei mostrar que já existe algo do seu estilo meio que como uma semente adormecida e não percebida ainda por cada um. Apesar de ser um tema bem subjetivo para se tratar, a aula fluiu extremamente bem, com os alunos interagindo, questionando diretamente a mim, como uns aos outros. Isso é demais. Uma grande troca de aprendizado para todos.

Turma do curso de férias da Quanta Academia de Arte
ENTENDA SEU ESTILO DE DESENHO E NARRATIVA.
Obrigado aos alunos Anãndara, Igor, Jéssica, Kitos, Marcelo e Natacha. Muito obrigado Marcelo Campos pelo convite, em abrir sua escola, pelo acolhimento, carinho e confiança no meu trabalho! 

Abraço e beijo para cada um vocês. E para você que acompanha o blog, muito obrigado pelas visitas. Quem sabe, em uma próxima, não nos encontramos em um destes cursos de férias da Quanta Academia de Artes. Inté...

Luciano Salles.