Posts

Olá camarada, tudo bem?
Geralmente não costumo interrogar no título de um post mas para este, especificamente, preciso desta pontuação. 
Lucky Luke que fiz para a exposição dos 70 anos
do personagem e para a Bienal.

Fui para a Bienal de Quadrinhos de Curitiba de última hora. Não havia reservado mesa e tão pouco me planejado para a antiga Gibicon. A convite da Bianca Pinheiro e do Liber Paz, que ofereceram dividir a mesa com eles, comecei a procurar por apoios culturais (leia-se patrocínio) aqui na minha cidade para os custos de passagens rodoviária e estádia. 

Depois de tanta correria deu tudo certo. Com os apoios da Mondrian Ambiente e da World Game pude viajar para o evento.
A Bienal de Quadrinhos de Curitiba acontece no MuMA, Museu Municipal de Arte, um bonito prédio  no bairro Portão. O clima ajuda muito para passar horas mostrando seu material. Com uma lista IMENSA de convidados, sendo seis internacionais e, se estiver certo, 125 nacionais (!), o evento primou pela diversidade e inclusão, com bons painéis, exposições e tudo mais. Haviam tantos convidados que não vi uma porção deles que estavam citados no site.
Comparativamente com o Festcomix (17,18 e 19 de junho de 2016–SP) e com o FIQ (11 a 15 de novembro 2015 – BH), a Bienal, em questão de vendas, ficou entre os dois eventos. As minhas vendas na Bienal foram bem inferiores ao Festival Internacional de Quadrinhos e muito superiores ao Festcomix
É claro que minhas vendas poderiam ser maiores se tivesse apresentado algum trabalho novo. Mesmo assim, fico grato pelo tanto de pessoas que passaram pela minha mesa para dizer que tem todas as minhas revistas, que adoraram a trilogia, que levaram todas as revistas para eu autografar, que gostam do meu trabalho com roteirista e como desenhista. Fico realmente lisonjeado com todo esse carinho. 
Também percebi o menor alcance que meu trabalho tem na região sul do Brasil. É com certeza a região onde tenho o menor índice de penetração dos meus trabalhos. Eu até tentei deixar alguns exemplares dos meus quadrinhos em um loja especializada que estava no evento mas infelizmente meu trabalho não foi aceito pelo lojista naquele momento. Uma pena.
Alguns aspectos que devo destacar:
– A tentativa da organização da Bienal em disponibilizar um sinal de internet grátis para os expositores foi incrível. 
– A entregar de copos de água para os expositores pois no MuMA não havia bebedouros. Acredito que o público teve que comprar água para aliviar sua sede.
– A falta de bebedouros. Eu não localizei.
– O horário estabelecido das 11h às 21h foi um excelente acerto.
– Os painéis também merecem destaques.
– O período do ano em que a Bienal se encaixa é ideal para um conforto térmico dos expositores como dos visitante. Uma temperatura super agradável. 
– As mesas para os expositores foram ideais em tamanho e conforto.
Balizado pelos eventos que tenho me esforçado muito para ir, a Bienal de Quadrinhos se mostrou fiel a sua proposta. 
É isso. Fique a vontade para deixar seu comentário.
Um abraço!
Luciano Salles.
Lucky Luke por Luciano Salles
Olá camarada, tudo bem?
Estou no Paraná mais especificamente na Bienal de Quadrinhos de Curitiba que acontece de 8 a 11 de setembro de 2016. Ah, importantíssimo! Só conseguir vir para o evento pois sai correndo atrás de apoio cultural para minhas passagens e hospedagem na cidade. E através da Mondrian Ambiente e da World Game que consegui participar da Bienal. Deixo aqui meu agradecimento a esses dois patrocinadores! Muito obrigado Teresa Magnani e Elio Lio.
Para me encontrar vai ser fácil!
Estou na MESA 18 junto dos amigos Liber Paz e Bianca Pinheiro. Nossa mesa fica no subsolo do evento. Estarei com minhas três últimas HQ e com alguns prints que estão relacionados no post: Estarei na Bienal de Quadrinhos de Curitiba.
Lucky Luke por Luciano Salles

Mas essa postagem é para divulgar que estou participando da exposição dos 70 anos do Lucky Luke. Quando o Claudio Martini, da editora Zarabatana me convidou, recebi uma lista de personagens para escolher e de cara escolhi o Lucky Luke e Mamãe Dalton. Sempre achei a Ma Dalton uma personagem muito peculiar. Desde a forma como ela arrecada mantimentos para a caridade até suas vestimentas e acessórios.

A exposição conta com os seguintes artistas: Natalia Forcat, Marco Oliveira, Julio Shimamoto, Santiago, Mario Cau, Camilo Solano, Germana Viana, Bira Dantas, Adão Iturrusgarai, Marcatti, Luciano Salles, Gustavo Machado, Evandro Luiz, Antonio Carlos Moreira, Fernandes e Lucs Varela.
E assim, finalizando, se estiver em Curitiba nesses dias, visite o MUMA e a Bienal de Quadrinhos de Curitiba.

Fique a vontade para deixar suas impressões, se estará na Bienal de Curitiba e o que estiver afim de me dizer.

Nós vemos por lá!

Um abraço.

Luciano Salles.

Olá, tudo bem?
Há dois anos fui de supetão para a antiga Gibicon II, em Curitiba, apenas com uma mochila nas costas e com 35 unidades da minha segunda HQ. Não tinha mesa, só havia publicado Luzcia, a Dona do Boteco e a recém lançada O Quarto Vivente, conhecia poucas pessoas, poucos quadrinistas mas enfim, aquele era meu segundo evento que eu visitava como quadrinista. Só havia participado até então do FIQ – Festival Internacional de Quadrinhos – que acontece em Belo Horizonte.
Hoje a Gibicon mudou de nome e agora, como Bienal de Quadrinhos de Curitiba, vai ser a primeira vez que vou realmente participar do evento. Preciso enfatizar que somente vou para a Bienal pois consegui novamente a parceria e apoio cultural de duas empresas da minha cidade. Uma delas é a Mondrian Ambiente (muito obrigado Teresa e Bela) e a outra é a World Game, do fenomenal Elio (valeu Dom)! Sem esses apoios não teria condições financeiras para arcar com as despesas de viagens, custo da mesa e hospedagem durante os quatro dias de evento.

Outro agradecimento que preciso fazer é para a Bianca Pinheiro e Liber Paz que generosamente se ofereceram para dividir (e de última hora) a mesa comigo. Muito obrigado pelo carinho e consideração.
Vou levar para a Bienal os meus três últimos quadrinhos, três prints (esses que estão ilustrando o post) e três originais. Se você quiser algum print específico ou mesmo comprar uma commission para que eu entregue no evento, é só enviar um e-mail para lucianosalles@dimensaolimbo.com

É isso! Nos vemos em Curitiba…
Um abraço.
Luciano Salles.
Bira Dantas, Ana Koehler, eu e o Eduardo Vetillo!

Olá, tudo certo?

Acabei de voltar de Curitiba, especificamente da Gibicon nº 02. Fui de supetão graças ao apoio da World Game e desta forma, acabei levando algumas O Quarto Vivente e prints somente na mochila.

A convenção foi demais e encontrar, reencontrar e conhecer novos quadrinistas é sempre legal! Agradeço ao talentoso amigo e quadrinista, Camilo Solano, que me acolheu no Instituto Filosófico Consolata, junto do responsável pelo local, Padre Job.

Mas enfim, a Gibicon nº 02 veio para ficar.

O clássico Mussum do Vetillo no meu sketchbook

Um evento bem organizado e que acredito, na próxima edição, o MuMA não mais consiga suportar o público previsto e esperado. O ponto alto para mim, foi ter conhecido Eduardo Vetillo, que desenhou nos anos 80 os gibis do Spectreman e Os Trapalhões.

Reencontrar camaradas como o talentoso araraquarense Lucas Lima, o Orlandeli, Will Sideralman, Alex Mir, Daniel Esteves, Flavio Luis, Shiko, Mario Cau, Fábio Moon, Ruis, o grande Laudo, Aninha, Vitor Cafaggi, Lu Cafaggi, Eduardo Damasceno, Victor Moura, o battousai Daniel Lopes, Paulo Cecconi, Luna e Jana, Sidney Gusman, Paulo Ramos, Lucas Poderoso Porco, Heitor Pitombo, Bira Dantas, Afonso do FIQ, o vencedor do HQMIX Marco Oliveira e tantos outros que falharei em não lembrar.

Victor Moura gentilmente cedendo espaço em sua
mesa para autografar O Quarto Vivente e alguns prints.

E aliás, falando em HQMIX, onde estava indicado em duas categorias, não foi desta vez que fui premiado. Entretanto, agradeço aos votos que recebi e a imensa quantidade de mensagens me parabenizando pelas indicações e para não ficar chateado por não ter levado prêmio algum. Muito obrigado!

Para fechar essa atualização, dia 10 de setembro de 2014, tem bate papo comigo na exposição ‘Em quadrinhos: Luciano Salles’, organizada pelo MIS Maestro José Tescari, na Casa da Cultura de Araraquara. O bate papo tem início às 19 horas. 

Espero você lá!

Grande abraço!

Luciano Salles.

Vagas limitadas! Reserve a sua pelo e-mail misararaquara@gmail.com
ou pelo telefone 16 3322 9708