Posts

Olá, tudo bem?
Seja bem vindo se é um(a) novo(a) leitor(a). Se já visita o blog, obrigado por mais essa leitura.
Ilustração para o jornal Folha de S.Paulo, por Luciano Salles
Toda semana ilustro para o jornal Folha de S.Paulo, a coluna do psicanalista Contardo Calligaris. O nome do texto da última edição de quinta-feira era “As mulheres têm desejos e fantasias” (clique no nome da coluna para lê-la).
Como sempre faço, assim que recebo o texto, no começo da noite de terça-feira, leio uma primeira vez para ter um entendimento básico e logo após, uma segunda leitura vasculhando meandros entre os parágrafos.
Feito isso, vou dormir às 20h30 para acordar às 3h da quarta-feira e iniciar o trabalho da ilustração. Fiz todo o procedimento como de costume e já finalizando as cores do desenho, minha esposa – Lilian  Penteado – veio até meu estúdio e perguntou o que eu havia desenhado.
Ela olhou, leu novamente o texto (ela já havia lido na noite anterior) e me disse: “o desenho está lindo mas existem inúmeras maneiras, olhares e ângulos para se desenhar um livro gozando“. Conversamos um pouco mais e ela ainda continuou, “não é você mesmo sempre fala que o homem é um fusca e as mulheres são disco voadores”.
NOTA: Por vezes faço essa relação; “os homens estão para as mulheres assim como um fusca está para um disco voador”. Não estou dizendo que um disco voador seja melhor que um fusca. Não é isso. Ambos tem a mesma função de transportar mas cada um com suas peculiaridades.
Desenho que havia feito para ser publicado e que contou
com a editoração da Lilian
Peguei uma nova folha já com a ideia para o novo desenho que é o que abre a postagem e recomecei a arte pelo qual fui elogiado. O próprio Contardo enviou uma mensagem dizendo que havia recebido vários e-mails – principalmente de leitoras –, elogiando a ilustração.

Esse desenho ao lado era o que enviaria para ser publicado.

Desta maneira, todos os méritos e adjetivos que recebi pela ilustração, preciso dividir com minha esposa e por vezes, editora, Lilian.
Fico por aqui.
Um abraço.
Luciano Salles.
Olá, tudo bem?
O tão falado caso “amoroso” e policial, Najila e Neymar, não tem nada a ver com o Robert Smith, icônico vocalista da banda inglesa The Cure. Apenas calhou de ter seu nome junto aos outros no título da postagem.
Semanalmente colaboro junto do psicanalista, escritor e autor da série Psi, da HBO, Contardo Calligaris, ilustrando seu texto na Folha de S.Paulo. Essa semana o título da coluna foi “Najila, Neymar e os comentários”.
Ilustração para a coluna do Contardo Calligaris na Folha de S.Paulo por Luciano Salles
Em um texto assertivo, Contardo, mais uma vez, deixa latente sua visão e posiciona o leitor para refletir sobre o assunto neste mundo instantâneo de análises, julgamentos e sentenças. Convido você a fazer a leitura por esse link: http://bit.ly/2UdFNqu
Robert Smith por Luciano Salles
Já sobre o Robert Smith, eu fiz um desenho do cantor e dei de presente para um amigo de longa data em seu aniversário, que se passou na mesma semana. Só isso, nada que o vincule as peripécias contidas nos parágrafos anteriores.
É isso! Fico por aqui enquanto preparo uma curta imersão de dois meses para os meus leitores.
Um abraço.
Luciano Salles.

Ilustração para o jornal Folha de S.Paulo por Luciano Salles.
Olá, tudo certinho?
Eu recebo o texto na terça-feira ao final da tarde, por vezes no começo da noite e tenho que enviar o desenho finalizado até às 14h da quarta-feira, para a redação do jornal.
O Contardo tem um escrita fluída, de pensamentos rápidos, ligando assuntos que pouco se atrevem ou se interligam, quase como se escrevesse um ensaio; o motivo dessa postagem é tentar fatorar os meios por onde chego na ilustração que será publicada.
Ao receber o texto direto do e-mail dele, já respondo que recebi para ele ficar tranquilo com sua parte do trabalho. Combinamos o uso do e-mail pela praticidade. 
Os textos sempre dão uns “chacoalhões” e isso desde quando eu assinava o jornal físico (a mais de 15 anos). Não sei se a prática de atender pacientes em consultas o conduz para esse formato de escrita mas, de fato, para mim, sempre foi assim.
A primeira leitura que faço é apenas uma apreciação do texto e por isso, evito pensar que terei de ilustrar sobre o que estou lendo. Por muitas vezes, uma segunda leitura se faz necessária apenas para uma melhor compreensão do que foi escrito.
Sketch “podrera” por Luciano Salles.
É geralmente na terceira leitura e essa, mais nas entrelinhas, que começo a refletir sobre o conteúdo ali exposto. Como é um texto corrente, parece que tudo ali foi preenchido como um rio preenche e percorre seu leito. Esse passa a ser meu desafio.
Penso que a ilustração dever ter o poder de atrair e quem sabe, conduzir os olhos do leitor curioso para o que deve estar escrito ali. Sei que o Contardo tem seus fieis leitores mas não custa tentar angariar um novo. Por esse motivo, essa terceira leitura é bem mais crítica, onde procuro algo que o Contardo não escreveu mas ficou velado entre tantas sentenças.
Foto da página do caderno Ilustrada.

Para o texto desta semana, especificamente, o que me atinou foi o fato de que precisamos de fantasias para viver. Não só nos aspecto sexual, como o texto viceja, mas vivemos em prol de fantasias que criamos, acreditamos e realmente são necessárias (as saudáveis no aspecto social geral).

Dentro de toda essa amplitude e carga contextual, convido para a leitura do texto por esse link http://bit.ly/2DT54RI para seguir a trilhas e passos que procurei tomar para chegar na arte publicada.

Fico por aqui no aguardo de comentários, compartilhamentos, sugestões e o que mais quiser inserir logo abaixo.
Um abraço.
Luciano Salles.
Olá, tudo bem?
Vamos para dois assuntos em um único post: 
#mickeyfeio #mickeyfeio2019 por Luciano Salles
#mickeyfeio
Pelo que pesquisei, essa é a sétima edição do Concurso Mundial Mickey Feio que foi idealizado pelos designers pernambucanos Stuart Marcelo e Cecília Torres. Eu não conhecia esse “concurso” mas vi a hashtag e fiquei com vontade de fazer um Mickey feio.
Fiz o desenho, liguei o computador, abri o Photoshop e fiz as cores em, no máximo, 10 ou 12 minutos. Deveria ter cronometrado pois acredito que nem deu tudo isso de tempo e esse fato me levou a uma séria reflexão: “por que diabos esse não é meu traço? Faria tudo 20 vezes mais rápido!”
Quadrinho para a Folha de S.Paulo.
Na última quinta-feira, como de costume, ilustrei a coluna do Contardo Calligaris de uma forma narrativa. 
Não gostei tanto do trabalho publicado devido a inúmeros motivos; não é nenhuma ideia original, não fiquei contente com minha arte-final e alguns outros que não vem ao caso.
Mandei um e-mail para o Contardo revelando esses sentimentos quanto a ilustração (abusei do meu colega psicanalista) e para minha surpresa, ele havia gostado. Fiquei mais aliviado.
Ilustração para o jornal Folha de S.Paulo por Luciano Salles
Como ilustrador, sempre me proponho a cavar algo que ficou implícito no texto e por esse viés, a ilustração foi acertada.
Deixe seus comentários!
Um abraço.
Luciano Salles.
Ilustração para a coluna do Contardo Calligaris na Ilustrada da Folha de S.Paulo
Foto da qualidade da impressão com essa
escolha de cores
Olá, tudo bem?
Não tenho uma resposta exata para a pergunta que dá nome ao post e, principalmente, quando a impressão será feita para um jornal. Não entendo sobre impressão gráfica, não tenho um traquejo em cores e faço tudo o que faço, basicamente, no instinto. Você pode se perguntar: isso é bom? Claro que não!
Sempre defendo para quem se pretende ser um desenhista, ilustrador ou quadrinista, que faça um curso de desenho, de cores, perspectiva e tudo mais o que puder aprender. Não tive essa oportunidade devido aos caminhos que escolhi (e não me arrependo) porém, sinto falta de algumas ou bastantes orientações.
Digo isso pois é sempre uma dificuldade acertar as cores das ilustrações que envio para a Folha de S.Paulo. 
A ilustração dessa semana ficou fantástica na impressão do jornal porém, a da semana passada, não ficou exatamente como eu esperava que ficasse. O problema não é da impressão do jornal e sim das escolhas das cores e suas variáveis dentro do espectro CMYK. 
Na próxima semana entrarei em contato com uma pessoa na Folha que entende muito sobre processo de impressão e tratamento de imagens no jornal.
Assim que tiver maiores informações sobre o que aprender e o que me for passado, um novo post com informações precisas será feito.
Um abraço!
Luciano Salles.
Ilustração para a coluna do Contardo Calligaris para o jornal Folha de S.Paulo
Print da Folha de S.Paulo online
Olá, tudo bem com você?
Durante 8 meses ilustrei a coluna do Daniel Furlan na Folha de S.Paulo. Depois desse tempo, a minha super editora fez o convite para uma nova parceria com o dramaturgo, escritor e psicanalista, Contardo Calligaris.
Fiquei encantado com o convite por vários motivos: já fui assinante da Folha do S.Paulo (quando nem em sonho imaginava trabalhar profissionalmente com meus desenhos) e uma das colunas que lia era a dele; por inúmeras vezes ouvi o Contardo falando na TV, dando entrevistas ou conduzindo algumas aulas em outros momentos e sempre como um ouvinte atento as palavras deste italiano radicado no Brasil há duas décadas.
Dois parágrafos foram necessários para a abertura deste post intitulado Bacante; Fiquei entorpecido quando recebi o texto (ainda bruto) do Contardo. Quase como um ensaio, as palavras fluem por assuntos que, de tal modo, tudo se encaixa e, por vezes, uma segunda leitura (no meu caso) se faz necessária.
A ilustração emanou a partir desta segunda passada de olhos pelo texto. O desenho tinha que ter 4 (quatro) tranças sendo puxadas sem que o leitor não tenha a visão de quem as estirava. Além disso, precisava distorcer muito a imagem que faria. Queria o limite da dor no prazer ou do prazer na dor.

Sketch “podrera”
Pé da minha esposa Lilian como referência

Enquanto pensava na ilustração, recebi um e-mail do Contardo, onde anexava um arquivo em .PDF com algumas imagens de uma exposição com telas da artista Regina Parra. Lendo o e-mail (sempre carinhoso), percebi que estava no caminho certo.

Por aqui termino com um curto vídeo onde passo nanquim nas tranças.

Grande abraço.
Luciano Salles.
O que está em jogo na visita de Bolsonaro a Israel? por Luciano Salles
Olá, tudo bem com você?
Na edição de hoje da Folha de S.Paulo, você pode ver meu trabalho no caderno Mundo. O que foi legal em toda essa empreitada é que tive a liberdade para fazer o roteiro do “quadrinho”. 
A proposta era produzir uma história em quadrinhos retratando a “vontade” do Presidente Bolsonaro em mudar a localização da embaixada do Brasil em Israel. A troca seria da cidade de Tel Aviv para Jerusalém, assim como já fez o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.
Recebi a pauta na quinta-feira de tarde com o prazo para entrega na sexta-feira à noite.

Não sei se reparou mas no primeiro parágrafo, coloquei a palavra quadrinho entres aspas pois montar o roteiro de uma HQ (de uma página) que contém tantas informações e viéses é, definitivamente, um desafio.

Não há espaço para a dinâmica que uma HQ necessita e assim fiz (com o apoio do repórter Daigo Suzuki) um compilado dos melhores pontos tendo a tarefa de ligar cada situação.

Fazer um quadrinho na capa do caderno Mundo, em jornal com o alcance que tem a Folha de S.Paulo é uma tremenda responsabilidade.
São quase 50 mil exemplares com uma HQ logo na cara em um espaço importante do periódico. Alguns pensamentos ecoaram depois de entregar os arquivos:

– Quantas pessoas que nunca leram ou não tem o costume de ler um gibi, uma sequência narrativa com texto e imagens e, de supetão, folheando o jornal, se interessam pela página?
– Quantas pessoas podem gostar do que viram e, de repente, bate aquela nostalgia de comprar um gibi na banca?
– E se uma criança que gosta de desenhar olha aquilo e ficar fascinada com a opção de ler uma história interagindo com imagens?

Por Luciano Salles

E principalmente:

– Como fazer os desenhos serem facilmente assimilados devido a restrição de espaço, excesso de conteúdo que a própria ocasião gera e aberto para todo tipo de público? Quem lerá será um(a) operário(a), um(a) professor(a), um(a) juiz, simpatizantes e não simpatizante ao Presidente, pessoas que entendem de geopolítica, enfim, uma diversidade fantástica!

É um desafio fazer algo que seja didático e também, de certa forma, nada como costumo fazer em minhas histórias. Essas são questões que sempre surgirão.

Espero que tenha gostado do conteúdo da postagem e deixe seu comentário.

Um abraço.

Luciano Salles.

Ilustração para a coluna do Daniel
Furlan
, na Folha de S.Paulo.
Olá, tudo bem com você?
Nessa segunda-feira, publico minha última ilustração para a coluna do Daniel Furlan na Folha de S.Paulo. Continuo ilustrando para o jornal com apoio irrestrito da minha super editora.
Foram 8 meses de parceira entre agosto de 2018 até 25/03/2019. Reconheço que gostava muito de fazer as ilustrações para os textos, mas tudo tem um início e um término. O importante é que continuo a ilustrar com alguns novos desafios solicitados pelo jornal.
Agradeço imensamente as inúmeras mensagens de leitores e as pessoas que gostavam do trabalho que fazia na coluna. Agradeço a minha editora por montar esse time com o Furlan. Agradeço ao Daniel pela parceria nestes 8 (oito) meses de colaboração. Estou triste, mas grato pela oportunidade que me concederam. Muito obrigado.
Esse é o link para a leitura da coluna: https://goo.gl/LQ6VaE
Um abraço.
Luciano Salles.
Compre agora EUDAIMONIA, minha última publicação em quadrinhos que teve 3 (três) indicações para o troféu HQMIX! Sua HQ chegará autografada e com dedicatória.

Ilustração de 04/03/2019 para
a Ilustrada, por Luciano Salles.

Olá. Tudo bem com você?

Sabe, eu ilustro para o jornal Folha de S.Paulo desde 2015.
Comecei fazendo ilustrações esporádicas, ou de forma “freelance”, como é denominado – infelizmente – na linguagem falada (não gosto e evito usar termos em inglês para palavras tão bonitas da língua portuguesa mas é claro que muitas vezes falho).
Retrocedendo para o meio dos anos 80, sempre adorava ler e recortar as tirinhas do Laerte, Angeli, e Fernando Gonzales que eram publicadas no caderno de cultura Ilustrada da Folha e S.Paulo além de algumas ilustrações que me encantavam pelo jornal. Guardava tudo em uma pasta verde de elásticos, junto da minha honrada “coleção” de uma dezena de gibis. Deixava tudo exposto, decorando, uma peça que havia no quarto. Tudo isso em Araraquara.
Hoje, quase 35 anos depois, ilustro semanalmente para o mesmo jornal em uma coluna assinada pelo ator Daniel Furlan. Eu nunca imaginei, nem em sonho, que isso poderia ser possível. Até porque, era algo tão distante da minha realidade que jamais tive a intensão de trabalhar com meus desenhos.
O que fazia eram desenhos diários mas sem vínculos com nada. Se estivesse com vontade de desenhar a cadeira da cozinha, desenhava. Se estivesse com vontade de desenhar um bode com tetas, desenhava. Se fosse a vez do homem-Aranha, desenhava.
Matéria com meu trabalho na
Folha Ilustrada.

Desde de então, uma ou duas vidas se passaram, até que um dia, saiu uma reportagem sobre meu trabalho como quadrinista, naquele mesmo caderno de cultura, do mesmo jornal, que eu recortava as tirinhas. Aquilo já foi estranho demais para mim. Quem assinou a matéria foi o camarada, Télio Navega.

Como se não bastasse, um grande amigo e fotografo chamado Mastrangelo Reino, organizou um evento onde haveria exposições de fotos, música ao vivo e uma oficina de diagramação em jornal. O que me interessou para ir ao evento foi essa tal oficina. Sinto uma enorme dificuldade em diagramar qualquer coisa e pensei que, mesmo que fosse sobre diagramação em jornal, de alguma forma seria extremamente útil.
Cheguei com antecedência de umas duas horas do horário da oficina e de repente, quem iria ministrar o curso sobre diagramação era a pessoa que havia montado aquela mesma reportagem comigo na Ilustrada (essa da imagem ao lado). Ela me reconheceu e disse que havia trabalhado na matéria sobre meu trabalho com quadrinista.
A partir de então, o papo e a afinadade aconteceram. Como sempre ando com meus quadrinhos em minha mochila, ela ficou com um exemplar de O Quarto Vivente e de L’Amour: 12 oz. Folheou as revistas e me perguntou (ali mesmo) se eu desejava ilustrar esporadicamente para o caderno de cultura Ilustrada do jornal Folha de S.Paulo (aquele mesmo que eu fazia os recortes).

A Thea era a editora de arte do caderno.

Foto da oficina sobre diagramação. Não tenho os créditos
para a foto.

Após a oficina, fomos almoçar juntos no Frios da 7, um restaurantinho com uma comida bem caseira e sempre deliciosa, bem próximo ao evento.

Desde esse dia, eu nunca mais vi fisicamente a Thea, minha editora. Sempre nos falamos mas nunca nos vemos.

Um dia (ainda esse ano) vou para São Paulo me encontrar com ela, conhecer a redação do jornal e agradecer pessoalmente a oportunidade que ela me concedeu.

Um abraço.
Luciano Salles.
Olá!
A coluna do Daniel Furlan, que ilustro semanalmente para o jornal a Folha de S.Paulo, estava em recesso.
A coluna estava em férias, o Furlan estava em férias e eu não, pois trabalhei em uma encomenda de 12 ilustrações bem legais (e que ainda neste mês divulgo aqui no blog) e no roteiro de Duplo, eu, minha nova história em quadrinhos que será publicada no segundo semestre de 2019.
A ilustração ao lado direito é a que foi publicada mas se perceber, notará que para o jornal, eu prefiro deixar as linhas de contorno pretas.
Por experiência, notei que desta forma os trabalhos são melhores impressos. Deixo aqui as duas versões para comparar, o link da versão online ou, se for comprar o impresso para ler a coluna ou mesmo só para ir à banca, poderá conferir essa diferença gráfica.
E você? Prefere com as linhas coloridas ou todas pretas?
Um abraço!
Luciano Salles.
Ilustração para Folha de S.Paulo com as linhas
de contorno em cores diferentes.
Ilustração para Folha de S.Paulo com as linhas
de contorno em preto.