Posts

Banner que usei na CCXP com os apoiadores culturais

Olá. Tudo bem?

Acredito que o assunto deste post seja difícil de praticar por algumas pessoas. No decorrer da leitura você poderá se identificar com a frase acima e para isso, tentarei, de alguma forma, ajudar.
Se você é um quadrinista (aquela pessoa que cria história em quadrinhos) ou ilustrador(a), desenhista, roteirista, colorista, letrista, ou seja, um profissional que trabalha com quadrinhos e que precisa ir aos eventos e festivais, sabe quanto é caro sair da sua cidade, viajar até onde acontecerá o encontro,  hospedar-se em um hotel, hostel ou mesmo a casa de um amigo, arcar com sua alimentação por 5 ou 6 dias, deslocar-se até o evento, pagar o aluguel da mesa onde mostrará seus trabalhos e arcar com tantas outras variáveis possíveis e que possam gerar despesas.
Quero me referir e enfatizar o fato de que um evento de quadrinhos é o local ideal para você conseguir levantar créditos, ou seja, dinheiro com sua arte. No meu ponto de vista, ir para um festival preocupado se as vendas pagarão as despesas é algo extremamente angustiante, além de poder prejudicar sua disponibilidade em prestar um bom atendimento e até gerar uma certa agressividade nas vendas.
Esses quatro parágrafos introdutórios foram para formular a seguinte pergunta:
– E se fosse possível ir para uma convenção, feira ou festival de quadrinhos com um apoio cultural que dê suporte as suas despesas?
Como já enfatizado, ir para um evento de quadrinhos é caro entretanto, é o local onde posso contabilizar um lucro que, dependendo do evento, equivalem a dois, três meses de trabalho constante em meu estúdio.
Assim, desde 2013, sempre procuro e tento buscar na iniciativa privada, parcerias que possam diminuir os valores das minhas despesas com o objetivo zerá-la. 
O anos de 2018 foi um dos mais difíceis em conseguir os apoios culturais para minha ida a Comic Con Experience. Mesmo assim, apesar das dificuldades que 2018 tem proporcionado, fui para o Festival Internacional de Quadrinhos de Belo Horizonte – o FIQ –, com todas as despesas quitadas pelo Colégio Pueri Domus de Araraquara.

Apoiadores culturais para meu transporte, ida, estadia, alimentação e transporte durante a CCXP 2018.

Para essa CCXP (Comic Con experience) as empresas que estão me apoiando culturalmente e que estão dando suporte para minha ida a convenção são, novamente, o Colégio Pueri Domus Araraquara, a Mondrian Ambiente, a World Game, o espaço Shanti Yoga, a Portal Informática e a Visual Comunicação.

IMPORTANTE: Um detalhe crucial em enfatizar é que esse é um trabalho que faço semanalmente, durante todo o ano, pensando estrategicamente nos melhores eventos que acontecerão, nas empresas que já me apoiam, me apoiaram e em novas instituições que podem dar suporte ao meu trabalho, mediante é claro, contrapartidas da minha parte.

Sendo assim, deixo abaixo algumas dicas para você tentar parcerias que possam aliviar e proporcionar uma melhor qualidade de trabalho nos eventos de quadrinhos.

01. Procure por empresas ligada a cultura, entretenimento e que tenham enfoque ou, apreço por artes.

02. Para cada empresa que você for apresentar seu pedido de apoio cultural, tenha especificamente apresentado o valor que necessita, suas contrapartidas e o detalhamento das mesmas.

03. Faça a estimativa de custo total de sua ida para o evento. Esse valor deve se rateado de acordo com uma perspectiva que a empresa possa transparecer para você.

04. Busque parceria que possa ser benéfica para ambos. Por exemplo, Araraquara, que é onde moro, é onde fica a sede da Cutrale, uma grande produtora e exportadora de suco de laranja. Como meu trabalho poderia ser aproveitado pela empresa? Qual contrapartida eu poderia oferecer para ela?

05. Coloque em sua rotina a busca por empresas que possam vir ou que tenham potencial para ser um ou uma apoiador(a) cultural. Faça isso sem pressão e somente acione a mesma no ato de se apresentar, antes mesmo de enviar sua proposta.

06. Monte um blog para inserir botões e links de todas as empresas que dão suporte durante o período acordado entre a parceria.

07. Preste contas, apresente o valores com nota fiscal ou cupom fiscal que justifiquem o valor solicitado.

08. Você, como artista, não deve ter aquele tino comercial natural ou mesmo traquejo para essas negociações. Entendo perfeitamente. Eu nunca tive e fui aprender alguma coisa em quase 13 anos trabalhando em um instituição financeira onde o que importa é se vendeu e atingiu sua meta diária, estipulada por seu gestor (neste item explico o motivo da frase inicial da postagem).

09. Veja logo abaixo o pedido de apoio cultural padrão que uso. Vale a ressalva que para cada empresa esse arquivo é ajustado e adequado para a mesma.

Exemplo de pedido de apoio cultural
Exemplo de pedido de apoio cultural

10. Seja ético, responsável e impecável com sua palavra.

Espero que esse post possa te ajudar e se tiver alguma dúvida é só deixar nos comentários.

Fico por aqui.

Um abraço.

Luciano Salles.

Minha mesa no FIQ 2018 com EUDAIMONIA (2018,
independente), Limiar: Dark Matter (2015, independente)
e O Quarto Vivente (2013, independente)

Olá, tudo bem?

Por vezes escrevo textos sobre algumas reflexões que faço, sozinho, no meu isolamento interiorano e penso que, por esse aspecto, divulgá-los aqui seja uma boa forma de compartilhar essas análises com você que acompanha o blog.
Depois de participar da 10º edição do FIQ (Festival Internacional de Quadrinhos de Belo Horizonte), comecei a pensar sobre o fato de vários artistas vincularem seus lançamentos aos eventos de quadrinhos. É claro que isso é ótimo pois junta o melhor dos mundos: um livro novinho esperando por consumidores em um evento onde estará o público que compra esse tipo de publicação.
Do ponto de vista do mercado e vendas (somos todos vendedores), é o momento ideal para se lançar um livro. Mas até que ponto isso pode garantir que sua HQ seja um “sucesso” de vendas? O que garante que um gibi venderá bem nesta conjuntura? Somente pelo fato dele ser novinho, cheiroso e estar no meio de muito dos leitores e colecionadores do país?
Os próprios eventos, em suas fichas de inscrição para seleção de mesa, sempre perguntam se você pretende lançar algum novo título no festival. Isso acontece praticamente em todo processo de seleção de mesa dos eventos.
Um adendo: na CCXP (Comic Con Experience) do ano passado, fiz o lançamento de EUDAIMONIA, meu mais recente quadrinho. Você quer saber se a venda foi boa? Foi excelente mas, menos do que esperava. O que houve de errado? Minha expectativa estava muito alta com o fato de ter um lançamento no maior evento de quadrinhos e cultura pop do país? Minha “frustração” quanto aos números de exemplares vendidos foi por eu ter superdimensionado o que poderia vender? Eu deveria ter me “frustado” por ter vendido tão bem?
Percebe como esse tema pode gerar muitos questionamentos sobre a viabilidade de casar novas publicações com as datas dos festivais de quadrinhos?
Voltando ao FIQ, conforme informação no próprio site do evento, havia 217 lançamentos nas mesas dos(as) artistas sem contar nos estandes. Aqui está o link para você conferir os títulos lançados em Belo Horizonte: todos os lançamentos do FIQ 2018!
Eu acho incrivelmente fantástico o tanto de títulos que está sendo produzido mas o seu ficará pulverizado entre tantos outros lançamentos (será mais uma HQ de 217 avos). A não ser que você seja um(a) quadrinista categoria Champions League, sua HQ vai ficar fragmentada entre tantas outras.

Resolvi elencar, pelo menos, 5 (cinco) pontos positivos e negativos em associar seu lançamento a um evento. Vamos começar:

PONTOS POSITIVOS
• Sua HQ e seu nome serão citados(as) no site do evento (como no link acima);
• Sua HQ e seu nome também serão citados (as) em sites de quadrinhos que também fazem esses levantamentos;
• Você vai para o evento feliz da vida com sua nova publicação;
• Suas vendas poderão ter um incremento considerável devido ao seu novo trabalho;
• Sua HQ vai gerar curiosidade e com isso atrair mais leitores(as) até sua mesa.

PONTOS NEGATIVOS
• Expectativa alta em conseguir boas vendas do seu novo material;
• Ajustar seu cronograma de trabalho com as datas dos eventos para sempre ter algo novo;
• Trabalhar de forma rápida (e por vezes, não dando seu melhor) somente para conseguir lançar seu novo produto;
• Sentir-se obrigado a ter uma nova história em quadrinhos para cada evento;
• Acreditar que com uma nova publicação, suas chances de ser selecionado(a) para ter um mesa no festival aumentará consideravelmente;

Enfim, é um assunto vasto e subjetivo. Eu mesmo não acredito que um(a) quadrinista precisa estar com um novo título todo ano ou a cada ano e meio. No meu caso que escrevo a história e desenho, isso se torna cada vez mais verdade. Existe o processo de escolher exatamente qual história contar, escrever o roteiro, desenhar as páginas, arte-finalizar, escanear, fazer o letreiramento, o tratamento gráfico para a impressão e muitos outros detalhes no meio destes poucos itens. Além do mais, cada um tem o seu tempo para dar seu melhor.

E você? O quê acha de tudo isso? Seja você autor(a) de quadrinhos, desenhista, colorista, leitor(a) ou o que quer que o(a) vincule a esse mundo das HQ, deixe suas impressões nos comentários.

Grande abraço.

Luciano Salles.

Apoio Cultural para a CCXP 2016

Olá camarada, tudo bem?

Apoio Cultural para a CCXP e agora para
a Bienal de Quadrinhos de Curitiba

Começa o segundo semestre e os eventos quadrinhos vão chegando. Já é certo que irei para a de CCXP pois conto com o apoio cultural (patrocínio mesmo!) da escola Pueri Domus Araraquara, representada pela Mônica Zaher e da World Game do amigo Elio Lio. Sem essa iniciativa privada não teria condições de ficar hospedado 6 dias em São Paulo, bancar minha alimentação e quitar a despesa da minha mesa.

Imagem da HQ Limiar: Dark Matter
Poderia tentar ir sem os apoios mas seria arriscado demais pensar que as vendas quitariam todas as despesas. Eu ficaria tão apreensivo em ter que vender com essa pressão (da dívida) que com certeza faria as vendas ficarem forçadas e inconvenientes.
Da mesma forma, para ir a antiga GIBICON, que agora se chama Bienal de Quadrinhos de Curitiba, é o mesmo esquema. Estou tentando captar apoios aqui na minha cidade. Já tenho um percentual equivalente ao valor das passagens de ônibus (ida e volta de Araraquara – Curitiba). Este também patrocinado pela World Game e por enquanto é só. A mesa no evento eu já consegui graças a generosidade da amiga Bianca Pinheiro e do camarada Liber Paz que cederam um espaço para mim junto deles. Dividiremos a mesa em 3 e desta forma, contabilizo outra despesa.

Essa semana preciso correr atrás da hospedagem, diárias para minha alimentação e meu percentual do custo para a mesa no evento.

Se você chegou até esse ponto da leitura, deve estar se perguntando o motivo dessa postagem. Simples. Ser quadrinista independente é bem isso! É fazer tudo literalmente (além de produzir sua HQ) mesmo percebendo o outro lado das composições. Ou seja, quadrinista independente que nasceu para ser lado B nunca vai ser lado A.

Mesmo que você visite de alguma forma esse mundo paralelo do lado A, vai perceber em essência quem te pertence: o lado B.

Se você fizer uma analogia entre os dois lados, A e B, de um antigo vinil, perceberá que o lado A tem e traz um discurso pronto. E assimilar um discurso pronto é fácil e é o que mais se faz. É natural do ser humano. Já o lado B, para ser acessado, provavelmente, teve de esperar sua vez. Nesse meandro de tempo, você pode se preparar com embasamento sem meras retóricas repetitivas.

Aproveite essa fenda temporal de A para B para se preparar, estudar e buscar sua essência estampada nas suas páginas. Perceba, entenda e assimile as virtudes em ser lado B. Não menospreze o lado A. Seja você em essência.

Um abraço.

Luciano Salles.