Luciano Salles é quadrinista, ilustrador freelancer da Folha de S.Paulo e 1/3 da Produtora Cultural Memento 832.
Autor das Histórias em Quadrinhos Limiar: Dark Matter (2015, Publicação Independente), L'Amour: 12 oz (2014, MINO) indicada ao 27º HQMIX, O Quarto Vivente (2013, Publicação Independente) indicada ao 26º HQMIX e da HQzine Luzcia, a Dona do Boteco (2012, Publicação Independente), indicada ao 27º HQMIX.

20.2.15

Nova resenha para L'Amour: 12 oz no Impulso HQ

Olá camarada, tudo certo?

Ontem saiu uma resenha muito bem escrita e interessante sobre L'Amour: 12 oz no site Impulso HQ. Aos poucos, as resenhas vão aparecendo e fico feliz com o resultado que a revista vem alcançando. Para comprar a HQ autografada é só entra na Loja Online.

Aqui no blog está todo o texto mas fica o convite para ler a resenha no site Impulso HQ e conferir ali mais detalhes e muita informação top sobre cultura pop.

Grande abraço.

Luciano Salles.

Resenha HQB: L’Amour: 12 oz







Em uma entrevista Luciano Salles fala de suas influências: Frank Miller e Moebius. Ao ler seu álbum L’Amour: 12 oz isso fica muito claro no seu bonito traço e na história, que pode estar se passando em algum distante pequeno planeta, ou na terra em um futuro incerto.
L’Amour: 12 oz é o primeiro lançamento da Editora Mino, porém, é o terceiro trabalho solo de Salles, que chamou atenção do mercado editorial de quadrinhos com a publicação independente O Quarto Vivente, lançada em junho de 2013.
E por que as HQs de Salles chamam tanta a atenção? Fora o seu belo traço, que possui uma personalidade própria, a resposta mais completa está na deliciosa, porém não fácil tarefa, de ler as suas histórias. Como muito bem adverte Sidney Gusman em seu prefácio, a obra merece uma atenção especial. Você precisa se dedicar à leitura de Salles.
E não é só a leitura de Salles que você tem que se dedicar. Você tem que compreender o tempo de Salles. Tanto em O Quarto Vivente como aqui em 12 oz, você percebe o total domínio do autor sobre a narrativa e o tempo que ele quer contar a sua história. No final, não se surpreenda se, na sua primeira leitura, você terá que reler a obra para entender certas passagens. E isso é fabuloso, principalmente quando você cair em si de que o tempo que se passa a história é o mais relativo.
Se o tempo é relativo, a importância dos fatos vistos de outra perspectiva também são. O seu grande amor é sua vizinha, você cruzou com seu grande amor na rua, conheceu seu grande amor dançando em uma boate, ou ao olhar para a plateia, antes de ter seu nariz amassado por um poderoso soco aplicado pelo seu oponente no ringue, viu o grande amor da sua vida sentada ali. E em todas essas situações, ninguém viu o seu grande amor.
Você vai matar, se matar ou brigar por seu grande amor. Parece que o tempo parou quando você descobre o seu grande amor. Mais uma vez, repito, o grande poder de Salles é fazer você sair do tempo ao ler L’Amour: 12 oz.
Aliás, a HQ de Luciano Salles me fez lembrar um livro que li no final dos anos 70, “O Homem de Fevereiro ou Março”, de Rubem Fonseca. Procurem. Leiam.
Há pouco revi alguns filmes de um diretor que gosto muito, Nicolas Roeg. Escrevendo sobre o personagem do filme “Inverno de Sangue em Veneza”, Roger Ebert diz “o espectador fica com a incerteza de John Baxter quanto às conexões entre o que vê, o que existe, o que existirá e o que não existe.”. Em outro trecho ele fala da famosa cena de sexo do filme “há algo comovente que ultrapassa a razão em um filme que se ocupa do tempo, esta sequência insiste que o futuro está contido no presente que tudo passa, inclusive o êxtase”.
L’Amour: 12 oz tem esse poder de ser comovente. É uma HQ impactante, tanto pela arte como pela narrativa. Você irá sair do seu tempo, tão rápido que nem a entrada do texto por Audaci Junior para a edição:
“Punho em rotação para o jab, cruzado de esquerda, de direita… Soa o gongo!”
Para ler, reler, pensar no tempo e no amor.
L’Amour: 12 oz
Editora Mino
Roteiro e Arte: Luciano Salles
Cores: Marcelo Maiolo
64 páginas
R$ 37,00