Posts

Festival de Quadrinhos de Limeira com Pedro Mauro
em primeiro plano, Sam Hart, Rafael De Latorre e
Marcelo Maiolo ao fundo. Foto por Luciano Salles.
 
Olá, tudo bem?
Fui um dos convidados para o 3º Festival de Quadrinhos de Limeira, uma cidade de tamanho médio e localizada no interior do estado de SP.
A cidade fica, de certa forma, próxima de São Paulo Campinas, dois grande polos. Enfim, Limeira é uma cidade muito bem localizada para acontecer um evento de quadrinhos no interior do estado.
Ao chegar na Faculdade de Administração e Artes de Limeira, local que acolheu tão bem o Festival, a sensação térmica e a poeira da estiagem compuseram uma perfeita e natural ambientação em homenagem aos 70 anos do TEX, tema do evento.
Acho que vale ressaltar que o Festival passou a ser incorporado nas datas comemorativas da Prefeitura, o que de certa forma, facilita os próximos a acontecerem com apoios e investimentos tão necessários.
Beco dos artistas ou Artists’ Alley.
Foto por Luciano Salles.
O evento foi muito bem organizado. Os artistas foram acolhidos com uma excelente hospedagem no National Inn, com o ônibus nos transportando
do hotel para o evento (a cordialidade e educação do motorista do ônibus – que agora não consigo lembrar o nome – é algo que merece ser destacado). 
O Festival, ainda em sua terceira edição, já não engatinha mais. Anda com perna fortes, com passos conscientes e certeiros. O beco dos artistas, ou Artists’ Alley, foi amplo, muito bem organizado e para minha surpresa, com um excelente publico de diversas cidades e também de outros estados. Fiquei extremamente feliz em ter sido lembrado e convidado pelo organizador geral de todo evento, Renato Frigo
Falando em nomes, fui vizinho de mesa do grande Sam Hart e família, tomei um longo café da manhã com o lendário Marcatti, junto do grande Pedro Mauro e do Carlos Estefan.
Os fantásticos oficiais selos do TEX!
Não posso deixar de citar e agradecer o carinho do meu amigo Marcelo Maiolo, que comprou um almoço pra mim, levou até a minha mesa e me salvou de perder alguns quilos debaixo de todo aquele calor absurdo que fazia ?
Em suma, o Festival de Quadrinhos de Limeira, não é um evento pequeno. Atende as expectativas do pessoal do interior e também da capital que estava ali também em peso.
Fique atento para que em 2019 você possa participar! Com certeza, se estiver vivo até lá, participarei do evento para prestigiar todo o trabalho do amigo, herói e organizador, Renato Frigo.
Deixo aqui meu sincero agradecimento ao Frigo pelo convite e por toda cordialidade em me receber tão bem.
Fique a vontade para deixar seus comentários.
Beco dos artistas ou Artists’ Alley.
Foto por Luciano Salles.
Todos serão respondidos.

Grande abraço!

Luciano Salles.

Foto retirada do twitter da Camila Loricchio
Olá.
No dia 27 de março saiu mais uma resenha bem legal sobre meu novo quadrinho. Foi no Castelo de Cartas, um site que até então eu não conhecia. Aliás, vale a ressalva pelo site muito bem feito e com conteúdo.
Quem cuida de tudo é a Camila Loricchio que é escritora é lançou seu livro Castelo de Cartas financiado pelo Catarse. Esse é o link para você adquirir seu exemplar do livro: https://goo.gl/tXdt8x.
No site você ainda pode conferir contos da autora e outros(as) colaboradores(as).
A resenha está logo abaixo mas deixo o convite para conhecer o Castelo de Cartas. Você pode aproveitar e ler a resenha por lá!
Vamos para o texto da Camila:
“Com aquele gore simpático, um traço lindão, e a melhor dona de buteco que você vai conhecer, Eudaimonia foi mais um projeto apoiado no Catarse que adorei ler.

Sinopse: Piwl-Pa-Col é o nome de um estranho e solitário caçador que falha na tentativa de abater “uma parte” de sua presa. Ele tem apenas uma segunda chance para o sucesso de sua caçada e, não por acaso, contará com a ajuda de uma inusitada parceira chamada Luzcia, a dona de um boteco.

Luzcia é a melhor dona de bar que já vi. Ela é firmeza. Tem os problemas da idade, a bem da verdade, mas quem não os tem desde os 20 anos hoje em dia… Mas não leva desaforo pra casa nem nada.

Ela apareceu em outra hq do Luciano Salles, o autor, mas como Eudaimonia foi meu primeiro contato com a obra dele, foi também meu primeiro encontro com ela. Logo que ela aparece já chega com uns verbos em segunda pessoa magníficos, reclamando das artrites, de que vão parar de fornecer os medicamentos, e Piwl-Pa-Col (por algum motivo desconhecido) vai parar na frente do seu bar com uma segunda chance pra uma missão.

“Mas és um mentecapto, ahn? Olhes essa muralha! Agora percebas este velho poço de dores que tens no colo! Achas que vais entrar só porque tens uma segunda chance para fazer o que tem de fazerdes? És isso? Não podes falhar agora, és isso?”
Eudaimonia, Luciano Salles

A história é super rápida, você começa no fim da primeira tentativa falha de Piwl… bem, dele. E a partir daí você desce de carona alucinadamente pra tentar entender o que está acontecendo, quem são aquelas pessoas, por que ele tem uma segunda chance, por que as chaves funcionam, por que ele usa roupa de leopardo, por que tem um leopardo de verdade na capa, por que… enfim. São muitos porquês. E quando você chega ao final, nem todos os porquês são respondidos, a bem da verdade, mas não tem problema. Nenhuma das personagens está lá pra respondê-los.

Você termina o quadrinho se perguntando uma penca de coisa e querendo ver mais, tentar entender as suas dúvidas, acompanhar o depois de tudo. E isso é que é o melhor. Quando a gente relê vai pegando umas nuances, tentando entender porque tal personagem fez tal coisa… e o final. O que acontece no final?

Eu acabei com algumas teorias do depois que me deixaram querendo ver a sequência, admito haha

O traço é aquele super detalhado, que você perde tempo vendo como cada linha encaixa na outra e imergindo na história.

Enfim, Eudaimonia foi mais um projeto que ajudei no Catarse pela curiosidade e que foi bem recompensada.

EUDAIMONIA por Luciano Salles
Agora é conferir os outros trabalhos do autor e ver mais de Luzcia. haha
Aguardando um tutorial de rasga-bucho com Luzcia.”

E aí, se interessou por EUDAIMONIA? Você pode adquirir seu exemplar pela minha loja na Amazon ou clicando em cima da capa da revista.

Como sou eu mesmo que envio o livro, o mesmo vai autografado com dedicatória e um sketch na revista.

Seu comentário é sempre muito bem vindo!

Um abraço.

Luciano Salles.
Olá, tudo bem?
Estão chegando alguns reviews bem interessantes sobre EUDAIMONIA. Listei abaixo os vídeos do canal Odisseia Cultural do camarada Carlos, Central HQs do Fernando Bedin, Papo Zine do amigo Carlos Neto Na Disciplina do Cristiano Vidal, o vídeo foi um pouco diferente. 
Você pode adquirir agora sua edição de EUDAIMONIA. É só ir até a Loja Online aqui do blog, fazer sua compra (que pode ser parcelada em até 12 vezes), que sua HQ será enviada autografada, com dedicatória e um sketch na revista.
Adquira agora sua edição de EUDAIMONIA.

Deixe seus comentários que sempre respondo. Agora fique com os vídeos.

Um abraço.

Luciano Salles.

EUDAIMONIA será lançada no dia 06/12/2017 na CCXP

Olá, tudo bem?

EUDAIMONIA vem recebendo algumas resenhas – o que tem me deixado bastante contente – e decidi agrupar todas neste post por ordem de publicação (das mais recentes para as mais antigas). Vale lembrar que estarei lançando oficialmente EUDAIMONIA na MESA E44 do Artists’ Alley da Comic Con Experience.

Instagram: afasiacomics

“A velocidade em que nossos olhos batem nos quadros expostos nas páginas, escaneando cada traço cada detalhe minucioso da arte primorosa que nos é apresentada, é equilibrada com o ritmo rápido, quase cinematográfico, de uma cena de ação de tirar o fôlego que a história traz.

Eudaimonia te deixa sempre com uma pulga atrás da orelha. O mistério que se revela, ao mesmo tempo, deixando mais camadas expostas, terminando com mais perguntas do que respostas…
As linhas criam um ritmo em que as formas distorcidas e surreais, se encaixam como um pequeno poema aos olhos.


Insulta-te a ti mesmo, e ao autor, olhar de forma aérea essa obra, abandona-la e guarda-la em qualquer canto da sua prateleira.
Eudaimonia, assim como qualquer obra de Luciano Salles, merece ser lida e relida sempre que possível. Quando teimar em achar que descobriu tudo sobre aquilo. Releia novamente, provaras que está errado.


Um pacote que deve ser despachado, jogado e abandonado. É largado e encontrado ao acaso por alguém que vê serventia naquela condição do destino.

Cinco anos depois, a personagem que registra a estreia do autor, no mundo dos quadrinhos autorais, volta para mais uma aventura digna da mitologia que o seu nome já cria. Luzcia, a dona do Boteco, está aqui, e está aqui para provar que o universo criado por Salles é muito mais rico e interessante do que imaginamos, desde sempre…”

EUDAIMONIA
Editora: Independente
Roteiro e Desenhos: @lucianosalles
Catarse — 2017

Luan Zuchi (canal do Youtube)

+ 1 blog de quadrinhos, por Claudio Junior

O que é felicidade? Na antiga Grécia, felicidade era relacionada com a capacidade de um ser viver da melhor forma possível, através daquilo que este foi criado para fazer. Um conceito denominado Eudaimonia, o título do quadrinho indicação de hoje, mais um fruto da prolifica de Luciano Salles.

Imagem retirada do + 1 blog de quadrinhos
Caso você ainda não tenha ouvido falar de Luciano Salles, o cara já foi indicado a três prêmios HQMIX, e é um dos meu quadrinistas nacionais favoritos. Um dos seus trabalhos, L’amour: 12oz já foi indicado aqui no blog, e você pode conferir AQUI.

Luciano ficou conhecido por sua arte característica, cheia de rugas e dobras. É o tipico artista do qual você reconhece uma obra só de bater os olhos. Além disso suas narrativas também exigem muito do leitor, dificilmente você consegue extrair tudo do quadrinho na primeira leitura, ás vezes nem numa segunda, mas no final você sempre se surpreende com o resultado.

Partindo da bagagem e fanbase adquirida com seus quatro trabalhos anteriores (Luzcia: dona de buteco, O Quarto Vivente, L’amour: 12oz e Limiar: Dark Matter) Salles partiu para um financiamento coletivo para custear Eudaimonia. O processo de financiamento foi um sucesso, e sinceramente foi um dos mais organizados dos quais eu já participei.

A história do quadrinho gira em torno de um personagem bem esquisito, vestido de leopardo, e de nome mais esquisito ainda: Piwl-Pa-Col. O protagonista, um caçador, tem uma segunda chance para conseguir abater sua presa, e nessa caçada contará com a ajuda de uma antiga personagem de Luciano Salles, Luzcia, a velha dona do boteco.

Diferente de seus últimos três trabalhos, Eudaimonia é um quadrinho mais curto, de 32 páginas, que juntamente com o ritmo mais frenético de narrativa, cheio de ação, faz com que a leitura aconteça de forma rápida, como o bote de um caçador.

Com personagens extremamente cativantes, e uma trama não tão “aberta”, este talvez seja o quadrinho mais acessível de Luciano, que mostra versatilidade, ao trazer algo, mais uma vez, diferente de tudo o que já tinha feito.

O autor optou por um quadrinho em PB desta vez, e esse contraste ajudou a realçar sua arte e mostrar sua evolução quanto artista desde seu primeiro trabalho, que também segue essa paleta de preto e branco, mas com alguns tons de amarelo.

Suas rugas, entranhas e “caras feias”, estão mais lindas do que nunca, e fazem com que o leitor tenha vontade de parar em cada página, para apreciar os mínimos detalhes de cada desenho.
Fica cada vez mais difícil achar qualquer problema em um trabalho de Luciano Salles, é incrível poder acompanhar a evolução de um artista tão singular e completo. Talvez a única coisa seja essa vontade de “quero mais”, mais uma viagem por esse “Lucianoverso”, mais histórias destes personagens tão bacanas.

Se você ainda não tinha tido a oportunidade de conhecer o trabalho deste incrível autor, agora é a hora! Não perca mais tempo. Eudaimonia será lançada oficialmente na CCXP 2017, mas já estará a venda na loja virtual de Luciano Salles à partir do dia 06/12.

Assim como Luciano, eu também estarei na CCXP deste ano, conferindo os novos lançamentos e trazendo uma porrada de quadrinhos pra casa, que com certeza irão dar as caras por aqui logo logo.
Se você também pretende ir para a Comic Con Experience, aproveite a oportunidade visite o Artists’ Alley, converse com os autores, conheça novos artistas, compre os produtos e ajude a fomentar o mercado nacional de quadrinhos!

Por hoje é isso, muito obrigado!

Chapéu do Presto (Canal do Youtube) por Presto Gaudio
Resenha do início do vídeo até 4’33”

É isso. Se estiver na CCXP, conheça EUDAIMONIA na mesa E44.
Um abraço!

Luciano Salles

Olá, tudo bem camarada?
O site Mob Ground, dentro da série Coletivando, escreveu sobre meus quadrinhos, algumas curiosidades, lendas sobre a venda da minha moto e sobre meu primeiro Catarse. A matéria ficou bem legal e disponibilizo aqui o link para você ir direto para o site do Mob Ground, ler e fuçar no tanto de material massa que os caras tem.
Mas também, se preferir, deixo logo abaixo toda pauta.
E falando em meus quadrinhos, você já apoiou o financiamento coletivo de EUDAIMONIA? Se ainda não, acesse o site do Catarse pelo link www.catarse.me/eudaimonia, conheça o projeto e se gostar, saiba que seu apoio é fundamental.
Grande abraço.
Luciano Salles.












[Texto por Diego Penha]

Os gibis de Luciano Salles já deram as caras aqui no Mob Ground. Se você ainda não conhece as publicações deste taquaretinguetano, corra atrás, pois você precisa conhecer Luzcia, a Dona do Boteco, Limiar: Dark Matter, L’amour: 12ozO Quarto Vivente.

Eu mesmo já me arrisquei em resenhar o L’amour: 12oz, e se tem uma coisa que fica clara nesta resenha é a qualidade do trabalho de Luciano e a habilidade que ele tem de fazer da leitura de seus gibis uma “experiência”. Ler suas publicações não é algo fácil, pois eles demandam tempo e atenção. Acredito que isso esteja totalmente relacionado ao próprio tempo e atenção que Salles investe em suas criações. Quem o acompanha no Facebook ou em seu site Dimensão Limbo  pode testemunhar à passos miúdos a gestão de seus projetos. Não só isso como as próprias reflexões do artista quanto as diversas questões que giram em torno das etapas de confecção, divulgação, publicação e distribuição de seus produtos.

Luzcia, a Dona do Boteco, O Quarto Vivente e Limiar: Dark Matter, respectivamente sua primeira, segunda e última publicação foram financiadas de maneira totalmente independente. Reza a lenda que para publicá-las, Luciano precisou não só vender sua moto, mas também vendeu uma vértebra no mercado negro – no vídeo promocional de Eudaimonia, Salles optou por fazer um curta em que ele está correndo na rua ao por-do-sol; sendo intencional ou não, o vídeo ressoa de maneira interessante na lenda da venda da moto, afinal agora ele está à pé para correr atrás de seu trampo.

Na sequência, ele publicou seu L’amour: 12oz como gibi estreante da Editora Mino. Tem um novo gibi à caminho chamado Eudaimonia e uma das novidades é que Luciano decidiu pela alternativa de financiamento coletivo através do Catarse. Enquanto escrevo esse post, ainda restam 21 dias de campanha e restam 4 mil reais para que a meta do financiamento coletivo seja atingida.

Como está especificado na página da campanha é uma publicação curta em preto e branco, com 32 páginas. Será impressa em papel pólen bold LD90g/m², com capa colorida pelo incrível Marcelo Maiolo em papel cartão Triplex LD330g/m² e tamanho 17cm x 26cm.

A história acompanha Piwl-Pa-Col, um estranho e solitário caçador que falha na tentativa de abater “uma parte” de sua presa. O interessante é que segundo a sinopse, Luzcia, a personagem de seu primeiro gibi voltará para auxiliar Piwl-Pa-Col. Assim sendo, de maneira bastante metalinguística, Luciano decide pedir auxilio de seus leitores, para publicar Eudaimonia com financiamento coletivo.

Quem já acompanha o trabalho de Luciano Salles sabe que é um investimento com garantia de qualidade de roteiro, arte, acabamento e talvez o mais e importante e singular dos trabalhos do rapaz: os seus gibis demandam tempo para para serem lidos, não são leituras de compreensão fugaz.

Apoio básico: R$20,00 (PDF); R$25,00  (exemplar impresso)

Meta: R$15.000
Encerramento da campanha: 21/10/2017 às 23h59m59s
APOIO e + INFORMAÇÕES no link: https://www.catarse.me/eudaimonia
EUDAIMONIA por Luciano Salles
EUDAIMONIA, a nova HQ de Luciano Salles

Olá, tudo bem?

Se você acompanha o blog pode estar confuso e se perguntar: “mas a nova HQ não se chamava ELA”?

Explico melhor: estou trabalhando em duas HQ ao mesmo tempo. ELA é uma revista longa, de 136 páginas ou mais e que tomará um bom tempo de produção. Como quadrinista independente, penso que um trabalho longo assim deve ser intercalado por outras publicações até pelo fato de precisar sobreviver a partir de outros trabalhos remunerados. Além de querer manter em segredo, o máximo possível, EUDAIMONIA pois, esta sim, será lançada em 2017.

Mas vamos ao que interessa nesta postagem! EUDAIMONIA será lançada no dia 07 de dezembro, na abertura da Comic Con Experience. É o primeiro trabalho que lanço em um evento de quadrinhos e estou ansioso para isto! Aliás, estou na CCXP graças ao apoio cultural da Escola Pueri Domus Araraquara e a World Game.
Agora, neste exato momento, estou com 91,30% das páginas desenhadas e prontas. Tão logo terminar os 100% das páginas e a capa da revista, devo anunciar sinopse, produção, valor e outros detalhes com o lançamento do teaser da revista. Algumas imagens e vídeos deste trabalho inseri no meu Instagram. São todas as que estão ilustrando este post e que você pode conferir logo abaixo.

Seu comentário é sempre muito bem vindo!

Um abraço.

Luciano Salles.

Uma publicação compartilhada por Luciano Salles (@lucianosalles) em

Uma publicação compartilhada por Luciano Salles (@lucianosalles) em

Uma publicação compartilhada por Luciano Salles (@lucianosalles) em

Uma publicação compartilhada por Luciano Salles (@lucianosalles) em

Uma publicação compartilhada por Luciano Salles (@lucianosalles) em

Uma publicação compartilhada por Luciano Salles (@lucianosalles) em
Imagem retirada do Iradex

Olá, tudo certinho?

Nunca havia participado de um podcast até o receber o convite do Pedro PJ Brandão, que comanda o HQ sem roteiro, que agora fica dentro do site do Iradex. Assim, fui conhecer o programa, gostei bastante e marcamos para gravar. Conversamos sobre praticamente tudo desde que comecei a fazer quadrinhos. Falamos desde o horário que acordo até meus quadrinhos, como escrevo os roteiros, meu traço, conversamos sobre o tempo, ilustrações e muito mais! Fiquei contente com o resultado e deixo aqui o convite para você ouvir o programa.
Copiei o texto de introdutório do podcast, incorporei o áudio aqui no blog e deixo o link para, se preferir, ir direto até o Iradex e conhecer todo o conteúdo que eles mantêm ali!

Texto retirado do podcast HQ sem roteiro – Iradex
“O Tempo de Luciano Salles.

O tempo é muito importante para Luciano Salles. O quadrinista paulista sabe exatamente qual dia, mês e ano pediu demissão do seu trabalho como bancário para se dedicar exclusivamente ao trabalho com ilustração e HQs. Vendeu a moto que tinha e usou todo o dinheiro para imprimir os exemplares de seu primeiro quadrinho em cores, O Quarto Vivente, em 2013. De lá pra cá, lançou também L’Amour 12oz, em 2014, e Limiar: Dark Matter, em 2015.
O traço característico de Luciano talvez só não seja mais marcante do que suas tramas complexas, repletas de cortes temporais e multinarrativas que se intercalam. São quadrinhos que desafiam. Assim como o tempo. É sobre tudo isso e muito mais que Pedro PJ Brandão conversa com Luciano Salles no HQ Sem Roteiro Podcast dessa semana. Pode por suas luvas de boxe e subir no ringue”.
Seu comentário é sempre muito bem vindo.
Um abraço,
Luciano Salles.
Olá, tudo bem?
O site Quadrinhosfera, através do Luan Zuchi, entrou em contato e faz uma pequena entrevista sobre ELA. Você pode conferir toda entrevista aqui mesmo ou aproveitar, ler a entrevista e conhecer o Quadrinhosfera.
Um abraço.
Luciano Salles.

11/03/2017

1 – Olá, Luciano! Tudo bem por aí? Muito trabalho nas páginas de ELA, sua nova HQ, eu acredito. E afinal de contas: Quem é ELA?

Olá Luan, tudo bem sim. Bom, não vou dar assim de bandeja quem é ELA mas acho que posso dizer que ELA é tudo que permeará essa minha nova história em quadrinhos. Essa é uma boa resposta.

2 – Nos seus trabalhos anteriores, você construiu um universo futurista com uma cultura própria e um novo português. Li em algum post seu que O Quarto Vivente, Limiar e L’amour compunham uma trilogia. Sendo assim, ELA será o começo de uma nova trilogia?

Não. Tenho a certeza que não será o começo de uma nova trilogia. Afirmo isso até pelo fato de já saber o que vou fazer depois deste trabalho.
3 – Complementando o tópico anterior, podemos esperar a criação de uma cultura nova, como visto nos teus trabalhos precedentes, ou ELA terá referênciais espaciais, temporais e culturais mais próximos ao cotidiano atual?

ELA tem referências mais próximas do que vivenciamos. Mas não exatamente pois, simplesmente, não consigo fazer isso. Posso citar um simples exemplo. Enquanto escrevia o roteiro, dentro da história, a protagonista recebe um aviso. Poderia simplesmente fazer ela receber uma mensagem no celular. Mas é exatamente neste ponto que fico incomodado. Não gosto de usar nada do que usamos diariamente nas minhas histórias. 
Veja, não estou dizendo será uma história futurista ou coisa assim. Digo apenas que desviar das nossas contemporaneidades é uma obsessão. Posso buscar algo do passado para que ela receba essa notícia.

4 – Em um dos seus posts, comentando sobre o novo trabalho, você liberou uma breve sinopse e dentro dela disse que ELA se trata da história de uma lutadora de artes marciais. Por que a opção por essa temática?

Porque adoro artes marciais. Na real adoro qualquer tipo de luta. Sempre acompanhei lutas de boxe, campeonatos de judo, karatê, luta greco-romana, ou seja, se tiver alguma luta para assistir eu assisto. Lembro que bem no começo dos anos 90 fiquei sabendo que havia lutas que valiam tudo, os “vale tudo”. Logo depois descobri que tinha um conhecido que, não sei como, conseguia gravações dessas lutas em fitas de videocassete. Era um prato cheio! Enfim, gosto de ver lutas.

5 – Fingindo que sou uma criança, seguirei com os “porquês”: Por que preto e branco? Como está sendo a experiência de trabalhar com o nankin e só?

Há algum tempo queria trabalhar somente em PB mas como estava na toada da trilogia, sabia que não poderia abandonar as cores até finalizar Limiar: Dark Matter. O desenho em preto e branco se mostra um desafio quando você sabe que não haverá cores. Precisava disso. Não via a hora de fazer isso!

6 – Você é um desenhista com o estilo caracterizado pelo cuidado e pelo detalhismo, quanto tempo, em média, você está levando para produzir uma página de ELA?

Eu não consigo ficar direto em cima de uma página de ELA pois tenho a Memento 832, que é minha produtora cultural, que preciso dar atenção. Sempre aparecem ilustrações para eu fazer para a Folha de S.Paulo, cursos, bate-papos, oficinas, produções, reuniões e então o trabalho vai aos goles. Mas se for contabilizar, estou fazendo uma página a cada 3 ou 4 dias. Acho que está bom.

7 – Você já teve a experiência de publicar completamente de forma independente e também por meio de uma editora (MINO). Como você avalia essa experiência, que, com o aumento do interesse das editoras pela produção nacional, cada vez mais se misturam na realidade dos autores nacionais?

Acho fantástico tudo o que aconteça em prol do quadrinho nacional. Temos uma cena, um mercado salpicado pelos estados do Brasil. Então, se for para contribuir legal, tudo é válido.

As editoras estão aí e há muita gente fazendo excelentes trabalhos independentes. Poxa, é um prato cheio para os editores mais antenados. Por mais que, por vezes, sempre existe a exposição ou a super exposição de um ou outro quadrinista, o que chamam de “hype”, termo que não acho legal. Acho estranho usar termos em inglês com sinônimos para nossa língua portuguesa. Imagino o tanto de sinônimos que Mario de Andrade ou Machado de Assis teria para isso.

Enfim, sou um quadrinista de Araraquara, bem do interior do estado de São Paulo e me encaro com os times de futebol do interior, aqueles da terceira, quarta divisão, sabe? Sou um quadrinista da terceira divisão. Então, o fato de já ter publicado por um editora é uma vitória legal. O fato de ter participado do livro Mônica(s) foi incrível. Acho que desviei um pouco da pergunta, mas é isso.

8 – Como sei que você é um workaholic extremamente dedicado e organizado, acredito que já tenha tudo planejado, então me arrisco a perguntar: Quando ELA estará pronta?

Para essa HQ eu não coloquei data de lançamento. Para todas as anteriores havia data de lançamento assim que começava a desenhar. Como farei tudo em PB, decidi que cada página vai merecer minha melhor atenção e dedicação. O leitor que adquirir um exemplar de ELA vai notar todo meu empenho em cada linha e por isso não determinei uma data de lançamento. Quero fazer valer cada centavo de um provável leitor. E não somente no tocante aos desenhos. Tomei um cuidado absurdo com o roteiro e tudo mais. Decidi até que não irei para nenhum evento de quadrinhos até essa revista estar impressa na minha mão. É claro que se for convidado para algum evento irei com certeza, mas preparar toda logística para ir a um evento por conta não vai acontecer. Mas garanto que se eu sumir um pouquinho será por um bom motivo.

9 – Bom, muito obrigado pela entrevista e bom trabalho por aí, Luciano! Se quiser acrescentar algo sobre o qual não lhe foi perguntado, sinta-se à vontade, o espaço é seu.

Eu que agradeço a gentileza de abrir um espaço no seu site. Só gostaria de enfatizar que tudo o que faço está no meu blog dimensaolimbo.com. É o melhor jeito de me achar.
Mais uma vez, muito obrigado, Luan.
Olá camarada, tudo bem?
Um post rápido e rasteio: Estou escrevendo o roteiro da minha nova HQ.
Ainda não tenho prazo de lançamento, se será independente, por editora, financiamento coletivo ou qualquer outra informação. O que sei é que estou bastante satisfeito com o desenvolvimento do script e da trama.
Após o fechamento do arco ou da trilogia e há quase um ano sem desenhar nada sequencial, estou empolgado e feliz com o conteúdo do novo material que irei apresentar.
É isso! Fique a vontade para comentar aqui no blog.
Um abraço.
Luciano Salles.
Limiar: Dark Matter de Luciano Salles (2015, independente)
Olá camarada, tudo bem?
No dia 22 de Julho saiu uma resenha de Limiar: Dark Matter, meu último quadrinho publicado de forma independente em outubro de 2015.
A resenha foi assinada por Floreal Andrade no excelente site de entretenimento e cultura pop Impulso HQ. Floreal foi ao ponto exato no texto. Sucinto e assertivo, o texto consegue captar muito do que quis na HQ. Enfim, eu adorei a resenha!
Confira toda resenha logo abaixo ou siga direto para ler no site dos camaradas do Impulso HQ e se ficou interessado em adquirir a HQ é só ir por aqui até minha Loja Online!
Forte abraço.
Luciano Salles.
Por Floreal Andrade, 22 de julho de 2016 – publicado originalmente no Impulso HQ.

“Acho tudo muito infantil. Em contrapartida, acredito que ele exprime uma busca de nossos desejos mais profundos…”, Moebius sobre as histórias em quadrinhos.

Impressionante como os quadrinhos de Luciano Salles conseguem nos atingir de maneira tão profunda e tão impactante. É impactante visualmente, é impactante conceitualmente. Como um me disse um amigo um dia desses “como é bom se perder nos labirintos das HQs do Luciano”.
Lançado de maneira independente, Limiar: Dark Matter encerra um ciclo na carreira desse quadrinhista que despontou no mercado nacional em 2012. Audaci Junior diz que Dark Matter tem uma ligação com outro álbum de Luciano Salles, “O Quarto Vivente” de 2013, e se você conhece essa obra irá perceber que estamos em um mesmo universo. Porém, com a brilhante narrativa de Salles, somos apresentados a três personagens no futuro, lembranças que não são suas, um sonho ou um pesadelo.

Amerício, Carino e Nádio são três amigos que buscam vingança sendo que um está morto. Parece complicado não? E é. A trama ambientada nesse futuro distópico também é composta por uma lendária porta que os amigos terão que passar e a vingança traz consequências não só para eles, mas para todo o universo.

Salles não subestima o leitor, pelo contrário, o faz se esforçar e tentar ler nas entrelinhas, nas entrecores, nos entrequadros, entretempos. Estariam os três amigos sobre efeitos de alucinógenos? A porta fez com que eles ganhassem poderes para enfrentar o assassino do amigo morto?

Salles em toda a sua narrativa cria uma sensação de desconforto e de difícil compreensão. E já que falei de “entrecores”, não posso deixar de citar a paleta de Marcelo Maiolo, que assina a colorização do álbum. O colorista optou por cores não tradicionais nas aplicações de pele e um efeito de brilho nos cenários, deixando as composições cromáticas com contrastes bem interessantes. Lembrando que essa parceria entre Maiolo e Salles já pode ser vista no L’Amour: 12 oz, também de autoria de Salles.


A vingança é dada pela memória, afinal, de acordo com Salles em uma de suas entrevistas, “somos apenas memória e isso se aplica para tudo, inclusive ao Universo”.


Exato. Mais uma vez, Luciano não traz uma leitura fácil. É preciso se esforçar para acompanhar suas páginas. O trio está nascendo ou morrendo? São várias perguntas que podem não ter respostas.

Faça um teste curioso: peça aos amigos que leiam a história e depois que contem a sua versão da mesma. Você perceberá que milhares de outras histórias virão à tona.


Por isso é tão difícil classificar a obra de Luciano Salles apresentada até agora. E pra que classificar se o melhor é ler. Ler e se perder. Aqui estou eu perdido no traço e nas cores singulares de Luciano Salles.

Quando cheguei à última página, não sabia se chegava ao fim ou ao início da aventura.


Limiar: Dark Matter

Edição independente
Roteiro e arte: Luciano Salles
Cores: Marcelo Maiolo
Colorido
21 x 27,5 cm
50 páginas


R$ 35,00