Posts

Ilustração para a coluna do Contardo Calligaris na Ilustrada da Folha de S.Paulo
Foto da qualidade da impressão com essa
escolha de cores
Olá, tudo bem?
Não tenho uma resposta exata para a pergunta que dá nome ao post e, principalmente, quando a impressão será feita para um jornal. Não entendo sobre impressão gráfica, não tenho um traquejo em cores e faço tudo o que faço, basicamente, no instinto. Você pode se perguntar: isso é bom? Claro que não!
Sempre defendo para quem se pretende ser um desenhista, ilustrador ou quadrinista, que faça um curso de desenho, de cores, perspectiva e tudo mais o que puder aprender. Não tive essa oportunidade devido aos caminhos que escolhi (e não me arrependo) porém, sinto falta de algumas ou bastantes orientações.
Digo isso pois é sempre uma dificuldade acertar as cores das ilustrações que envio para a Folha de S.Paulo. 
A ilustração dessa semana ficou fantástica na impressão do jornal porém, a da semana passada, não ficou exatamente como eu esperava que ficasse. O problema não é da impressão do jornal e sim das escolhas das cores e suas variáveis dentro do espectro CMYK. 
Na próxima semana entrarei em contato com uma pessoa na Folha que entende muito sobre processo de impressão e tratamento de imagens no jornal.
Assim que tiver maiores informações sobre o que aprender e o que me for passado, um novo post com informações precisas será feito.
Um abraço!
Luciano Salles.
Ilustração para a coluna do Contardo Calligaris para o jornal Folha de S.Paulo
Print da Folha de S.Paulo online
Olá, tudo bem com você?
Durante 8 meses ilustrei a coluna do Daniel Furlan na Folha de S.Paulo. Depois desse tempo, a minha super editora fez o convite para uma nova parceria com o dramaturgo, escritor e psicanalista, Contardo Calligaris.
Fiquei encantado com o convite por vários motivos: já fui assinante da Folha do S.Paulo (quando nem em sonho imaginava trabalhar profissionalmente com meus desenhos) e uma das colunas que lia era a dele; por inúmeras vezes ouvi o Contardo falando na TV, dando entrevistas ou conduzindo algumas aulas em outros momentos e sempre como um ouvinte atento as palavras deste italiano radicado no Brasil há duas décadas.
Dois parágrafos foram necessários para a abertura deste post intitulado Bacante; Fiquei entorpecido quando recebi o texto (ainda bruto) do Contardo. Quase como um ensaio, as palavras fluem por assuntos que, de tal modo, tudo se encaixa e, por vezes, uma segunda leitura (no meu caso) se faz necessária.
A ilustração emanou a partir desta segunda passada de olhos pelo texto. O desenho tinha que ter 4 (quatro) tranças sendo puxadas sem que o leitor não tenha a visão de quem as estirava. Além disso, precisava distorcer muito a imagem que faria. Queria o limite da dor no prazer ou do prazer na dor.

Sketch “podrera”
Pé da minha esposa Lilian como referência

Enquanto pensava na ilustração, recebi um e-mail do Contardo, onde anexava um arquivo em .PDF com algumas imagens de uma exposição com telas da artista Regina Parra. Lendo o e-mail (sempre carinhoso), percebi que estava no caminho certo.

Por aqui termino com um curto vídeo onde passo nanquim nas tranças.

Grande abraço.
Luciano Salles.