Lançamento de Grand Prix Metanoia na Mondrian Ambiente

LANÇAMENTO DE GRAND PRIX METANOIA
Cheguei da Comic Con Experience (CCXP) na segunda-feira, às 21h, descansei um dia, fiz a ilustração da Folha de S.Paulo e comecei os preparatórios para fazer o lançamento da minha nova história em quadrinhos, em Araraquara. Como sempre enfatizo, a Mondrian Ambiente é minha apoiadora cultural para festivais de quadrinhos e como uma das contrapartidas, faço sempre o evento de lançamento das minhas novas HQ ali.

Além da contrapartida, a Mondrian é um local extremamente agradável, com uma cafeteria divina e muitas coisas realmente deliciosas que te convidam a passar ali, algumas boas horas de um dia. Para muito além disso, a Teresa e a Bela – proprietárias do local –, me acolheram desde que decidi viver pela minha arte ou seja, viver pelos quadrinhos.

Mesmo já tendo vendido metade de tiragem com o financiamento coletivo pelo Catarse e com a CCXP, o evento. Muitos amigos e amigas compareceram, e mesmo que já tivessem o gibi, passaram a tarde comigo, tomando vinho, trocando conversas com outros e outras. Enfim, foi um sábado extremamente agradável.

ILUSTRAÇÃO PARA A REVISTA LACUNA
Não me recordo a data em que fui convidado para fazer uma ilustração para a revista online de psicanálise, LACUNA. Sabia que entrariam em contato novamente para me avisar da data que deveria entregar o desenho.

Ilustração para a revista LACUNA por Luciano Salles

A proposta, desde o início, foi de uma ilustração onde eu representasse o significado da psicanálise para mim.

Bem, a coluna que ilustro na Folha de S.Paulo é escrita pelo Contardo Calligaris, psicanalista radicado no Brasil há mais de 20 anos. Contardo é italiano.

Além de ler e me interessar por algumas coisas dentro dessa vertente clínica, esses foram meus poucos contatos com a matéria em si.

Meu psiquiatra, que cuida de mim há 7 anos, já pediu várias vezes para eu fazer terapia, em especial com a citada. Não fiz; Ainda. Entretanto, fiz a ilustração (intitulada “Encharcô”) que foi contratada, dentro da proposta e do que entendo sobre.

Deixe seu comentário.

Um abraço.

Luciano Salles.

Visão da sacada do hotel que fico hospedado, graças ao apoio cultural da escola PUERI DOMUS de Araraquara. Esse é um local bem perto perto do evento, o que facilita muito meu rápido para uma confortável noite, repouso e o preparo para os dias de muito trabalho na Comic Con Experience.
Presente de valor inestimável que ganhei do amigo Ivan.
Encontro com Frank Quitely. Foto pela minha esposa, Lilian Penteado.

Por onde começar?

Gostaria de conseguir escrever como um ensaio, mas como não tenho essa capacidade, farei dessa forma. Aliás, a palavra “forma” virá bem a calhar para o começo desse texto.

Na engenharia, usamos uma forma (leia-se fôrma) para que o concreto, ainda líquido, na betoneira que gira e gira para não perder seu tempo de cura, seja despejado nesta forma que vai determinar os caminhos que a massa deve preencher para atingir o desenho final da viga, pilar, laje, ou o que quer que a estrutura e formato da forma lhe proponha.

Como o concreto ainda liquido em uma forma, precisamos nos moldar aos eventos, as suas peculiaridades e todas as demais variáveis e congruências apresentadas. Entretanto, pense em um evento de quadrinhos como a vida (que metáfora infeliz); viver é lidar com dilemas, angústias, acertos, preocupações financeira, se ajustar ao novo emprego, a um remédio ou o quer que seja. Viver é se adaptar as vontades do mundo, independente do que queira.

“Nossa, achei que seria um post sobre a CCXP 2019?”

Será a partir de agora; o evento foi incrível – claro que pra mim –, afinal esse é meu blog e vou discorrer sobre meus dias na convenção.

Participo da CCXP desde a primeira edição e lá, em 2014, não fazia ideia do que viria a ser tudo aquilo. Se bem me lembro, a primeira não deve ter ocupado 1/3 do pavilhão do SP EXPO, é já era algo praticamente surreal. Em 2019, 5 anos após a primeira edição, vendi todos os 200 exemplares do meu lançamento Grand Prix Metanoia, e que acabaram logo no domingo pela manhã. Vendi também alguns exemplares dos meus quadrinhos antigos, mas bem menos, afinal as tiragens estão se esgotando e isso indica que o alcance desses trabalhos chegou onde tinha de chegar.

Li muitas críticas ao Artists’ Alley publicadas por alguns e algumas quadrinistas em suas contas do Twitter ou Facebook. Penso que estar na CCXP, especialmente no lindo e aconchegante espaço reservado aos artistas, não tem nada haver com vínculos empregatícios, CLT, obrigatoriedades dos organizadores e tantas outras coisas que vi, li e agora me exponho.

Sou um expositor que foi selecionado para ter a oportunidade de alugar uma mesa do evento para vender minha produção de quadrinhos, prints, fazer sketchcovers e sketches. Depois dos 5 (cinco) dias de evento, tenho a obrigação de devolver a mesa com as mesmas condições que encontrei (vide informações no manual do expositor), entretanto com uma grande diferença: com algum dinheiro no bolso, além de ter feito novos contatos (cada vez menos pois não tenho conseguido sair da mesa), encontrando amigos (cada vez menos pelo mesmo motivo), colegas, camaradas que sempre passam pelo cantinho para prestigiar meu trabalho e sempre ver se tenho algo novo.

Confessemos: neste aspecto, a CCXP é imbatível.

Poderia terminar meu post por aqui, mas agora vem a parte da sala VIP. Ah, a sala VIP, quem me dera tê-la todos dos dias do evento. Foi bom enquanto durou, mesmo que por engano, foi bom, afinal tudo tem um fim, assim como a vida (novamente uso a infeliz comparação).

Como preciso de regras para ficar mentalmente bem em em eventos, usava a sala VIP três vezes ao dia:

1. Logo que chegava: ali tomava um café, sentava, refletia como seria meu dia, definia uma meta aproximada de vendas, respirava fundo e descia para começar a trabalhar;
2. Próximo das 15h: era hora de comer uns dois ou três lanches, tomar um copo de água, novamente um copinho de café e sentava por alguns minutos naquele oásis de silêncio. Eram de 10 a 15 minutos que me recarregavam para voltar para a mesa;
3. Próximo das 19h: O mesmo ritual da minha segunda visita, porém sem o café, mas com suco. Dois copos.

Nesta mesma sala VIP tive a oportunidade de, logo no primeiro uso do dia, encontrar o Frank Quitely junto de seus dois filhos. Neste dia minha esposa chegou para me ajudar no evento então estávamos somente nós quatro na sala. Tomei um café, falei para minha esposa quem era o camarada, até que, antes de sair, decidir tentar conversar com ele. Geralmente, em 99% desses furtivos encontros, não costumo fazer isso por timidez, para reservar a privacidade do artista que não estava ali para atender um admirador, mas passando alguns momentos com os filhos e também, por não ter esse hábito.

Mas enfim, fui. O Frank Quitely foi extremamente atencioso assim como seus filhos. Meu inglês, que não é fluente, mas razoável para aquele tipo de encontro, deu uma bela travada por conta mesmo da minha timidez exagerada. Sei que para muitos posso não parecer tímido, mas realmente sou e isso é algo que preciso trabalhar pois sei que, por vezes, perco oportunidades por essa peculiaridade.

A Comic Con Experience é isso. Uma convenção gigantesca, onde o local reservado para os artistas tem destaque no mapa e planta baixa, com um valor de aluguel de mesa adequado e compatível para os 5 dias de eventos (contado com a Spoiler Night), pois, se fizer uma divisão simples, perceberá que o aluguel da mesa fica em R$ 180,00 por dia. Aliás, devo destacar que para esse valor conto com o apoio cultural da Mondrian Ambiente, aqui de Araraquara.

É um evento extremamente cansativo? Sim, muito, mas e aí, né? Se eu trabalhasse como segurança da CCXP, seria cansativo, como alguém do staff? Cansativo. Se apenas fosse visitar a convenção durante, pelo menos, dois dias, seria estafante.

Como já tive empregos com carteira registrada, dentro da CLT, com benefícios e gratificações, entendo onde estou e sempre que alguma coisa me derruba, ou pensamentos negativos me atropelam, me deixam triste ou mesmo, insatisfeito com o que faço, auto proponho um exercício de relembrar que antes e – reforço – para mim, meu trabalho passado era muito mais sofrido.

Aproveito o ensejo para agradecer aos apoiadores culturais que propiciam minha ida para a CCXP e que são a escola PUERI DOMUS Araraquara e a Mondrian Ambiente. Muito obrigado a minha inestimável professora de língua portuguesa, Mônica e a querida amiga Teresa.

É praticamente certo que em 2020 uma nova CCXP se instalará e tentarei estar entre os artistas que compõem o Artists’ Alley. Se conseguirei? Ainda não sei, mas sempre tento, afinal, a vida só tem sentido quando eu instauro isso para ela.

Neste momento, sou um artista que faz histórias em quadrinhos e ilustrações. Até quando? Juro que não preocupo com isso.

Um abraço.

Luciano Salles.

Grand Prix Metanoia, a nova HQ de Luciano Salles

Como é bom receber sua nova HQ e ver o trabalho impresso, exatamente como desde o início, foi imaginado no trabalho de cada página escrita, desenhada e pensada.

Enfim, logo às 12h, na hora do almoço, o interfone tocou e o motorista respondeu ao meu “pois, não”:

“Vim entregar umas revistas”.

Ao abrir o caminhão, a cor da capa se destacou! O amarelo ficou precisamente como queria, vibrante para além do ouro, quase chegando a gema de ovo. A revista tinha que ter essa cor e vê-la no computador, viva pela luz da tela, geralmente causa certo desapontamento quando o material é impresso.

Na contra-capa do quadrinho existem três pequenos textos. O primeiro blurb (como é mais conhecido esses curtos textos), é do amigo e quadrinista Orlandeli, seguido pelo colega de trabalho e coluna na Folha de S.Paulo, Contardo Calligaris.

Por fim, o encerramento dos textos vem com Greg Stella, amigo, quadrinista e roteirista extremamente talentoso (das últimas coisas nacionais que li, o Greg me deixa com o queijo caído!).

Sendo assim, começo a assinar todos os exemplares de GP Metanoia e estou com o cronograma adiantado em uma semana em relação a programação que fiz para todas as etapas do financiamento coletivo.

Acredito que em uma semana (e no dia 14/11/2019), consiga despachar todas as recompensas (com rastreamento, seguro e muito bem embaladas) pelos Correios.

Como sempre enfatizo, o apoiador de uma campanha de financiamento sempre tem a preferência em receber o trabalho apoiado antes do lançamento oficial. Se estou em mais uma Comic Con Experience é por contar com o apoio cultural e patrocínio da escola Pueri Domus Araraquara e da Mondrian Ambiente (muito obrigado, Mônica e Teresa, respectivamente).

Muito obrigado pelo seu apoio ao Catarse de Grand Prix Metanoia, que terá o lançamento na CCXP 2019.

Grande abraço.

Luciano Salles.

Oficina no SESC Araraquara

No próximo sábado, dia 26/10/2019, às 10h, coordeno uma oficina de desenho no SESC Araraquara. O encontro terá duração de quatro horas com muitos exercícios práticos para treinar o olhar, a observação, a liberdade artística e procurar por novas percepções.

A oficina tem apenas 15 vagas (garanta a sua vaga!), idade mínima de 16 anos e não é preciso levar material de desenho, entretanto se preferir trabalhar com seu material, fique a vontade.

Ainda no mesmo sábado, porém às 19h, participo de uma mesa redonda que abordará o tema: “o engajamento como necessidade na literatura”, dentro da Jornada Literária de Araraquara.

A Semana Municipal de Incentivo à Leitura & Jornada Literária de Araraquara acontece de 25 a 28 de outubro no Museu Ferroviário “Francisco Aureliano de Araújo”. Haverá feira de livros, oficinas, bate-papos com escritores, saraus, leituras públicas, troca de ideias, de experiências, programação infantil, exposições, espetáculos cênicos & musicais e comedoria. Toda a programação é pública, gratuita e realizada pela da Secretaria Municipal de Cultura de Araraquara e Fundart.

Espero você na oficina e no bate-papo.

Um abraço!

Luciano Salles

Capa de Grand Prix Metanoia, a nova HQ de Luciano Salles

Não atingi a meta dos 100% pretendidos em minha campanha no Catarse para financiar minha nova HQ.

Desde o momento que decide criar Grand Prix Metanoia, sabia que queria publicar através de financiamento coletivo, e que teria que optar pela opção “FLEX”, opção oferecida pela plataforma. Neste modo, o que for arrecadado será enviado para o proponente do projeto, descontado os 13% cobrados pelo site.

E por que eu sabia que teria que ser pela opção “FLEX”?

A revista tem o preço de venda de R$ 15,00 e esse valor é relativamente baixo (hoje em dia) perto de algumas publicações. Partir atingir a meta que propus, teria que ter muitos apoios devido a valor da revista, entretanto é sabido que muitos estão desempregados, e tomando por base o número de apoiadores da minha primeira campanha com EUDAIMONIA, fiz alguns cálculos e cheguei bem próximo aos número de apoiadores nesta nova empreitada.

Supunha que teria 83% de apoiadores com base nos 320 que financiaram EUDAIMONIA; com Grand Prix Metanoia tive 259 apoiadores, equivalente a 80% da campanha anterior.

Do montante pretendido, e com alguns boletos ainda para serem contabilizados, chegarei (se esses boletos forem compensados) em 98,65% da meta. Claro que queria ter batido a meta, superado em 20, 30, 50% do valor do projeto, mas não aconteceu, o que me leva a inúmeras reflexões sobre meu trabalho, ao alcance da minha obra e ao tempo e modo como vivemos.

Agradeço a cada apoio que recebi nesta nova campanha e agora só estou esperando os 4 dias úteis para a plataforma fechar os valores, e assim ter os exatos nomes dos colaboradores para inserir na revista e enviar para gráfica. Esses dias de salmoura são os piores pra mim!

A revista está linda, estou muito satisfeito com o resultado da história e por conseguir fazer uma revista de 24 páginas por R$15,00. Queria chegar em R$ 10,00, mas os custos gráficos e dos Correios não permitiram.

Espero que esteja ansioso e ansiosa para ter seu exemplar de Grand Prix Metanoia. Se tudo estiver dentro do cronograma, todas as recompensas serão enviadas uma semana antes da Comic Con Experience (CCXP), onde será o lançamento oficial do quadrinho.

E por falar em CCXP, só consigo ir para o evento devido ao apoio cultural do Colégio Pueri Domus (muito obrigado a minha querida professora Mônica) e da Mondrian Ambiente (muito obrigado a Teresa, uma alma que se alimenta de arte e que hoje tenho o privilégio de ter sua amizade e carinho). São duas mulheres realmente especiais que entendem minha proposta como artista e fazem, de bom grado e com um coração sem tamanho, esses apoios.

Um abraço.

Luciano Salles.

Hoje, às 14h, começou a campanha para o financiamento coletivo da minha nova HQ, Grand Prix METANOIA. Esse é meu segundo projeto na plataforma do Catarse e convido você para saber do que se trata o quadrinho, conhecer as recompensas e fazer parte do grupo de apoiadores!

GP METANOIA é minha sexta história em quadrinhos e a encaro com um recomeço. Eu sempre preciso de recomeços.

A revista tem como sinopse: “em um deserto de areia e sal, uma corrida entre dois pilotos irá para além de suas habilidades e da desejada bandeirada final, transcendendo de forma dura e questionadora a realidade entre eles”.

O álbum traz uma história curta e toda HQ terá 24 páginas. Será impressa no formato americano (17 x 26 cm), com o miolo em papel polén bold LD 90g/m², em preto e branco com tons de cinza, e capa colorida em papel TRIPLEX 300g/m². A intenção é que a revista tenha um preço acessível para (praticamente), todos.

Algo que preciso reforçar é que o prazo da campanha será de apenas 20 dias! Começou em 26/09/2019 e irá até dia 15/10/2019. Sendo assim, o quanto antes puder fazer seu apoio, melhor para a campanha e para o meu controle dificultoso de ansiedade.

Agradeço ao Guilherme Bonini que montou o vídeo do projeto, ao Ivan Freitas por seus aconselhamentos e ao Audaci Junior, por todo apoio e revisões.

Fique com o vídeo da campanha, visite o projeto, conheça um pouco do meu novo quadrinho e apoie o financiamento coletivo!

Por aqui me despeço.

Um abraço!

Luciano Salles

Grand Prix Metanoia é o novo quadrinho de Luciano Salles

É isso mesmo! Minha nova história em quadrinhos entrará para sua campanha de financiamento coletivo – pela plataforma do Catarse – no dia 26/09/2019.

Será uma campanha de captação com apenas 20 dias! Agende a data em seu calendário online pois garanto que poderá participar dessa campanha. Estou bastante empolgado e desde já convido você para fazer parte desse projeto.

Ainda não é hora de falar sobre o quadrinho, mas já sabe o nome da revista, está vendo essa imagem da HQ e, por enquanto, é isso que posso mostrar.

Entretanto, algumas coisas que posso adiantar é que estou considerando esse trabalho como um recomeço, de certo alívio criativo e que estou trabalhando de uma forma diferente, de um modo que nunca produzi meus quadrinhos. Considero que GP Metanoia vem no momento certo!

Por enquanto é isso. Preciso voltar a imersão do trabalho.

Espero que tenha ficado feliz com a notícia e espero seu apoio a partir do dia 26/09.

Um abraço.

Luciano Salles.

Arte original por Luciano Salles

Olá, tudo bem?

No dia 8 de julho liberei o arquivo de um desenho para que recebesse cores de quem se propusesse. Fiquei muito feliz em receber o desenho colorido por 4 (quatros) pessoas e são eles em ordem alfabética: Alan Thomaz, Igor Paz, JC Lucca e João Henrique Belo.

Neste hiato de data entre o dia 8 de julho e hoje, meu blog entrou na funilária e somente agora posso revelar as lindas cores que chegaram.

Na realidade, esse desenho foi feito a pedido de um norte-americano que adora commission de robôs deste estilo. Fiz o desenho, enviei para a cidade de Framingham e então, tudo estava resolvido. Todavia, gostaria de ver o desenho com cores que não fossem minhas e por isso, tive a ideia de abrir o arquivo para quem quisesse colorir.

Hoje, fico lisonjeado em saber que todos dedicaram do seu tempo para testar seu trabalho em um desenho meu. Estava muito curioso para saber como ficaria.

Vou inserir as artes de acordo com a ordem de datas que recebi. E um detalhe: desde já, eu, Luciano Salles, autorizo Alan Thomaz, Igor Paz, JC Lucca e João Henrique Belo, se assim desejarem, imprimir e vender, na forma de print em tamanho A3, as respectiva artes coloridas.

E você, gostou de qual peça colorida? Deixe sua opinião nos comentários.

Muito obrigado aos quatro coloristas e a você que visita o blog.

Um abraço.

Luciano Salles.

Cores por JC Lucca
Cores por Alan Thomaz
Cores por Igor Paz

Arte para a abertura do canal Um geek e meio, por Luciano Salles

Olá, tudo bem?

Enquanto meu blog passava por suas mudanças, continuei trabalhando muito. Foram serviços para além dos quadrinhos e as ilustrações. Como não tinha meu site para atualizar com postagens sobre novidades, alguns trabalhos ficaram para trás, sem eu trabalhar na divulgação.

Um trabalho muito legal que fiz foi a arte para abertura do Um geek e meio. Esse é um novo canal no Youtube sobre tecnologia, cinema, viagens, eventos, boardgames e tudo o que aborda a cultura pop.

Fiquei bastante satisfeito com o resultado do desenho dos apresentadores (e amigos), Pedro (um geek) e Gustavo (meio geek). A ideia da arte surgiu de um desenho que havia feito do Super Mario. O Pedro havia gostado de como havia trabalhado no encanador e pensou em algo similar.

A abertura do canal ficou muito mais legal quando o Pedrão, que entende tudo de edição e trabalha com isso, a animou. Veja como ficou legal nesse vídeo em que eles fizeram a cobertura do primeiro Geek Comics, que aconteceu no SESC Araraquara e foi um baita sucesso!

O canal já conta com sete vídeos e é atualizado todas as sextas-feiras, às 19h. Sendo assim, siga eles, ative o sininho e aproveite os conteúdos.

Seu comentário é sempre bem vindo!

Grande abraço.

Luciano Salles.

Wonder Woman commission

Olá, tudo bem?

Seja muito bem vindo ao novo dimensão limbo, blog que mantenho desde 2012 e que agora está de cara e casa nova.

Eu adorava meu antigo blog e estou apaixonado por esse novo mas é necessário uma explicação: como e por que essa mudança aconteceu?

Alysson Neto é um camarada que admira arte originais e é entendido de TI. Em determinado momento, percebeu que eu estava tentando mudar o template do meu blog antigo para um responsivo.

Estava passando por alguns “apertos técnicos” quando o Alysson entrou em contato e explicou que não era tão somente mudar o template meu blog. Ele carregava algumas coisas que faziam com o que o Google não gostasse tanto dele.

– Ahn!? Como assim? O Google pode não gosta de um site? O que que é isso!?

O camarada tentou me ajudar a melhorar o desempenho do antigo espaço, mas eram muitas as informações que não entendia e então, decidiu desenvolver um novo dimensão limbo, com todo conteúdo que havia no antigo.

Ainda está faltando atualizar muita coisa e aba “portfolio” farei lentamente, de acordo com os novos posts.

Ainda estou aprendendo a entender essa nova casa, mas o principal, que são as atualizações, estou dominando quase uns 60%, ahahahah.

Gostaria de saber o que achou do novo dimensão limbo? Sei que mudanças causam desconforto mas essa será para muito melhor!

Seu comentário é muito importante e finalizo com um agradecimento especial ao Alysson que dedicou (e ainda dedica) do seu tempo e conhecimento para atender alguém que tentava melhorar por conta própria, seu site.

Um abraço.

Luciano Salles.