Resenha de O Quarto Vivente, agora no Melhores do Mundo!

O Quarto Vivente, de Luciano Salles
Olá camarada. Tudo bem?

O Quarto Vivente recebeu mais uma resenha bem legal! Agora veio no Melhores do Mundo, pelo famigerado Poderoso Porco, que tive a honra de conhecer pessoalmente, no FIQ 2013.

O texto entrou no lote, Resenhas a granel: Títulos Independentes. Lá, também foram resenhadas, "Maki", "Contos do Vini", "Sequestro em três buracos", "Máquina Zero", "Feliz aniversário, minha amada", "Cara, eu sou legal!" e "As coisas que Cecília fez".

Como sempre, aqui você pode conferir a resenha completa que O Quarto Vivente recebeu, mas faço a sugestão que pule para o MDM, para ler as resenhas das demais citadas e conhecer essa galera que faz acontecer!

Aliás, se você não conhece o Melhores do Mundo, essa é a hora!



Baita abraço.

Luciano Salles.

Abaixo, breve explicação para o termo: Parangaricutirimirruaro.

Resenha: O Quarto Vivente
Por Poderoso Porco, em Janeiro 13, 2014.

O nosso >Parangaricutirimirruaro< Luciano Salles é um cara mais malandro que o gato: não sei se intencional ou acidentalmente, quando ele venceu o concurso de artes para o livrão Ícones dos Quadrinhos (onde uma caralhada de homenageavam ícones da história das HQ’s mundiais), muita gente se perguntou “Quem é Luciano Salles?”.

Ele não só se apresentou para o combate como sacou de debaixo do braço a desconcertante O Quarto Vivente. Desconcertante porque aborda um futuro distópico em que a Eurásia foi pro brejo e os cidadãos dos continentes foram acolhidos por outros países do mundo – a França passou a “existir” dentro do Brasil. O ano é 2177 e as mudanças globais geraram alterações na própria forma dos sujeitos apreenderem o mundo, nas formas de socialização e compartilhamento. A humanidade se tornou uma raça estranha, fria e distante uns dos outros (lembra bem os kriptonianos de John Bráine – inclusive nas roupas bizarras). Não há surpresa, não há encanto: só resta o estranhamento.

Salles, nosso >Parangaricutirimirruaro< dos óculos fodões, reforça isso alterando mesmo a linguagem dos personagens: há intervenções do francês, perturbações nos tempos verbais, neologismos. Esse estranhamento inclusive faz com que engrenar a leitura seja uma tarefa um tanto complexa de início – com o tempo se acostuma com o ritmo e a terminologia, mas começar é difícil. A arte do Salles tem uma pegada urbana, do grafitti, que combina bem com a trama. Só me incomodaram um pouco as cores, às vezes sintéticas demais.

Ah, e concordo com o Raphael Fernandes do Contraversão: O Quarto Vivente PRECISA ser lida mais de uma vez.

Postagens mais visitadas deste blog

10 dicas de como precificar sua arte original ou como devo cobrar por uma "commission"?

21 dicas para um(a) quadrinista independente.

A entrevista com as melhores perguntas que já respondi