Posts

Olá!
Uma resenha bem legal, junto de uma entrevista muito bem elaborada, acabou de ser postada no site do Terra Zero!
A pauta O Quarto Vivente e Luciano Salles, inaugura a coluna HQ Brasil! Fico feliz e me sinto lisonjeado, por ser lembrado para estreiar a nova atração aos leitores do site. Agradeço ao convite de Felipe Morcelli.
Fique por aqui mesmo e leia a entrevista ou, vá até o incrível site do Terra Zero, confira a matéria e muito mais do que a página tem para oferecer!
Forte abraço…
Luciano Salles.

HQ Brasil: “O Quarto Vivente” e Luciano Salles

Postado em 06/12/2013, por Morcelli
Em: Análise , Destaque , Matérias

Nesta sexta-feira o Terra Zero inicia uma nova atração aos leitores: a coluna “HQ Brasil“. A ideia é promover uma HQ nacional fazendo comentários sobre ela e entrevistando seu(s) autor(es). Depois de um ano abarrotado de lançamentos no Festival Internacional de Quadrinhos e de projetos de quadrinhos bem sucedidos nas plataformas de financiamento coletivo ficou claro que os sites de quadrinhos, independente de qual escopo possuem, precisam promover o que está acontecendo no Brasil.
o_quarto_vivente_capa
Para a estreia da coluna foi escolhida a HQ “O Quarto Vivente” do araraquarense Luciano Salles. Esta é sua segunda HQ publicada e mais uma vez o autor optou pelo formato independente de lançamento. Focada na vida de uma jovem brasileira num mundo distópico e futurista a história figura entre as grandes obras nacionais de 2013.
A HQ
Luciano criou um universo à parte para sua história. A personagem principal, Juliett-e, é quem se conecta com o leitor, pois é ela que tenta sair da ordem dominadora no mundo. A Europa e a Ásia (chamadas aqui pelo seu antigo nome de Eurásia) afundaram e algumas sociedades se fundiram aos países que sobrevivem às mazelas do Século XXI – entre eles, o Brasil, onde a história se passa. A França foi anexada ao território brasileiro. Portanto, idioma e cultura se confundem e é muito importante que o leitor esteja atento a isso para não se perder nas falas dos personagens. Aliás, a única coisa que poderia fluir um pouco melhor na HQ são os diálogos. Por vezes confusas, as conversas possuem uma estrutura estranha e muitas vezes desconexa. Claro, isto faz parte do mundo em que o leitor imerge ao começar a ler a HQ, mas, às vezes, a coisa fica estranha demais.
Por outro lado, com muito bom gosto, Luciano questiona o marasmo mental de uma sociedade cada vez mais preguiçosa, colocando em xeque a dualidade do individualismo com o pensamento coletivo: como alguém pode se tornar tão individualista e, ao mesmo tempo, fazer exatamente o que todas as outras pessoas fazem? Seria culpa da ordem governamental opressora? Seria uma característica humana que nunca vai mudar? Quando as pessoas vão acordar para desbravarem a vida como a personagem principal tenta fazer nesta história? Estes são alguns dos muitos (e inteligentes) questionamentos que podem ser levantados durante a leitura da HQ.
o_quarto_vivente_pagina_01
“O Quarto Vivente” é um grande trabalho dos quadrinhos nacionais. Luciano conseguiu criar uma distopia que obedece as regras mais clássicas do tema. Ao somar estas características com seu jeito ímpar de trabalhar a ideia e com o tempero brasileiro, o autor entrega uma obra interessantíssima e com um universo cheio de possibilidades de exploração.
Nota: 9/10
A Entrevista
Luciano, lendo “O Quarto Vivente” deu pra notar o quanto seu trabalho é influenciado, principalmente, por obras de ficção científica, em especial aquelas que tratam de possíveis futuros distópicos para o planeta. Quais são suas principais influências para expressar sua arte desta forma?
Acredito que para essa obra, uma grande influência, do gênero que citou, foi o filme Blade Runner. Entretanto gosto muito de alguns romances como “Admirável Mundo Novo” (“Brave New World“) de Aldous Huxley, 1984 e “A Revolução dos Bichos” (“Animal Farm“) de George Orwell. Voltando aos filmes (que são minha maiores influência para qualquer quadrinhos que eu faça), o filme “Fahrenheit 451″ também cito com uma influência para essa obra. E, para o ódio de muitos, acredito que a estética de Lars Von Trier e David Lynch existe nos meus trabalhos.
lucianosalles_1356358323_92
Juliett-e é a protagonista da história. É aquela que nasceu ao acaso e quebra as regras da distopia seguindo seu próprio coração. Como artista, você acredita que o acaso está se perdendo e que os quadrinhos (assim como qualquer outra forma de arte) podem mostrar isso aos leitores?
Sim. Acredito no acaso como a mãe da evolução e também acredito, que o fim do acaso, é trabalhado diariamente e por muitas vertentes. Trabalhei com Juliett-e, nascida ao acaso, justamente para ter, como disse, a quebra do paradigma na história. Juliett-e vem com o ímpeto que é tão inerte hoje em dia. Ninguém arrisca contra o que já está imposto e decretado. Vivemos um estágio de torpor. Não sabemos conduzir nada. Somos apenas respostas automáticas. Não quero parecer pessimista e não sou pessimista. A realidade simplesmente é tirada do nosso foco. Simples assim.
A arte tem o poder e deve ser utilizada para o questionamento. Qualquer tipo de arte.
O manual de funcionamento da inseminação possui um olho em sua capa. Este mesmo olho está na contra-capa de “O Quarto Vivente” e nos autógrafos que você deu a cada fã que adquiriu o volume. Seria “O Quarto Vivente” um manual para que as pessoas deem mais atenção ao acaso e não à forma sistemática em que vivem? Todos deviam ser como Juliett-e?
Não só o olho. Cada página da revista. Se eu for falar do olho, posso entregar a história para quem ainda não leu a revista! Em cada página da HQ, coloquei intencionalmente, detalhes que acredito que muitos podem notar o que quero dizer. Não só detalhes em forma de desenho. Os nomes dos personagens foram pensados dentro da coesão da história. O nome da revista sintetiza muita coisa.
Mas também, acredito que fui direto ao que queria, no texto da história. Recebo críticas que dizem que é uma história linda e que, após o término da primeira leitura, a pessoa fechou a revista, pensou e, leu novamente. Esse é o maior feedback que posso receber. Consegui a atenção do leitor e o ciclo se fechou.
Ainda no aspecto filosófico que Juliett-e representa para a obra, o diálogo dela com o camaleão sugere que, mesmo sendo adaptável, nem mesmo ele evitou a própria extinção. Estaria você, como autor, sugerindo que a natureza adaptável do ser-humano não é mais suficiente para o mundo de hoje?
O ser humano foi adaptável em uma época pré histórica ou coisa assim. Hoje somos confortáveis. E o motivo de sermos seres confortáveis é que os pensamentos estão cada vez mais voltados para o ‘um’, para o único. Assim, temos a sensação de tudo certo. Funcionamos na base de choques. A limitação é tamanha, que somente acontecendo um hiper impacto, para mudarmos algo ou ligar a chave da adaptação. Isso é da essência humana e em todos os aspectos. Somos substâncias reativas e rasas. Acho que respondi sua pergunta (risos).
Já no começo da obra, especialmente na primeira página, é perceptível o quanto o português foi mudado para se adaptar à situação geo-política que você criou para “O Quarto Vivente”. Chega a ser intrigante como uma história que toma por inspiração autores estrangeiros tenha conseguido funcionar tão bem dentro do Brasil. Por outro lado, o país sempre foi um abrigo de várias culturas. Em que momento do roteiro você percebeu que misturar nações seria benéfico para sua narrativa?
Eu já tinha o roteiro pronto e já havia começado a desenhar a revista, quando fiz uma viagem de 21 dias para a França. Interrompi o trabalho. Lá, em um estúdio alugado, no frio de fim do outono e andando por toda Paris com minha esposa, comecei a fazer muitas conexões com minha história. Muito das coisas que havia procurado ambientar na HQ, acabei buscando dessa viagem. O silêncio que havia em alguns lugares, mesmo com muitas pessoas e, em especial, no dia que estava embarcando para o Brasil, sendo levado pela imensa esteira do aeroporto Charles De Gaulle, em um ambiente de isolamento imenso.
Ali, naqueles 21 dias, troquei os nomes das personagens, inclui a Europa na história e as Unidades Fraternais, mas o motivo central do roteiro não foi alterado.
E falando em nações e na nova geo-política proposta pela sua obra, por que a França foi a escolhida como principal parceira do Brasil? Outros países e culturas foram considerados enquanto você preparava a obra?
A França foi a escolhida pelo motivo real da viagem que fiz. Muitas lacunas que poderiam haver no roteiro foram preenchidas. E dessa forma, não havia dúvida que a França deveria ser acolhida fraternalmente. E um outro detalhe que devo citar é que me incomodou muito visitar alguns museus. Muito da parte egípcia que existe no Louvre, está lá pois foi saqueado, de alguma forma. E milhões de pessoas, assim com eu fiz, pagam para ver um produto que é parte de furto, roubo e atentado violente contra uma cultura. Somos uma coisa estranha e bizarra.
Juliett-e tem todo um futuro pela frente, mas muitos momentos da história podem ser explorados em futuras obras que revisitem este universo – tais como mostrar o dia-a-dia brasileiro do futuro mais detalhadamente e possíveis outros “dissidentes” desta distopia com mentalidade um pouco diferente de Juliett-e. Você tem planos para isso?
Esse universo que criei está congelado com essa história. Ainda não é o momento de revisitá-lo. E quando isso for feito, não será exatamente no momento que a deixei. Já pensei em opções.
Mas, na realidade, já tenho pronto o roteiro da minha nova história em quadrinhos. Estou fazendo uma terceira revisão e pretendo ter a revista pronta para impressão, no mais tarde, em Outubro de 2014. Mas já posso adiantar o nome da revista, que será: “L’Amour“.
Leather Horns by Luciano Salles

Olá, camarada. Tudo certo!

Não é novidade para ninguém que minha maior influência sempre foi o vanguardista e atemporal, Jean Giraud Moebius.
Minha identificação com suas obras e desenhos sempre foram imediatas.
Ontem, ao pensar em fazer esse desenho que chamei de Leather Hornes, sabia que poderia remeter demais ao francês Gir.
Leather Horns by Luciano Salles – Color Full

Todavia, decidi fazer a peça, pois como sempre enfatizei, minha formação como desenhista e quadrinista foi erguida lendo as linhas suaves e poéticas do Mestre, que nos abandonou em 2012.

Para sempre e sempre, Moebius!

Grande abraço!

Luciano Salles.

Olá, camarada. Tudo bem?

Saiu uma resenha bem legal de O Quarto Vivente no Universo HQ. Coloco aqui o texto na integra mas se quiser pode ver diretamente no UHQ.

Forte abraço!

Luciano Salles.

O quarto vivente

Por Audaci Junior

Data: 2 agosto, 2013

O quarto viventeEditora: Independente – Edição especial
Autor: Luciano Salles (roteiro e desenhos).
Preço: R$ 20,00
Número de páginas: 48
Data de lançamento: Junho de 2013
Sinopse
No futuro, em um processo que durou 60 anos, a Eurásia foi inundada pelos oceanos. Os países desse continente foram incorporados por outras nações. O Brasil acolheu fraternalmente a França para dentro de seu território.
O ano é 2177 e o acaso se perdeu. O admirável mundo novo se volta para o individualismo. É nele que a jovem Juliett-e Mano-n descobre um método para mudar os caminhos até então percorridos e escolhidos.
Positivo/Negativo
O segundo trabalho de Luciano Salles (o primeiro foi a HQzine Luzcia, a dona do boteco) é um exercício das consequências do tempo atual que poderá levar ao futuro distópico representado nas suas páginas.
Hoje, o individualismo e a liberdade se perdem não só pelos contrastes sociais, mas também pela perda da identidade frente às novas tecnologias ou aos valores intrinsicamente ligados ao ser humano.
Em O quarto vivente, as pessoas usam fones de ouvidos e viseiras para não ter nenhum tipo de contato uns com os outros. Os veículos não têm vidros, guiados por câmeras, os partos são arranjados geneticamente e o controle total oferece os ecos de 1984, de George Orwell.
Interessante a construção gramatical do futuro rearranjado pelo autor, com estrangeirismos e neologismos que podem causar estranhamento, mas que se encaixam muito bem na história. Por exemplo, as expressões herdadas pelos nossos “convidados” franceses como “d’accord” ou “Por D’Arc” (uma referência à mártir santificada Joana D’Arc, camponesa que ajudou a França a vencer a Inglaterra na Guerra dos Cem Anos, no Século 15).
O efeito na protagonista de domar as estribeiras do destino também carrega traços biográficos do autor, que por muitos anos foi bancário em Araraquara, São Paulo, e largou tudo pra se dedicar profissionalmente aos quadrinhos.
Com um estilo que combina o underground e a “linha clara” europeia (lembra muito os trabalhos dos brasileiros Rafael Grampá e Rafael Coutinho), a arte estilizada e as belas cores funcionais de Salles mostram-se bem “vivas” e dinâmicas.
Às vezes, os detalhes causam certa confusão, como no quarto quadro da página 11, em que percebe-se, na continuação da narrativa, que são os joelhos da protagonista. As spash pages (páginas que fazem um único painel) não são bem aproveitadas, a exemplo da 3, em que o impacto causado pelo trânsito “cego” não é alcançado.
Vale notar que o autor também aproveita algumas splash pages para quebrar a narrativa para detalhar seu futuro, um indício que esse universo poderá ser revisitado.
Em contrapartida, as junções cinematográficas dos detalhes em O quarto vivente mostram uma simplicidade que serve para contar a história e oferecer o tom intimista. Cenas como a inseminação de Juliett-e e o “cheiro de nostalgia” da sua amiga Madelein-e conferem o domínio narrativo de Luciano Salles.
Sobre a qualidade editorial do álbum, sabe-se que já se foi o tempo de fotocópias e mimeógrafos associados aos independentes, mas o trabalho de Salles impressiona. Um formato diferenciado (semelhante a uma folha A4), aliado a uma ótima impressão em um papel couché fosco de alta gramatura oferece fidelidade à sua arte.
E a bela capa cartonada ainda tem aplique de verniz, QR Code e orelhas. Tudo isso por um preço bastante acessível, valendo pela qualidade material e artística da obra.
Dentre escorregadas, nada que comprometa a HQ: a justificação da apresentação de Ivan Freitas da Costa, um dos curadores do Festival Internacional de Quadrinhos de Belo Horizonte, está muito espaçada, dificultando um pouco a leitura; e o crédito do posfácio assinado por Daniel Lopes faz parecer que ele é editor da DC e Vertigo nos Estados Unidos, não da Panini, que lança esses selos no Brasil.
Mas é tudo perdoável pelos outros acertos editoriais.
Uma edição e um quadrinhista que merecem ser conferidos, seja pela arte, pela construção de um universo ou pelo desfecho aberto do seu recorte futurístico.
Classificação
4,0

Camaradas…

O desenho abaixo traz o nome de: N.P. Oficia-L I, ou seja, é como serão chamados os policiais no ano de 2.177. Fica a dica!

Grande abraço!

N.P. Oficia-L I.