Posts

Olá. Tudo bem?

Se você já fez algum curso, oficina, aula ou mesmo participou de determinado bate-papo ou palestra comigo, com certeza me ouviu dizer para criar seu blog. Inclusive, pode ter me tomado por alienado ou qualquer outro adjetivo para lunático, quando enfatizei e agora reafirmo, que as redes sociais são efêmeras, seu tempo de vida estão contados. 
Meu avô materno, um franzino senhor extremamente carinhoso mas que podia explodir em fúria em poucos segundos, sempre me dizia que todo dia nasce um cavalo mais rápido que o seu. Eu o visitava todos os dias antes de ir para faculdade, depois antes de ir para meu estágio, depois antes de ir para o meu emprego até o dia em que ele quis e decidiu ir embora.

Resumindo o parágrafo anterior em dois itens:

– Todos os dias nasce alguém que desenha melhor do que você, escreve melhor do que você, colore melhor do que você, pensa melhor do que você, atua melhor do que você, tem um condicionamento melhor do que o seu, é mais rápido do que você, é mais forte do que você, mais sábio do que você, traduz melhor do que você, escala melhor do que você, é mais disciplinado do que você, enfim, o uso de tanto “você” foi proposital para lembrar que todo dia nasce um cavalo mais rápido que o seu.
– Tudo tem seu fim, seja ele desejado ou não.
Logo do ICQ que tanto usávamos nas madrugadas

Foram necessários dois parágrafos com dois itens para salientar que você deve criar o seu blog/site até mesmo pelo fato de que você não utiliza mais o ICQ ou o MSN, deve ter esquecido a senha do seu FOTOLOG, não deve utilizar o ORKUT ou o MYSPACE (que um dia já foi a rede mais popular do mundo). Da mesma forma, esse é o caminho do nosso Twitter, Instagram e do Facebook, que já apresenta os primeiros sinais de desgastes.

Como no começo do texto, você pode me considerar um tresloucado em sugerir que o Facebook vai acabar. Não estou sugerindo, estou afirmando. 
Ao montar o seu blog, você tem o controle das publicações, divulgações, atualizações, seguidores, visitantes diários (orgânicos ou não) e tantas outras vantagens que acredito que posso enumerar em alguns tópicos. Em alguns casos, para ilustrar, vou utilizar exemplos com imagens do meu próprio blog.
01. Você tem o controle da aparência de como quer seu blog;
02. Suas publicações serão somente sobre o seu trabalho;
03. De acordo com o item 02 e atualizando constantemente seu blog, você criará um portfólio de seu trabalho, o que é excelente! Ivan Freitas da Costa, um dos detentores da marca Comic Con Experience, enfatizou isso no “Manual de inscrição” (veja imagem abaixo) para os artistas que almejavam uma mesa no Artists’ Alley.

Trecho recortado do manual de inscrição para o Artists’ Alley da Comic Con Experience
04. Com o tempo você pode utilizar seu blog para colocar link de site ou blog de camaradas que admira. Ou seja, fazer a troca de links é sempre um excelente negócio.
05. Faça a troca de links com artistas que você considera do mesmo patamar que você. Não se atreva a enviar uma mensagem ao Bill Sienkiewicz sugerindo uma troca de links, ok?
Período contabilizado entre 13/07/2018 13:00 – 20/07/2018 12:00
06. O resultado de visitas em seu blog não será imediato. Com atualizações de qualidade, o endereço receberá visitas e as pessoas começarão a acessá-lo diretamente, ou seja, terão o endereço do seu blog no favoritos ou  digitarão a URL para verificar se existem novas postagens.
Ilustro com uma imagem a esquerda com os dados de acessos ao meu dimensaolimbo.com 
07. Ainda de acordo com o item 06 e com a imagem ao lado, comecei o meu blog em 2012 e, desde então, me proponho a ter entre 6 (seis) a 8 (oito) atualizações mensais. Essas atualizações contemplam tudo o que estou fazendo, produzindo, por onde estarei, se fui convidado para algum evento, textos sobre eventos que participei, textos com dicas que acredito que possam ajudar um quadrinista iniciante (assim como eu) e o que mais achar relevante e tenha um bom conteúdo para ser apresentado.
08. Seu blog pode acolher sua loja online, onde poderá vender seus quadrinhos, prints, desenhos originais, com simples botões do PayPal ou qualquer outra forma de venda. Veja que neste caso e em todo post estou me referindo a quadrinistas mas o mesmo vale para fotógrafos, roteiristas, arte-finalistas, artistas plásticos ou qual seja a especificidade do seu trabalho.

Número de visualizações do blog dimensaolimbo.com
dentro do período especificado

09. A inserção de marcas parceiras também é algo excelente de ser trabalhado. Sempre que estou em um evento de quadrinhos, vou com apoio cultural de algumas *empresas parceiras. Como uma das contrapartidas, é oferecido um botão com a logomarca da empresa a ser inserido no blog que redireciona o visitante para o site ou endereço eletrônico que o empreendimento parceiro desejar. No meu caso, tenho oito empresas que me apoiam culturalmente e todas tem seu exclusivo botão no blog.

*Na imagem ao lado, os números comprovados ajudam a conseguir empresas parceiras para os apoios culturais.

10. Se você se propõe a ter um blog, abra o jogo. Se aprendeu algo incrível, divulgue. Pode ser que muitos ainda não sabem dessa “novidade” que acabou de aprender e conhecimento existe para ser compartilhado.

11. Sempre atualize seu blog para então compartilhar a postagem para suas redes sociais. Constantemente nesta direção e jamais pelo caminho inverso.

12. Habilite um espaço para os leitores do seu blog deixar comentários e jamais deixe de responder a eles ou alguém.

Arquivo do meu blog
dimensaolimbo.com

13. Sua história como artista estará ali, cravada, sincronizada e seu crescimento como quadrinista ficará **cronologicamente registrado. Penso que isso seja o melhor em ter constância, capricho e zelo pelas postagens do seu blog.

**Aprenda a fazer o backup do seu blog e crie um dia do mês para fazer esse download.

Poderia escrever outras inúmeras dicas sobre os benefícios que um quadrinista (ou artista) tem em manter seu blog mas devo parar por aqui afinal, a internet te obriga e se você ceder, achará que esse é um texto longo demais para perder seu tempo para lê-lo inteiro.

Se de alguma forma, uma única linha do que escrevi tenha lhe despertado algo de bom, esse post já cumpriu sua função.

Grande abraço.

Luciano Salles.

Quadro de Limiar: Dark Matter por Luciano Salles e cores por
Marcelo Maiolo.
Olá, tudo bem?
Em 2015, escrevi um post entitulado: 21 dicas para um(a) quadrinista independente. Hoje, ainda recebo mensagens através do meu Twitter, Facebook ou, diretamente por aqui, perguntando como procedo em diversos aspectos no tocante aos quadrinhos, vendas, administração de tempo, traço, roteiro e outros temas e dúvidas.

Enquanto matutava em escrever esse novo post, pensei muito se isso poderia soar como algum tipo de autoajuda ou frações de similaridades.

Não, não é autoajuda. Não serão peças ou itens que solucionarão suas ânsias mas podem, de certa forma, trazer certa tranquilidade e até alguma orientação. Não será um kit de soluções rápidas de problemas mas penso que para alguns poderá trazer um alento, um entendimento, um suporte ou um “estalo”. 
E por qual motivo digo isso? Pois o que eu sinto é diferente do que você sente, a energia que eu tenho para realizar algo é diferente da sua, o tanto que demoro para atingir o meu nível de cansaço é diferente do seu, o horário que preciso dormir é diferente do seu e a quantidade de horas de sono também. Assim como a capacidade de ficar focado em cima de um trabalho, tudo sempre será diferente para qualquer outra pessoa além de você.
Entendido e fechado este acordo, vamos lá:
01. Tenha ciência de que sendo um(a) quadrinista autoral e independente, você não vai viver ou sobreviver das vendas unitárias de sua(s) revista(s). Isso tem que ser algo claro, cristalino e extremamente bem resolvido em sua cabeça.
02. Tente produzir e manter certa regularidade na produção das suas HQs. O motivo deste item é que com material novo, você poderá ir aos mais diversos eventos de quadrinhos e, pelo menos uma vez ao ano, apresentar um trabalho inédito. Isso além de alavancar suas vendas, contribui para vender também suas HQs anteriores.
03. Utilize seus quadrinhos também como ferramenta que impulsione outros negócios. A contradição do item 01 para com item 02 é justa e aceitável: Se não vou sobreviver das vendas da minhas revistas, porquê tenho que produzi-las? Por experiência, um(a) quadrinista autoral, deve usar suas publicações também como uma ferramenta que impulsione outros meios de rentabilizar sua proposta de vida. Através de seus álbuns em quadrinhos, você pode direcionar outras atividades como bate-papos, commissions ou encomendas de arte original, palestras e oficinas, que agregarão condições de novas rentabilidades.
04. Se você é o(a) desenhista das suas próprias histórias, é hora que se disponibilizar para trabalhos de ilustração esporádicos ou freelancer. Um atalho não existe. Você terá que desenhar, desenhar, desenhar e entrar em contato com os ambientes que possam demandar ilustrações. Revistas, jornais e sites. Aqui as possibilidades são inúmeras e lembre-se que as vendas unitárias das seus quadrinhos não irão quitar seus boletos.
05. Não idealize que seu trabalho será consagrado por outros quadrinistas. Não sonhe ou imagine que uma “Elis Regina” consagrará sua música. Confie no seu quadrinho e trabalhe no esquema mais punk possível: “Do it yourself” ou “faça você mesmo”.
06. Entenda que o tempo está a seu favor. A famosa desculpa do tempo. Para entender essa frase é sabido a necessidade de entender o critério de tempo e neste ponto, o problema é bem mais confuso. Por exemplo, se você pensar que nada é eterno, então o tempo, como conhecemos, não existe. Tudo somente é. Entretanto, os segundos foram impostos e assim vivemos em prol dos tique-taques.
Desta forma, se você estiver bem disposto e feliz com a história que está desenhando, em qualquer momento que você se voltar para esse trabalho, o tempo está a seu favor. Concluindo: se o tempo, por mínimo que seja, está a seu favor, faça valer cada instante.
06.01. Trabalhe com todas e quaisquer redes sociais fechadas. Encerre, não acione, bloqueie, não logue, silencie e não deixe o celular por perto vibrando sem parar. Assim você perceberá novamente como o tempo estará inteiramente ao seu lado.
07. Antes de começar a desenhar, fazer suas cores ou escrever seu roteiro, pare por alguns minutos. Como enfatizei desde o começo do post, isso funciona pra mim. Lembre-se que somos diferentes. O fato de eu ficar 5, 10 ou 20 minutos parado, sem fazer nada, me ajuda a aliviar alguns pensamentos que não me auxiliarão em nada no trabalho.
08. Não se prenda a nenhuma escolha, escola, forma ou estética imposta. Entendo o conforto em produzir algo que está em alta, que está sendo feito e dando certo, em usar cores ou efeitos que estão “na moda”. Entretanto, nada disso garante que seu quadrinho também será bem aceito.
Ser livre é extremamente difícil. O fato de ser livre e com autonomia para fazer o que deve ser feito implica em arcar com as responsabilidades desta escolha. Isso é angustiante. Aliás a angústia me parece ser necessária para uma sincera criação.
09. Faça seu quadrinho com o melhor que você pode oferecer. Já que vai fazer, faça da melhor forma possível! Com excelência e honrando todo prazo e acordo.
10. Nunca trabalhe de graça. Na dúvida em quanto cobrar por um trabalho, não hesite em perguntar para um colega.
11. Não desenhe no anseio de likes, retuítes ou qualquer outra forma de consolo virtual. Se estiver afim de fazer algum desenho, seja por motivo político, homenagem, contestação ou até uma fã arte, faça pelo ato e pelo processo. Obrigar-se a desenhar algo somente pelo fato do assunto estar em alta, sendo muito discutido, apenas te faz obrigado a reagir de acordo com o que está produzindo  algum tipo de efusão no meio. Ser voluntariamente obrigado a algo é extremamente desnecessário.

12. Não protele.

Termino por aqui. Seu comentário é sempre bem vindo e assim que puder responderei.

Um abraço.

Luciano Salles.

Olá camarada, tudo bem?
No dia 02 de Julho de 2015, publiquei aqui no blog a postagem 21 dicas para um(a) quadrinista independente. Agora, um ano e alguns dias depois, decidi criar uma nova lista chamada de 10 dicas: onde está o meu traço? ou mesmo estilo de desenho.
A ideia deste post veio após o curso de férias que coordenei na Quanta Academia de Artes em São Paulo. O curso foi chamado de Entenda seu estilo de desenho e narrativa e gostei demais do resultado obtido com a turma.
O tema estilo de desenho ou traço é totalmente subjetivo e tudo o que escrever aqui pode servir 100% para você ou pode, absolutamente, servir em nada. Por isso chamei novamente de dicas. Dicas podem servir ou não, simples assim. Desta forma aproveite o que lhe for conveniente e descarte o resto.
Tudo o que escrevi vieram de testes e sentimentos vividos por mim nesses quatros anos que trabalho somente com quadrinhos e ilustração.
Então vamos para as 10 dicas: onde está meu traço?
01. Preciso deixar claro que não existe uma fórmula para potencializar seu estilo de desenho ou o que muitos chamam de traço. 
02. A prática de desenhos diários e de pensamentos ideais conduzem ao aprimoramento do seu desenho. Ou seja, desenhe todos os dias, nos horários que lhe forem condizentes e tenha sempre pensamentos a longo prazo, com a consciência de onde está e onde deseja chegar.
03. Com a aplicação do habito diário de desenhos e maturidade, seu desenho com certeza vai melhorar muito. Pode ainda não dar uma direção ou entendimento de onde está seu traço mas garanto uma melhora incrível nos desenhos.
04. Aqui uma dica muito pessoal: uma sensação boa, de prazer e satisfação com o resultado final de um desenho, pode ser um excelente sinal no caminho para seu estilo. Esteja atento a tudo.
05. Tenha um artista que você admira e que queria desenhar tão bem ou mesmo igual a ele. Com certeza seu desenho nunca vai ficar igual ao dele (e nem é esse o motivo!) mas ter um ícone, uma meta de onde se quer chegar se faz necessário dentro da sua busca. 
06. Ainda bem ligado ao item anterior (item 05), confie em sua intuição e seja honesto com você mesmo. Digo isso pois não há certo ou errado em se desenhar. Deixe sua intuição aliada com sua satisfação determinarem sua trilha em busca do seu traço.
07. Há muitos tutorias na internet com vídeos de como aprimorar seu traço ou desenho. Todos os que assisti são técnicos, com exercícios de como soltar a mão, como fazer linhas, círculos, como posicionar a mão, o braço e um monte de coisas.
Tudo pode ser válido mas eu, particularmente, não concordo. Aceito sempre que, o que for melhor e mais confortável para o desempenho do seu desenho, deve ser usado. Cada um segura o lápis de uma forma e nenhuma é errada. 
08. Entenda que o processo para se chegar ao seu estilo de desenho não será rápido e assim, pense a médio e longo prazo. 
Por exemplo, o desenho do mestre Frank Miller nas histórias do Demolidor. É notável o incrível traço do Miller nas histórias do Daredevil mas você percebe como um mesmo traço foi se moldando durante o passar do tempo? Não há como dizer em que época ou onde o desenho estava melhor e sim que aquele desenho era um Frank Miller. 
Desta forma, controle sua ansiedade (ver item 09) e de um passo de cada vez.
09. Hoje vivemos imersos em um turbilhão de informações. Esse rebuliço de informações que você agrega não te confere conhecimento. Assim como esse conhecimento não te brindará com algum tipo de inteligência a se destacar. E essa mesma inteligência não vai te trazer uma natural sabedoria.
Percebeu onde quero chegar? Esse nível absurdo de conteúdo só fará mal, trará demasiada ansiedade e angústia. Aliás, essa dupla “ansiedade e angustia” aliadas, são essenciais para minar com seu potencial criativo.
10. Novamente algo bem pessoal e muito difícil de se conseguir. Para criar (e chegar ao seu traço e estilo de desenho) é necessário aliviar todos e quaisquer pensamentos que possam interferir em seu caminho. 
Como disse, esse é um assunto subjetivo. Do mesmo jeito que eu gosto mais do lado B, você pode gostar mais do lado A. Esse fato não impede em nada que sua busca seja a mesma que a minha ou até similar em algumas partes.
Espero que de alguma forma essa lista tenha contribuído para uma futura melhoria nos seus desenhos e que sua assinatura seja substituída somente pelo seu traço. Deixe suas dúvidas, sugestões ou mesmo o que achou dessas 10 dicas no espaço para os comentários. Tenha a certeza que responderei.
Um abraço!
Luciano Salles.
Teaser da minha terceira HQ independente
Limiar: Dark Matter
Olá camarada, tudo certo?
Faz três anos e três meses que vivo somente pelos quadrinhos. Durante este curto período de tempo produzindo minhas HQ percebi alguns detalhes que funcionavam legal para o meu trabalho.
Somado a isso, nos últimos seis meses tenho recebido alguns e-mails e mensagens de outros autores iniciantes – assim como eu – procurando tirar algumas dúvidas em relação a divulgação, precificação, roteiro, ideias, festivais de quadrinhos e muitas outras questões pertinentes.
Foi exatamente desta forma que se originou a ideia para essa postagem. Fiz a segunda parte chamada + 12 dicas para um quadrinista independente e você pode conferir neste link.
Um detalhe que gostaria de destacar é que estas dicas funcionaram e ainda funcionam para mim e assim, podem não ser necessariamente útil para seu método de trabalho. Pode até parecer pretensão mas como acredito muito no famoso
Capa da minha segunda HQ independente
O Quarto Vivente
jargão punk do it yourself, sinto que devo passar adiante para você que está começando nesta labuta tão prazeirosa que é fazer quadrinhos.
Espero que de alguma forma qualquer uma destas dicas possam te auxiliar. Muito bem, vamos ao que interessa!
Minhas 21 dicas para um quadrinista independente.

01. Para que você produza sua HQ é necessário antes de tudo gostar de quadrinho. Mas um(a) quadrinista que só lê HQ não vai produzir algo muito diferente do que já se espera. Procure ler de tudo, assista a filmes, séries, pesquise a fundo um assunto que te interessa. Seja curioso. Seja observador.
02. Sua primeira HQ deve ser curta. De dez a vinte páginas está ótimo!
Capa da minha primeira HQ independente
Luzcia, a Dona do Boteco
Leia online aqui
03. Com a ideia na cabeça, escreva todo roteiro da sua HQ para somente então começar a desenhar. Esse é um ponto primordial! Trate bem o roteiro. O desenhos das páginas ficarão mais simples de serem executados e darão menos dor de cabeça com um bom roteiro dissecando todos os quadros e páginas.
04. Com o roteiro pronto é hora de sentar e começar a desenhar. Seja paciente e desenhe. Não desanime e desenhe. Seja persistente e desenhe, desenhe e desenhe.
05. Agora já com as páginas prontas, revise o texto do seu quadrinho. Peça para pessoas de sua confiança ler sua HQ para ver se nenhum erro passou batido. Erros de português são sempre notados, apontados e podem desmerecer todo seu trabalho.
06. Com sua revista impressa, envie sua HQ para sites especializados em quadrinhos para uma possível resenha. Sites com o Pipoca e Nanquim e Universo HQ são excelentes meios para saber como seu quadrinho pode ser recebido por um possível leitor.
07. Monte um blog para concentrar seu trabalho e por onde possa vender online sua HQ. Mantenha uma regularidade nas atualizações deste blog. Esse item é de suma importância!
08. Use as redes sociais para divulgar seu trabalho em quadrinhos sempre embasado pelo seu blog. As redes sociais tem seu tempo de maturação e inevitavelmente são substituídas. Assim não dependa exclusivamente delas para divulgar seu quadrinho. Digo que as redes sociais tem seu tempo de vida pois tenho certeza que você não usa mais o ICQ, o Fotolog ou Orkut, certo? Assim, de ênfase ao seu blog.
09. Quando for enviar sua HQ via Correios, faça um bom pacote com plástico bolha e se necessário um papelão para dar firmeza ao pacote. Afinal, quando você recebe uma revista que comprou via Correios não gosta de nenhum amassado. Cuide para que a sua HQ chegue intacta ao destino final.
10. Envie sua revista via Correios através de uma Carta Registrada – Módico. O custo é menor por se trata de literatura e você terá o número de rastreio da encomenda para acompanhar o andamento do envio.
11. Como você tem o número de rastreio do envio da sua HQ, acompanhe o pedido através do site dos Correios para ver quando a mesma for entregue. Envie um e-mail perguntando ao destinatário se o pacote foi suficiente para toda viagem. Isso não custa nada, vai tomar 5 minutos do seu dia e você vai parametrizar se o seu pacote está legal o suficiente para toda truculenta viagem e transporte que sua revista enfrentará.
12. Vá para os Festivais de Quadrinhos pois é ali que tudo e todos vão se concentrar. Ali estarão os quadrinistas, roteiristas, desenhistas, ilustradores, editoras, editores e o publico consumidor. FIQ, CCXP e Gibicon são excelente exemplos de festivais onde seu trabalho pode ser muito bem difundido e divulgado.
13. Entenda que sua HQ é um produto de entretenimento e que estando em um Festival de Quadrinhos você vai ter que vender esse produto. Seja agradável na venda.
14. Saiba em poucas palavras contar sobre o que se trata seu gibi.
15. Tenha uma periodicidade na produção dos seus quadrinhos. Uma HQ a cada ano e meio está de bom tamanho.
16. Quando receber um e-mail, mensagem ou qualquer forma de contato de um leitor, responda. Separe um horário e alguns minutos do seu dia para isso. Isso é extremamente recompensador para você autor e para quem enviou o e-mail e aguarda uma resposta.
17. Para chegar no valor de venda da sua revista tenha em mente o custo unitário vindo diretamente da gráfica, as taxas percentuais sobre as vendas que o PayPal ou qualquer outra ferramenta de venda online cobra. Não se esqueça das taxas percentuais das máquinas de cartão de crédito e débito. Entenda que a revista tem que se pagar com pelo menos metade da tiragem vendida.
18. Confie no seu trabalho. Acredite na sua história, no seu traço (se você também for desenhista) e na sua história em quadrinhos com um produto final.
19. Não balize ou parametrize seu trabalho pelo o que estiver sendo bem aceito pelo mercado. Se fizer desta forma seu trabalho será apenas um genérico do que já existe. Faça o que acredita que deve ser feito e da forma que deve ser feito. Conte a história que deseja mostrar ao público leitor. Entenda que seu trabalho é um trabalho único.
20. Aceite que o início é sempre lento e aproveite para aprender com cada crítica, resenha e comentário que receber sobre sua HQ.
21. Por último e não menos importante: jamais subestime o leitor.

Luciano Salles.

Olá camarada, tudo certo?

Uma das coisas mais importantes como quadrinista independente é ir aos eventos de quadrinhos. Como moro no interior do estado de São Paulo, priorizo os

maiores eventos pela questão do custo/benefício.

Ainda este ano vou para o FIQ (Festival Internacional de Quadrinhos) e para a Comic Con Experience. Como o intuito é divulgar e vender

meus quadrinhos, os custos com hotel, alimentação e viagem não podem tirar todo o lucro das vendas pois ainda existe a despesa da gráfica para cobrir. Desta forma, eu sempre procuro apoio cultural para essas despesas extras.

Ainda não tenho 100% das despesas extras suportadas com apoio cultural mas boa parte delas sim.
Com o apoio da Mondrian Ambiente e World Game para a CCXP e da Aliança Francesa Araraquara e World Game para o FIQ, as coisas ficam realmente muito mais fácil.

Como fui convidado para o 21º Fest Comix essas despesas não existem e assim é sempre torcer para rolar um convite para os eventos!

Grande abraço!

Luciano Salles.