Posts

The Verge: Materia Nigra por Luciano Salles
Olá, tudo bem?
Isso mesmo! Estou bem feliz em apresentar The Verge: Materia Nigra, a versão em inglês do meu último trabalho independente publicado e agora disponível no Comixology, uma gigante plataforma para compra e leitura online de quadrinhos.
Como meu inglês é pífio para uma tradução, convidei o camarada, amigo e tradutor Érico Assis para tomar as rédeas desta demanda e o resultado ficou fenomenal! Érico foi extremamente cauteloso e certeiro na tradução, inclusive na versão inglesa para o nome da HQ.
A revista está a venda por U$ 3,99 diretamente neste link: The Verge: Materia Nigra. 
Houve um probleminha em uma das páginas duplas que já está sendo tratado e sanado pelo suporte da plataforma.

Esses são alguns pequenos passos que sinto que devo tomar. Espero que tenha curtido a novidade!

The Verge: Materia Nigra por Luciano Salles
Deixe seu comentário aqui no blog, mostre esse post para um amigo ou compartilhe esse novo caminho nas minhas histórias em quadrinho.
Forte abraço.
Luciano Salles.

Olá, camarada, tudo bem?

Logo após o lançamento de L’Amour: 12 oz, no dia 05 de novembro, recebi um e-mail de Érico Assis, convidando para escrever um texto sobre a HQ em seu site A Pilha. Érico leu a revista e a partir de então, o convite.

É uma honra receber um convite assim. Érico é referência. O site é extremamente agradável e com muito conteúdo de qualidade. Desta forma, escrevi sobre ‘doze onças’ e acabei falando um pouco sobre a narrativa da HQ, ponto este que o camarada achou interessante.

Abaixo coloquei todo o texto mas convido para conhecer o site do A Pilha. É bem legal!

Aqui o link direto para A Pilha

“Por  em 17/11/2014
L’Amour: 12 oz. saiu recentemente como primeiro lançamento da Editora Mino. É o terceiro trabalho solo de Luciano Salles, que chamou atenção no ano passado com O Quarto Vivente.
Fora o estilo gráfico e o que entende de HQ, percebi que Salles gosta de colocar sua opinião sobre o mercado brasileiro de quadrinhos e envolve-se ativamente para fazer ele funcionar – não só pelo interesse próprio. Convidei-o a escrever um texto para A Pilha sobre sua HQ”.
Como exercício recordatório, L’Amour: 12 oz começou a se formar uns dois anos antes de eu esboçar qualquer roteiro. Era uma história que estava fragmentada. Eu já havia começado, entretando, a trabalhar no que viria a ser minha segunda HQ autoral e independente, O Quarto Vivente, lançada em junho de 2013.
Eis que chegou o momento de trazer L’Amour: 12 oz. do mundo imagético para o mundo dos papéis. Ou melhor, dos editores de texto. Era a hora de alinhar os fragmentos.
L'amour12Oz_Page 22_MAIOLO
“Doze onças” nada mais é que uma história de amor. Não exatamente daquele modo piegas (e que de forma alguma condeno). Ela conta a história de amor de um velho boxeador, que espera do tempo o peso que o próprio tempo possa lhe fornecer. São quatro personagens, e em momento algum sabemos seus nomes.
Outro detalhe que eu queria era pouco texto. Gosto de escrever histórias e meus roteiros podem ter até mais páginas que a própria HQ. Gosto tanto de escrever quanto de desenhar – esse é um dos motivos pelo qual amo os quadrinhos. Mas eu poderia usar pouco texto porque, com as imagens certas, meu intento seria cumprido.
Tinha que escrever uma história de um amor e sua relação com o tempo. Mas que tempo? Que tipo de tempo se insere em uma história de amor? Em uma sincera história de amor? Como o sentido termodinâmico do tempo age nesta hipótese? Com tantos questionamentos, tinha algo como certo, o tempo age e pesa de acordo com sua necessidade.
L'amour12Oz_Page 25_MAIOLO
E para resolver esses problemas, acreditei que a solução seria a narrativa. Esse foi um desafio que me fez feliz enquanto escrevia e posteriormente, desenhava os quadrinhos. Ficava contente com cada página pronta e finalizada.
Precisava escrever uma história linear. Exatamente cronológica com suas horas, minutos e segundos. E ao mesmo tempo, dentro desta história linear e pontuada, uma outra, que não obedeceria à cronologia do tempo, mas sim ao texto narrativo. Com o texto reduzido, sucinto, e os desenhos, ela precisava ser acima de tudo sintética. Eu não queria uma história longa, para além de 80 páginas, coisa e tal. E, camarada, se continuar a divagar a partir daqui, o que escrever poderá ser entendido com spoiler, o que não desejo.
Sempre comento por onde passo que um álbum em quadrinhos somente cumprirá sua função quando o leitor adquirir, ler e de alguma forma, além do entretenimento, alguma coisa ali o instigue. Um detalhe, uma cor, uma linha, uma palavra, algo que seja de certa forma, amável ao olhar do leitor. E defendo bravamente que nunca e jamais devemos subestimar o leitor. É com ele que o ciclo se fecha. E é com ele que deixo a esperança de uma segunda leitura, uma dúvida, um apontamento, uma crítica, ou mesmo, uma leitura de puro entretenimento.
capa L Amour 12oz